Depois de quatro anos, Itaipu abre três calhas do vertedouro

itaipu
Cena rara deve durar duas horas, das 10h ao meio-dia, horário brasileiro de verão. Crédito da foto: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

 

 

Mais de quatro anos depois, a usina de Itaipu volta a abrir neste domingo, 22, as 14 comportas das três calhas do vertedouro, para escoar 9 mil metros cúbicos de água por segundo (m³/s), ou seis vezes o volume médio das Cataratas do Iguaçu. A cena rara deve acontecer por aproximadamente duas horas, entre 10 horas e meio-dia, horário brasileiro de verão. É um teste operacional, mas a manobra técnica, com certeza, vai fazer a alegria de muitos turistas que visitarem a usina no período.

Em situações normais, operacionalmente, as três calhas só são abertas quando a vazão está acima de 30 mil metros m³/s. A capacidade máxima do vertedouro, que tem a função de descarregar toda a água não utilizada para geração, é de 62,2 mil m³/s, 40 vezes superior à vazão média das Cataratas do Iguaçu.

A última vez que as três calhas foram abertas foi em 24/07/2011. Naquele dia, embora a vazão fosse baixa, de 4.800 m³/s, os técnicos testaram todo o sistema do vertedouro, assim como vai acontecer agora. Os turistas terão muitos motivos para comemorar e registrar o passeio. Quem é de Foz do Iguaçu e região, não paga ingresso. Basta comprovar residência. Não é necessário agendar a visita.

Vertedouro aberto

Nesta sexta-feira, 20, a vazão no vertedouro chegou pela manhã a 6.852 m³/s, mas deve aumentar muito no fim de semana, já que chove muito na Bacia do Rio Paraná. Na verdade, ocorrem chuvas tanto a montante (acima) quanto a jusante (abaixo) da usina, o que levou Itaipu a ativar a Comissão de Cheia. Técnicos estão monitorando o aumento dos rios Iguaçu, que abriga as Cataratas, e Paraná, onde está localizada a Itaipu. Há risco de enchentes nos próximos dias em toda a região ribeirinha, especialmente na margem paraguaia.

<imprensa.itaipu@cliptime.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.