Interior adere à estratégia de “gourmetização”

Se a cozinha sempre foi um lugar de experimentação por natureza, em um cenário de crise, essa característica se sobressai ainda mais e pode ser a saída para manter o fluxo de caixa ativo. Investir em criatividade e capacitação é a maneira encontrada por profissionais do setor para driblar a atual recessão econômica, a exemplo da chamada tendência “gourmetizadora”, observada em quase todos (se não todos) os setores de alimentação.

O picolé agora se chama paleta, o brigadeiro só sai da prateleira se for trufado e a cerveja tem que ser IPA, APA, belgian ou coisa que o valha. Os números provam que a estratégia está funcionando. Só em 2014, o mercado de cervejas artesanais cresceu 20% no Brasil, de acordo com dados da Escola Superior de Cerveja e Malte. A rede Los Paleteros faturou R$ 70 milhões em 2014, um resultado 10 vezes maior do que o realizado no ano anterior. A explicação, de acordo com especialistas em marketing, está na recompensa emocional e na diferenciação, pois produtos gourmet oferecem um argumento mais forte para justificar a compra e, de quebra, trazem também uma experiência única durante o consumo. 

Os restaurantes acompanham o ritmo e investem em maneiras diferenciadas de oferecer pratos tradicionais e manter as portas abertas. Uma das soluções é recorrer à capacitação e especialização de profissionais, especialmente nas localidades afastadas dos grandes centros, como o interior e litoral do Paraná, por exemplo. De acordo com o coordenador do curso de Gastronomia do Centro Tecnológico Positivo, Aílton Almeida, a demanda por informação e treinamento está tão alta que motivou a criação de cursos semipresenciais, ou híbridos, como também são chamados. “Nós unimos o melhor dos dois mundos, para atender aos profissionais da área gastronômica que ou não têm tempo ou estão distante de Curitiba e querem investir em capacitação e conhecimento”, explica Almeida. 

É o caso de Vicente Nogaroli, que possui um restaurante e uma cafeteria em Palmeira (PR), região dos Campos Gerais, e agora está abrindo mais dois empreendimentos do mesmo setor, no interior do Paraná. “Crise é oportunidade para crescer, mas sem diferenciação, o negócio não se sustenta”, justifica. Para ele, um curso híbrido, com aulas presenciais quinzenais é muito mais viável, em termos geográficos e econômicos: “não conseguiria viajar 70 quilômetros todos os dias e arcar com custos extras, como pedágio e gasolina, para garantir a capacitação”, explica.

O curso de Gastronomia do Centro Tecnológico Positivo existe desde 2009 e, de acordo com o MEC, tem a nota máxima na região Sul. A modalidade semipresencial vai unir o mesmo expertise dos professores, com a praticidade da educação a distância e aulas presenciais quinzenais, no sábado ou segunda-feira, de acordo com a opção do aluno. “As cidades do litoral e do interior estão se desenvolvendo e procurando cada vez mais caminhos para estimular e desenvolver a economia local e a criação deste curso híbrido é a prova concreta desse fenômeno”, analisa o coordenador. Além de formação predominantemente prática na produção de alimento e bebidas, o curso também traz conhecimentos vitais para a gerência e manutenção de um estabelecimento gastronômico, com foco na formação de profissionais completos e preparados para o mercado de trabalho.



Serviço
Curso de Gastronomia – semipresencial – Centro Tecnológico Positivo
Duração:
 2 anos
Aulas presenciais (manhã e tarde) a cada 15 dias e material online 
Câmpus: Ecoville – Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – Cidade Industrial, Curitiba – PR, 81280-330 
Mais informações: http://www.ctpositivo.edu.br/cursos-de-tecnologia/gastronomia-semipresencial 




Sobre o Centro Tecnológico Positivo – O Centro Tecnológico (CT) Positivo materializa, na Educação Superior, a excelência que o Grupo Positivo alcançou na oferta de educação. Para assegurar uma sólida formação profissional, com base nos valores do saber, da ética, do trabalho e do progresso, e adequada às exigências do mercado de trabalho, mantém parcerias com diversas entidades nacionais e internacionais. Fundado em 2009, o CT Positivo oferece Cursos Superiores de Tecnologia (Tecnólogos) objetivos, práticos e rápidos, com duração de dois a três anos, em cinco unidades: Batel, CIC, Ecoville, Hauer e Praça Osório. Entre os diferenciais do Centro Tecnológico Positivo estão a infraestrutura de ponta, com salas e laboratórios modernos e especializados; o corpo docente com experiência prática; a oferta de disciplinas em formato modular; e os programas dos cursos construídos em parceria com empresas. Central Press

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.