Curitiba é até segunda a Capital Mundial da Cardiologia

         Teve início na manhã de hoje, dia 18, no Expocenter Convention Center, de Curitiba, e vai até segunda, dia 21, o 70° Congresso Brasileiro de Cardiologia. O evento é a oportunidade para que vários dos mais importantes pesquisadores e professores do Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, França, Holanda e Alemanha, falem e discutam com os médicos brasileiros sobre as mais recentes descobertas em emprego de medicamentos, cirurgias, exames de imagem e técnicas de uma das áreas do conhecimento humano que evolui mais rapidamente no mundo inteiro.
         O congresso é tão importante que, antes mesmo de começar, já bateu um recorde de pré-inscrição, 4.800 no total e a expectativa é que 7.000 especialistas acompanhem as conferências dos 515 palestrantes, entre os quais professores das mais importantes universidades e instituições do País.
         O presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Angelo de Paola, explica que a presença de autoridades mundiais como Peter Libby, da Harvard Medical School, Mark Creager, presidente da American Heart Association, Gerhard Hindricks, da Universidade deLeipzig, da Alemanha, de Richard Chazal, que vai assumir a presidência do American College of Cardiology e de Fausto Pinto, que preside a European Society of Cardiology, garantem o nível científico do congresso, verdadeira reciclagem para os médicos. O evento foi preparado de maneira a permitir que, sem sair do Brasil, os cardiologistas tenham a oportunidade de “aproximar a complexa temática cardiológica com a prática diária da profissão”.
Válvulas por via percutânea
         Para a diretora científica da SBC, Maria da Consolação Moreira, a importância do congresso pode ser avaliada pelo fato de incluir “294 sessões temáticas e mais de 1.000 atividades com participação multiprofissional”.
         Já o vice-presidente da SBC, Sérgio Montenegro, lembra que são muito aguardadas as apresentações sobre válvulas que passam a ser implantadas através de cateteres, procedimento pouco invasivo e que evita complexas cirurgias, bem como a estratégia para uso dos trombolíticos, medicamentos que desfazem o coágulo que causa um infarto e reativam o fluxo sanguíneo no coração.
         Muita atenção será dada aos problemas cardíacos na mulher, que recentemente passou a se equiparar ao homem, no que se refere a doenças e à mortalidade cardíaca, tema da cardiologista Viviane Giraldi. Há extremo interesse nas sessões anatomoclínicas, nas sessões focadas na avaliação do paciente assintomático, aquele que tem problemas no coração mas que ainda não apresenta sintomas e cuja vida será preservada, se a cardiopatia for diagnosticada precocemente.
Primeiros antídotos
         Há problemas emergentes que serão alvo de larga discussão, como os primeiros antídotos para o sangramento decorrente dos novos agentes anticoagulantes. É que quando um coágulo provoca um trombo ou um infarto, a arma da Medicina atual consiste no anticoagulante, que resolve o problema, mas frequentemente provoca muito sangramento. As primeiras drogas para interromper o sangramento começam a aparecer e os especialistas internacionais falarão de sua experiência com as mesmas.
         O presidente do 70° Congresso, José Carlos Moura Jorge, ressalta que as pesquisas originais feitas por médicos brasileiros em todas as áreas da Cardiologia somam 965 apresentadas para análise. 307 foram consideradas com importância suficiente para apresentação especial, sendo que as melhores serão premiadas e estão previstas mesas redondas sobre os mais variados temas. Um dos destaques é a correlação entre as doenças do coração e a espiritualidade, pois há comprovação científica de que as pessoas espirituais, não importa que religião tenham, reagem melhor aos problemas cardíacos, são menos afetadas por eles e se recuperam mais depressa. Tanto é assim, que cerca de 80 Faculdades de Medicina dos Estados Unidos já tem esse tema no seu currículo, embora a discussão ainda seja incipiente no Brasil, diz o presidente do grupo de estudos, Álvaro Avezum.
350 mil mortos por ano
         Além do Congresso Brasileiro de Cardiologia e também no Expotrade vai se realizar o 4º Brasil Prevent, uma resposta da especialidade ao desafio da Organização Mundial da saúde, que propôs reduzir em 25% a mortalidade por doenças cardiovasculares até 2.025. A proposta se explica pelo fato do coração ter se tornado primeira causa de morte em dezenas de países, inclusive no Brasil, onde os óbitos por doenças cardíacas somam 350 mil a cada ano.
         Também no Expotrade funcionará, durante o Congresso, o Museu do Coração, exposição itinerante que em sua quarta versão, objetiva conscientizar os jovens, principalmente, a evitarem os fatores de risco cardíaco, para reduzir a ocorrência dos infartos precoces, que aumentam à medida em que a população engorda, se torna hipertensa, sedentária e passa a ter níveis elevados de colesterol.
SERVIÇO:
70º Congresso Brasileiro de Cardiologia e Museu do Coração
Local: Expotrade Convention Center
Endereço: Rodovia Deputado João Leopoldo Jacomel, nº 10.454 – Vila Amélia Pinhais/PR
Datas: 18 a 21 de setembro de 2015
<atendimento@docpress.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.