Nem jogadores de futebol, nem bombeiros: eles querem ser cientistas!

Durante um fim de tarde por semana, os alunos de 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental se reúnem para pesquisar, fazer perguntas e procurar respostas para questões que afetam o dia a dia de todos nós. Desde a seca que afetou a região Sudeste no início do ano, até a presença de animais transmissores de doenças são assuntos investigados pelos alunos do Colégio Positivo que fazem parte do Clube da Ciência, em Curitiba (PR). A atividade extracurricular começou em 2015 e já mostra resultados no desempenho dos alunos. 

Estudos realizados em universidades de diversos países apontam que atividades científicas e pesquisas devem ser incentivadas desde cedo. Pesquisadores da Universidade de Newcastle, na Austrália, afirmam que a participação de crianças em atividades extras possui associação direta com um maior desempenho acadêmico e redução nas faltas. Já na Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, os resultados das pesquisas mostraram que os relacionamentos entre os alunos e sua autoestima também são beneficiados, além de todo conhecimento que é adquirido. 

Para Alexandre Ferreira, professor de Ciências e um dos orientadores do Clube de Ciências do Colégio Positivo, o principal objetivo do projeto é instigar o pensamento científico nos alunos. “O Clube é o lugar para que os estudantes aprendam a, principalmente, questionar – e, a partir disso, tenham a vontade de coletar os próprios dados, tirar as próprias conclusões. Esse é o lema de qualquer cientista”, disse o professor. 

Além das questões práticas, como o desenvolvimento de projetos e experimentos, assuntos mais teóricos também são abordados no Clube. Segundo Ferreira, “a elaboração de artigos científicos, por exemplo, é algo que acompanha de perto a vida de qualquer acadêmico. Ter o contato mais cedo com a metodologia é tão importante para o futuro dos alunos como realizar experiências”.

Muito se engana quem acha que tudo isso pode ser chato e até sem graça. Os encontros do Clube de Ciências são regados a risadas, discussões acaloradas sobre os temas e os mais variados e inusitados materiais de apoio. Os experimentos são casos à parte na rotina das crianças que, para encarar os desafios propostos pelo professor, têm que vestir jalecos, máscaras e entrar no personagem. “Eles já tiveram que descobrir o que aconteceu com uma vítima de uma doença misteriosa e reconhecer substâncias não identificadas, com base em testes e experimentos”, conta Alexandre. 

A opinião dos alunos é categórica: eles estão no Clube por que gostam do assunto. “Sempre gostei de Ciências. Por isso, quando vi que ia começar o Clube, já me inscrevi”, comenta Fabrício Bertoncelo Filho, aluno do 6º ano. Para Cecília Rossi, do 7º ano, a pesquisa científica ajuda nas outras aulas também. “Eu consigo me concentrar mais nas coisas e sei que estou aprendendo mais também”, analisa ela. 

Uma das premissas do projeto é atrelar o cotidiano dos alunos com experimentos científicos, principalmente aquilo que está em voga nas mais amplas discussões – fazendo com que o engajamento e relacionamento dos participantes sejam maiores. No primeiro semestre deste ano, o Clube de Ciências trabalhou o tema água e suas diversas aplicações: energia com água da chuva que cai nas calhas, tratamento do lago do colégio com plantas aquáticas e recriação de uma estação de tratamento de água, por exemplo. Cada uma dessas propostas virou um artigo científico, com direito à questão problema, justificativa, objetivos e apresentação dos resultados. 

Os trabalhos desenvolvidos pelos pequenos cientistas durante o ano serão expostos, em formato de banner, durante a Mostra de Soluções do Colégio Positivo, a feira científica da instituição que acontece sempre em outubro. O evento reúne os projetos, orientados e orientadores, a fim de valorizar o trabalho científico de cada aluno do colégio. 




Sobre o Colégio Positivo
O Colégio Positivo compreende quatro unidades na cidade de Curitiba, nas quais nasceu e se desenvolveu o modelo de ensino levado a todo o país e ao exterior. O Colégio Positivo Júnior, o Colégio Positivo – Jardim Ambiental e o Colégio Positivo – Ângelo Sampaio atendem alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, sempre combinando tecnologia aplicada à educação, material didático atualizado e professores qualificados, com o compromisso de formar cidadãos conscientes e solidários. Os alunos têm à sua disposição atividades complementares esportivas e culturais, assim como aulas de Língua Inglesa diferenciadas. Em 2013, foi lançado o Colégio Positivo Internacional, que atende alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, com uma proposta de aprendizado internacional. (centralpress@presskit.com.br)




Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.