“Carta de Curitiba” é apresentada na 1ª Jornada Nacional da Mulher Viver Sem Violência

A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres de Curitiba apresenta, na 1ª Jornada Nacional Mulher Viver Sem Violência, a “Carta de Curitiba” para o Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. O documento será apresentado pela secretária municipal da Mulher e presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Curitiba, Roseli Isidoro, na noite de abertura do evento, dia 23 de novembro, às 19h45, no Estação Convention Center.

A Carta aborda a violência como algo que se revela por meio da cultura patriarcal na vida das mulheres e que acaba tendo como consequência menos poder, menos direitos, menos participação social, além da exclusão das políticas públicas e dos espaços políticos. O documento também mostra as diversas formas de violência, doméstica e familiar, bem como aquelas praticadas em diferentes espaços da sociedade. Além disso, apresenta as reivindicações e propostas elaboradas pela secretaria.

Promovida pela Universidade Positivo, Universidade Federal do Paraná e Prefeitura de Curitiba, a 1ª Jornada Nacional Mulher Viver Sem Violência acontece nos dias 23, 24 e 25 de novembro. A abertura do evento acontece às 19h, com apresentação cultural de quinteto de violinos e o hino nacional. A cerimônia conta ainda com palestra da bioquímica e farmacêutica cearense Maria da Penha Maia Fernandes, símbolo da luta contra a violência sofrida pelas mulheres no Brasil.

O evento integra o calendário da mobilização mundial dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres. No mundo inteiro, as atividades de sensibilização e de conscientização a respeito do tema acontecem do dia 25 de novembro, que é o Dia Internacional da Não-Violência às Mulheres, até o dia 10 de dezembro, data-símbolo da luta em favor dos Direitos Humanos. No Brasil, devido à dupla discriminação sofrida pelas mulheres negras, os “dias de ativismo” se iniciam em 20 de novembro, que é o Dia Nacional da Consciência Negra. Mais informações no site http://www.up.edu.br/i-jornada-nacional-mulher-viver-sem-violencia.

SERVIÇO:
Apresentação do documento “Carta de Curitiba” para o Enfrentamento à Violência contra as Mulheres
Data:
23/11/2015, às 19h45
Local: Estação Convention Center – Av. Sete de Setembro, 2775
Informações: http://www.up.edu.br/i-jornada-nacional-mulher-viver-sem-violencia

(Texto produzido por alunos do curso de Jornalismo da Universidade Positivo: Juliana Bianchi, Kamila Santos e Georgia Imaregna – sob coordenação da professora Ana Paula Mira e assessoria de imprensa da Universidade Positivo – Central Press)

Sobre a Universidade Positivo
A Universidade Positivo (UP) concentra, na Educação Superior, a experiência educacional de mais de quatro décadas do Grupo Positivo. A instituição teve origem em 1988 com as Faculdades Positivo, que, dez anos depois, foram transformadas no Centro Universitário Positivo (UnicenP). Em 2008, foi autorizada pelo Ministério da Educação a ser transformada em Universidade. Atualmente, oferece 54 cursos de Graduação (30 cursos de Bacharelado e Licenciatura e 24 Cursos Superiores de Tecnologia), três programas de Doutorado, quatro programas de Mestrado, centenas de programas de Especialização e MBA e dezenas de programas de Extensão. Em Curitiba, a UP conta com três campus: Ecoville, que ocupa uma área de 424,8 mil metros quadrados, Praça Osório, no centro da cidade, e Mercês – Catarina Labouré, este último dedicado ao curso de Enfermagem. Lançou, em 2013, seu programa de Educação à Distância, com dezenas de polos em todo o país. Segundo as avaliações do Ministério da Educação, é considerada uma das dez melhores universidades privadas do Brasil.

centralpress

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.