Oi coleta aparelhos móveis, baterias e acessórios em suas lojas e prédios administrativos

A Oi tem 815 pontos de coleta de aparelhos móveis, baterias de telefones celulares e fixos sem fio e acessórios em suas lojas em todo o Brasil, onde a população pode descartar o material especificado e contribuir com a preservação ambiental. A empresa conta com postos de recolhimento em 40 prédios administrativos. Somente em 2014, foram recolhidos 1.524 itens.
A empresa, através de seu website: (www.oi.com.br/coletadebaterias), orienta sobre a importância do descarte de maneira adequada e comunica seus procedimentos com os equipamentos coletados. A coleta é feita em parceria com empresa de logística reversa especializada que, após o recolhimento, realiza o desmonte dos aparelhos e destina as baterias às recicladoras credenciadas por órgãos ambientais.
Algumas baterias usadas nos telefones celulares contém metais pesados que, se depositados em locais inadequados como lixões e aterros, podem causar graves danos ao meio ambiente e à saúde da população, pois liberam resíduos tóxicos.
A Oi também realiza a reciclagem de outros materiais. Dentre eles destacam-se o papel usado nas embalagens e atividades administrativas, e os cabos e fios metálicos e de fibra nas operações de campo. A companhia adota envelopes reutilizáveis, com espaço para diversos remetentes, o que permite seu uso por 12 vezes antes do descarte.
Em 2014, foram geradas 985 toneladas de resíduos, designados a empresas certificadas capacitadas para a destinação ambientalmente adequada desses resíduos. Foram destinadas à reciclagem 2,7 mil toneladas de sucata, entre materiais de cobre, alumínio e ferro, baterias, cabos telefônicos, sucatas de informática e partes de peças de telefones públicos, entre outros.
Com o propósito de reduzir os impactos ambientais decorrentes da sua operação, a companhia realiza o gerenciamento do material descartado (sucata) com seus prestadores de serviços e efetua a venda a empresas de reciclagem homologadas pelos órgãos ambientais.
Polibio Figueiredo Braga <pbraga@oi.net.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.