Glaucoma pode ser controlado se diagnosticado precocemente

*Marco Canto
 Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o glaucoma é a segunda
causa de cegueira no mundo e estima-se que cerca de 1 milhão de brasileiros
sejam portadores da doença, de acordo com a Sociedade Brasileira de Glaucoma. A
doença provoca uma perda progressiva da visão e, embora não tenha cura, se
descoberta precocemente, pode ser tratada e ter seu avanço “estacionado” com o
uso de colírios.
O glaucoma provoca uma alteração do nervo óptico, que entra em
sofrimento e perde a capacidade de captar e transmitir os raios luminosos. Como
não costuma apresentar sintomas e a perda lenta e gradual da visão demora para
ser detectada pelo paciente, acaba sendo descoberto somente em estágios mais
avançados. Por isso, os check-ups regulares com o oftalmologista são
importantes, pois toda a perda de visão que ocorre não pode ser recuperada. O
tratamento somente impede o avanço da doença, sendo possível recuperar somente
as células que ainda estão sofrendo, não mais aquelas que já morreram.
Quando existem sintomas, geralmente são desconforto nos olhos com
sensação de pressão e embaçamento visual, principalmente pela manhã. Quando a
pressão ocular sobe muito, a visão piora bastante e provoca dor intensa.
Qualquer pessoa pode desenvolver a doença, mas a incidência é maior em
familiares de pessoas portadoras de glaucoma, afrodescendentes, pessoas com
doenças autoimunes, diabetes ou miopia. O tipo mais comum é o glaucoma crônico
simples, de origem genética.
A consulta oftalmológica deve ser periódica, principalmente se o
paciente fizer parte do grupo de risco, para que seja medida a pressão ocular e
o médico possa observar o fundo do olho e a escavação do nervo óptico, que
costuma aumentar com a progressão do glaucoma. Quando se tem dúvidas, é
possível realizar exames adicionais como campimetria, que mede a periferia da
visão; curvas tensionais para verificar a pressão ocular em diferentes horários
do dia, a estereofoto de papila, que avalia o comprometimento do nervo óptico e
a paquimetria para qualificar a medida da pressão ocular.
Quando a doença é detectada, o tratamento é feito com colírios, laser
ou cirurgias. Entretanto, como já mencionado, a visão perdida não é recuperada
nem com a cirurgia. Por isso, a importância do diagnóstico precoce para impedir
o avanço do glaucoma.
*Marco Canto é médico formado pela Universidade
Federal do Paraná, tem residência em Oftalmologia pelo Hospital de Clínicas da
UFPR. É vice-presidente da Associação Paranaense de Oftalmologia e diretor da
Clínica Canto, em Curitiba.
Sobre a Clínica Canto
Com mais de 30 anos, a Clínica Canto oferece
serviços de oftalmologia com médicos especializados, priorizando a qualidade
diagnóstica e terapêutica para seus pacientes. Com duas unidades em Curitiba,
no Centro e no Seminário, oferece moderna e completa infraestrutura para exames
simples ou de alta complexidade e cirurgias oftalmológicas.

Mais informações no site
www.clinicacanto.com.br. 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.