Concerto marca lançamento do álbum “Música francesa para cravo e piano”, de Ingrid Müller Seraphim

A cravista e pianista Ingrid Müller Seraphim sobe com músicos amigos ao palco da Capela Santa Maria, dia 23, às 20 horas, para lançar o álbum duplo “Música francesa para cravo e piano”, com obras dos barrocos Rameau e Couperin e dos impressionistas Debussy e Ravel. “Música francesa para cravo e piano” foi produzido pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, com incentivo cultural da Caixa Econômica Federal.
     O repertório do CD nasceu do desejo de Ingrid gravar a obra de Claude Debussy, que a acompanhou por toda a vida. Mas trazer em um mesmo CD também obras de Ravel e dos compositores Rameau e Couperin surgiu do produtor Alvaro Collaço.  “É a síntese da carreira de Ingrid, que se dedicou tanto ao piano quanto a Música Antiga”, destaca Collaço, que diz ter a ideia vindo sob inspiração do cravista e regente Roberto de Regina. “Ele sempre falava que os dois impressionistas – Ravel e Debussy – se inspiravam em Rameau e Couperin”, lembra Ingrid. O resultado da empreitada é um perceptível diálogo entre os expoentes das duas escolas – barroca e impressionista –, comenta ela.
Ingrid Müller Seraphim iniciou-se no piano com cinco anos de idade. A partir da adolescência, foi premiada em vários concursos, apresentando-se então como solista de orquestras importantes. Para ela, começa aí sua carreira profissional. Por mais de 30 anos lecionou piano na Embap- Escola de Música e Belas Artes do Paraná.
O cravo ingressou na vida da musicista em 1967, quando foi presenteada com um pelo marido. Pôde então executar o repertório barroco que já conhecia. “Era excelente tocar Bach no cravo; aí comecei a pensar numa camerata, fui chamando as pessoas e a Fundação Cultural de Curitiba nos acolheu.” Foi assim que, em 1974, criou a Camerata Antiqua de Curitiba, trazendo do Rio de Janeiro para a cidade o maestro Roberto de Regina, personagem fundamental na história do grupo. Ingrid coordenou a Camerata por 26 anos. A subvenção oficial foi de grande valia para que o grupo se estabelecesse. Durante esse período criou a Oficina de Música, em 1983. 
          Sobre o álbum que será lançado, a cravista e pianista explica que as sessões de gravação foram além do previsto: “sem perceber, gravamos mais do que tínhamos intenção”. Então surgiu a ideia de se fizessem dois discos, cada qual com um instrumento. Afinal, foi um processo trabalhoso, pois tanto o piano quanto o cravo exigem muito na execução. 
          Ingrid, beirando 70 anos de carreira artística, afirma que as emoções são muitas com o envolvimento desse projeto. “Tocando cravo penso: que coisa mais linda, tenho que tocar mais cravo. Depois vou para o piano, mas esse foi o meu primeiro instrumento desde os cinco anos, quero tocar mais… Então fico assim”.
     Ao ouvir as gravações, ela se surpreendeu com o que ouviu. Ressalta: “Esta é uma boa memória do meu trabalho, e ao mesmo tempo da Betty (sua filha) que escreveu os textos do encarte. Ele também traz quadros da minha mãe, Elza Weimar Müller, fotos antigas e na capa do álbum tem ao fundo a imagem dela. Então é todo um conjunto de coisas importantes para mim, e um resumo da minha vivência na música, que me acompanhou por toda a vida. Não é uma coisa unilateral, é mais ampla”. O álbum foi produzido por Alvaro Collaço, gravado no Estúdio Trilhas Urbanas e traz no encarte textos de Elisabeth Seraphim Prosser, além de fotos históricas e de Julio Covello. A direção de arte é de Adalberto Camargo.
Repertório
     No CD dedicado aos barrocos constam, entre outras, “Tambourin”, “Rigaudon” e “La poule”, de Rameau; “Les roseaux”, “Les papillons” e “Les ondes”, de Couperin. No disco dedicado aos impressionistas encontram-se, além de outras, “Claire de Lune”, “Minstrels”, “Les collines d’Anacapri”, “Hommage à Rameau”, de Debussy, “Sonatine” e “Rigaudon” de “Le tombeau de Couperin”, de Ravel.
     O concerto de lançamento terá um repertório variado, abrangendo outros compositores. As obras são de Quantz, Bach, Debussy, Delibes, Fauré, Velasquez, Duruflé e Villa-Lobos. Participações de Paulo Mestre, Elisabeth Seraphim Prosser, Zélia Brandão, Maria Alice Brandão e Collegium Cantorum – Coro Feminino, tendo a regência da maestrina Helma Haller e ao piano Clenice Ortigara. Porém, Ingrid Müller Seraphim celebrará esse encontro afetivo-musical tocando cravo e piano, companheiros de toda uma vida.
Serviço:
Concerto de lançamento do álbum duplo “Ingrid Seraphim – Música francesa para cravo e piano”, dia 23, às 20 horas, na Capela Santa Maria (Rua Conselheiro Laurindo, 273). Participações especiais de Paulo Mestre, Elisabeth Seraphim Prosser, Zelia Brandão, Maria Alice Brandão, Collegium Cantorum – Coro Feminino, sob regência de Helma Haller. “Música francesa para cravo e piano” foi produzido pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, com incentivo cultural da Caixa Econômica Federal. Produção de Alvaro Collaço Produções. Ingressos no local: R$ 10,00.
(zeca@torregestao.com.br)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.