Conheça três doenças que precisam ser discutidas com o ginecologista

Apesar de habitual para a mulher, a ida ao ginecologista deve ser um momento de pensar na saúde de uma forma mais ampla, indo além dos exames de rotina. Cada vez mais, os ginecologistas começam a olhar, com mais atenção, para outras questões ligadas à saúde que também possam representar mais qualidade de vida para toda a família. Nesse contexto, é fundamental que os dois lados, paciente e médico, conversem sobre prevenção de doenças que possam trazer maior proteção em todas as fases da vida da mulher, seja ela mãe, esposa, executiva, dona de casa etc. O tema saúde da mulher e vacinação é um dos principais destaques do 56º Congresso Brasileiro de Ginecologia, que vai até o dia 15 de novembro, em Brasília (DF). O evento reunirá os especialistas em saúde da mulher do Brasil, contando também com participantes internacionais. Entre os temas discutidos, estão algumas doenças que começam a fazer parte da rotina dos ginecologistas:
Caxumba
Doença viral aguda, caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares, geralmente a parótida e, às vezes, glândulas sublinguais ou submandibulares. Em homens adultos, ocorre orquiepididimite (inflamação dos testículos) em aproximadamente 20% a 30% dos casos; em mulheres, pode ocorrer ooforite (inflamação dos ovários) com menor frequência, acometendo cerca de 5% dos casos. Aproximadamente, 1/3 das infecções pode não apresentar aumento, clinicamente aparente, dessas glândulas. A imunização é o caminho mais seguro para prevenir o aparecimento da doença1.
Sarampo
Doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmissível e extremamente contagiosa, muito comum na infância. A viremia (presença do vírus no sangue), causada pela infecção, provoca uma vasculite generalizada (vesículas), responsável pelo aparecimento das diversas manifestações clínicas, gerando o quadro característico da infecção. Além disso, as complicações infecciosas contribuem para a gravidade do sarampo. A vacinação é o mecanismo mais recomendado para a prevenção2.
Coqueluche
Doença infecciosa aguda, transmissível, de distribuição universal. Compromete especificamente o aparelho respiratório (traqueia e brônquios) e se caracteriza pela tosse seca e persistente. Em lactentes (até os seis meses, principalmente), pode resultar em número elevado de complicações e até a morte. A transmissão ocorre, principalmente, por meio de gotículas de secreção da orofaringe eliminadas por tosse, espirro ou ao falar, a partir da mãe, do pai, avós, babá, enfim, dos contatos do bebê. A imunização é o principal mecanismo de proteção. Como em outros casos, as doses de reforço devem ser seguidas à risca3.
Referências
Serviço:
56º Congresso Brasileiro de Ginecologia
Local: Brasília
Data: 11 a 15 de novembro
vinicius@tinocomunicacao.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.