Tendências 2016: Indústria de ônibus enfrenta pior período do setor

“A continuar como está, a indústria brasileira de ônibus não irá sobreviver”. Com essa declaração, o presidente da Neobus, Edson Tomiello, abriu o painel “Tendências da Indústria Fornecedora” no evento “Tendências 2016”, promovido pela Fepasc – Federação das Empresas de Transporte de Passageiros dos Estados do Paraná e Santa Catarina.


A indústria foi debatida ainda pelo presidente da Volvo Bus, Luís Carlos Pimenta, pelo diretor da Chevron Brasil, Antônio Carlos Rosa, e pelo diretor da Michelin, Feliciano Almeida. Antes mesmo do painel, o presidente da Fepasc, Felipe Busnardo Gulin, já havia dado um panorama das dificuldades do setor: “Estamos preocupados com o atual momento. Chamamos os parceiros de negócio para rediscutir o formato de negócio. Afinal, empresa de ônibus com dificuldades financeiras, ou quebrada, não consegue comprar insumos, como pneus, combustível, chassi e ônibus”.


Durante o painel, realizado durante a manhã do dia 20/10 na Casa do Cliente Volvo, em Curitiba, os debatedores alertaram para a grande queda do setor. “Os juros saltaram de 2,5% ao ano para 13%. Sem contar o desequilíbrio cambial e aumento geral de preços dos insumos básicos, como energia e combustível. Isso impacta diretamente na operação de qualquer indústria, ocasionando uma queda de mais de 50% nos índices de produção”, lamentou Tomiello.


Outra dificuldade, segundo ele, é a “despadronização” entre as prefeituras. “Cada uma quer definir seu próprio produto. Ou seja, precisamos desenvolver um ônibus para cada cidade. Assim, não há escala, o que tira a competitividade das indústrias. Se não arrumarmos isso logo e ajustarmos a economia, taxa de juros e câmbio, teremos muitas dificuldades para recuperar o setor”, destacou o presidente da Neobus.


Para o diretor da Chevron, essa instabilidade econômica e a desvalorização do Real dificulta muito a reação das empresas. “A maioria dos insumos é importada. O dólar e a carga tributária brasileira impactam sobremaneira no preço final, prejudicando ainda mais as operações”, analisou. Por tudo isso, ele considerou 2015 como um dos anos mais difíceis do setor. “O consumo está caindo, o mercado está mal e os clientes estão com problemas gigantescos. E, em 2016, ainda não deve acontecer uma recuperação plena”, projetou Antônio Carlos Rosa.


Já o presidente da Volvo Bus abordou o modelo de negócios dos operadores de transporte público no Brasil. “Além da forte carga tributária, bem diferente de outros países da América Latina, o modelo de negócios dificulta e tira a eficiência do sistema brasileiro”, ressaltou Pimenta.


Para o diretor da Michelin, apesar do momento atual, é importante ficar atento aos sinais. “Quando o mercado voltar ‘a ativa’, será com tudo. E é preciso estar preparado para atender essas demandas”, alertou Almeida. 


Tendências 2016 
O objetivo do evento, que contou com a participação do ex-ministro da Fazenda, Mailson da Nóbrega, e executivos do setor de transportes, foi debater o atual momento econômico e político do Brasil e o futuro dos negócios. Durante todo o dia, foram discutidos diversos temas com os mais de 100 participantes – entre eles empresários do setor de transportes e autoridades.
Além disso, o encontro apresentou novos horizontes e uma previsão do cenário econômico do próximo ano, mostrando alternativas de financiamentos e custeios dos transportes públicos. 


A Fepasc 
A união de 10 sindicatos patronais forma a Federação das Empresas de Transporte de Passageiros dos Estados do Paraná e Santa Catarina, a Fepasc. Representando aproximadamente cem empresas de transporte, a Fepasc abrange vários segmentos: rodoviário urbano, metropolitano, intermunicipal, interestadual e de fretamento e turismo. Por representar um número expressivo de empresas, a Fepasc possui uma cadeira no Conselho de Representantes da Confederação Nacional do Transporte, com isso as demandas do Paraná e de Santa Catarina são expostas e representadas em âmbito nacional. Atualmente a Fepasc é Presidida por Felipe Busnardo Gulin, que assumiu em janeiro de 2015.

Indústria passa por momento delicado (Créditos: Priscilla Fiedler)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.