Filmes nacionais estão na programação da Semana Cultural da Educação

A Cinemateca de Curitiba e o Cine Guarani dedicam a programação desta semana a produções nacionais, selecionadas especialmente para a Semana Cultural da Educação, que acontece de 28 de setembro a 3 de outubro. A exibição de filmes faz parte das 248 ações culturais que acontecem em 30 diferentes espaços da cidade, com a oferta de 32 mil ingressos gratuitos para servidores da educação, da cultura e comunidade em geral. Confira:
Cinemateca
Dia 28/09, às 10h
JANELA DA ALMA (BR, 2001, documentário, cor, 73’) Dirigido por João Jardim e Walter Carvalho
Com Wim Wenders, Agnès Varda, Hanna Schygulla. Dezenove pessoas com diferentes graus de deficiência visual, da miopia discreta à cegueira total, falam como se vêem, como vêem os outros e como percebem o mundo. O escritor e Prêmio Nobel José Saramago, o músico Hermeto Paschoal, o cineasta Wim Wenders, o fotógrafo cego franco-esloveno Evgen Bavcar, o neurologista Oliver Sacks, a atriz Marieta Severo, o vereador cego Arnaldo Godoy, entre outros, fazem revelações pessoais e inesperadas sobre vários aspectos relativos à visão: o funcionamento fisiológico do olho, o uso de óculos e suas implicações sobre a personalidade, o significado de ver ou não ver em um mundo saturado de imagens e também a importância das emoções como elemento transformador da realidade –  se é que ela é a mesma para todos. Livre.
Dia 29/09, às 10h e 14h
TUDO BEM (BR, 1978, ficção, cor, 110’) Dirigido por Arnaldo Jabor
Com Anselmo Vasconcelos, Regina Casé, José Dumont. Juarez (Paulo Gracindo) é o chefe de uma família de classe média, que está às voltas com uma obra no apartamento. Aposentado, ele está sempre cercado pelos fantasmas de seus amigos já falecidos. Elvira (Fernanda Montenegro), sua esposa, fica revoltada com a impotência de Juarez, o que faz com que acredite que ele tenha uma amante. Zé Roberto (Luiz Fernando Guimarães) e Vera Lúcia (Regina Casé) são os filhos do casal, ele um executivo oportunista e ela preocupada apenas em encontrar um marido. Junto com eles vivem duas empregadas: Aparecida de Fátima (Maria Sílvia), mística fervorosa, e Zezé (Zezé Motta), que trabalha como prostituta nas horas vagas. Juntos eles precisam lidar com as dificuldades da vida e os operários da obra, que estão sempre no apartamento. 16 anos.
Dia 30/09, às 10h e 14h
A LIRA DO DELÍRIO (BR, 1978, drama, cor, 102’) Dirigido por Walter Lima Jr.
Com Tonico Pereira, Anecy Rocha, Paulo Cesar Pereio. Dois momentos na vida de um grupo de personagens cariocas. No bloco carnavalesco “A Lira do Delírio” eles vivem o êxtase. Fora do carnaval, cruzam-se num cabaré da Lapa. Ness Elliot (Anecy Rocha) tem o filho sequestrado e cai na manipulação de Claudio (Claudio Marzo), misto de malandro e homem de negócios. O repórter de polícia Pereio (Paulo Cesar Pereio) faz de tudo para ajudá-la enquanto também investiga o assassinato de um homossexual. 16 anos.
Dia 1º/10, às 10h e 14h
O SIGNO DA CIDADE (BR, 2008, drama, cor, 95’) Dirigido por Carlos Alberto Riccelli
Com Graziela Moretto, Bruna Lombardi, Denise Fraga. São Paulo. Gil (Malvino Salvador) é casado, mas está solitário. Lydia (Denise Fraga) gosta de se arriscar. Josialdo (Sidney Santiago) nasceu para ser mulher. Mônica (Graziella Moretto) é interesseira e quer apenas se dar bem. Todos ouvem o programa noturno de rádio da astróloga Teca (Bruna Lombardi), que lida com os anseios de seus ouvintes e seus próprios problemas. 14 anos.
Dia 2/10, às 10h e 14h
O BANHEIRO DO PAPA (França, Brasil, Uruguai, 2007, comédia dramática, 97’) Dirigido por Enrique Fernandes, Cesar Charlone.
Com César Troncoso. 1998, cidade de Melo, na fronteira entre o Brasil e o Uruguai. O local está agitado, devido à visita em breve do Papa. Milhares de pessoas virão à cidade, o que anima a população local, que vê o evento como uma oportunidade para vender comida, bebida, bandeirinhas de papel, souvenires, medalhas comemorativas e os mais diversos badulaques. Beto (César Trancoso), um contrabandista, decide criar o Banheiro do Papa, onde as pessoas poderão se aliviar durante o evento. Mas para torná-lo realidade ele terá que realizar longas e arriscadas viagens até a fronteira, além de enfrentar sua esposa Carmen (Virginia Mendez) e o descontentamento de Silvia (Virginia Ruiz), sua filha, que sonha em ser radialista. 10 anos.
Cine Guarani
Dia 29/9, às 10h e 14h
Filme: CHEGA DE SAUDADE (BR, 2008, cor, ficção, 95’) Direção: Laís Bodanski.  
Com Leonardo Villar, Tonia Carrero. Um baile acontecerá em um clube de dança em São Paulo. Desde quando o salão abre suas portas, pela manhã, até seu fechamento ao término do baile, pouco após a meia-noite, diversos personagens rodeiam o local. 12 anos.
Dia 30, às 10h e 14h
Com Fernanda MontenegroRaul CortezLaura Cardoso. Regina (Fernanda Montenegro) é uma mulher de 65 anos de sinceridade excessiva e ironia incontida, que vive em Copacabana com sua cachorrinha vira-lata. Para esquecer a solidão e se distrair ela participa de um serviço da polícia, no qual aposentados denunciam pequenos delitos. Em uma noite de abandono, “fiscalizando” com seu binóculo o que acontece nos prédios do outro lado da rua, Regina presencia o que lhe parece ser um homem matando sua mulher com uma injeção letal. Ela chama a polícia, mas o óbito é dado como morte natural. Desmoralizada, Regina resolve provar que estava certa e acaba se envolvendo com o suposto assassino. 12 anos.
Dia 1º, às 10h e 14h
Filme: ASSIM ERA A ATLÂNTIDA (BR, 1975, documentário, pb, 95’) Dirigido por Carlos Manga
Com Odete LaraGrande OteloJosé Lewgoy. A era de ouro da Atlântida Cinematográfica, estúdio de cinema brasileiro que se notabilizou pela produção de chanchadas. 10 anos.
Dia 2, às 10h e 14h
Filme: ZUZU ANGEL (BR, 2006, drama, cor, 104’) Direção: Sergio Resende
Com Patrícia Pillar, Daniel de OliveiraBrasil, anos 60. A ditadura militar faz o país mergulhar em um dos momentos mais negros de sua história. Alheia a tudo isto, Zuzu Angel (Patrícia Pillar), uma estilista de modas, fica cada vez mais famosa no Brasil e no exterior. Paralelamente seu filho, Stuart (Daniel de Oliveira), ingressa na luta armada, que combatia as arbitrariedades dos militares. Resumindo: as diferenças ideológicas entre mãe e filho eram profundas. Numa noite Zuzu recebe uma ligação, dizendo Stuart tinha sido preso pelos militares. As forças armadas negam. Pouco tempo depois ela recebe uma carta dizendo que Stuart foi torturado até a morte na aeronáutica. Então ela inicia uma batalha aparentemente simples: localizar o corpo do filho e enterrá-lo. Mas Zuzu vai se tornando uma figura cada vez mais incômoda para a ditadura. 14 anos.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.