REMADORES BATIZAM CANOA HAVAIANA NESTE SÁBADO EM CURITIBA

Um grupo de remadores curitibanos realiza neste sábado
(17/10), às 14h30, no lago do Parque Passaúna, a cerimônia de batismo de uma
canoa havaiana. Resgatando tradições muito antigas da Polinésia, onde este tipo
de embarcação teve origem, os praticantes reproduzirão um ritual inspirado no
passado. As canoas, segundo esta tradição, são seres vivos, e devem ser
batizadas e abençoadas para se integrarem ao grupo de tripulantes. O evento
marca o lançamento do primeiro clube dedicado ao esporte em
Curitiba.
“Todo o ritual tem como objetivo evocar proteção divina e
abençoar tanto a canoa como os participantes”, conta o remador e fotógrafo
Naideron Quincozes Júnior, integrante do grupo Amigos do Passaúna, que pratica
Stand Up Paddle e outros esportes a remo no local. A canoa utilizada comporta
até sete pessoas. Foi fabricada no Rio de Janeiro e tem estrutura em fibra de
vidro, separada em três partes, para facilitar o transporte. Na tripulação,
segue na frente o remador que dita o ritmo, chamado de “voga”. No final vai um
tripulante manobrando o leme.
A canoa será batizada como “Passaúna Va´a”. O termo “va´a”
quer dizer canoa na língua polinésia. Este tipo de embarcação foi utilizada como
meio de transporte nas Ilhas do Pacífico, tendo papel fundamental no processo de
colonização da região, na qual se encontram ilhas como as que compõem o Havaí.
“Como elas percorriam grandes distâncias em mar aberto, acabaram ganhando um
valor sagrado para aquelas culturas”, conta Naideron Jr. “Desse modo, foram
integradas às práticas e rituais que formavam a tradição religiosa e familiar
daqueles povos antigos. Com a chegada do Stand Up Paddle ao Brasil e sua
disseminação, com grande número de praticantes, a canoa havaiana também ganhou
espaço, pois possuem o mesmo lugar de origem”.
O ritual que será reproduzido no sábado terá várias etapas.
Começa com a purificação, feita com sal marinho, e depois com a benção,
realizada com água da nascente do Rio Passaúna. O rito segue com a canoa
ganhando as águas.
TRADIÇÃO ANTIGA
Sempre associadas ao Havaí, Taiti, Polinésia Francesa e
Ilha de Páscoa, este tipo de embarcação também pode ser encontrada na Malásia,
Papua Nova Guiné, Indonésia, Filipinas, Austrália e Sudeste Asiático. Com a
ocupação europeia, em especial no Havaí a partir de 1820, a canoagem foi
preterida enquanto esporte, e a prática somente voltou a ganhar força em
1876.
O primeiro clube de canoas havaianas foi fundado em 1908.
Na década de 70, o esporte se expandiu na Austrália e atualmente encontra-se
difundido em todo o mundo. No Brasil, a difusão teve início em 2000 a partir de
núcleos no Rio de Janeiro, São Paulo e Santos, que posteriormente vieram a
resultar na fundação de novos clubes nestes e em outros estados do país. Agora
Curitiba ganha seu primeiro clube desta modalidade.
As canoas antigas eram feitas de madeira. As modernas, como
esta, é confeccionada em fibra de vidro. Pesa aproximadamente 200 quilos. É
composta por três partes principais: casco, braços de madeira que apoiam a
“ama”, que é o estabilizador lateral e terceira parte da canoa.
BATISMO DE CANOA HAVAIANA
Sábado – 17 de outubro – 14h30
Local: Parque do
Passaúna

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.