Doença infecciosa que mais mata no Brasil é a pneumonia

São Paulo, 22 de outubro de 2015 – Dia 12 de novembro é Dia Mundial do Combate à Pneumonia. Você sabia que ela é a principal causa de óbito entre as doenças infecciosas e, segundo dados do Ministério da Saúde, foi a terceira principal causa de mortes no Brasil em 2013? Apenas nesse período, foram registradas68,3 mil mortes, ficando atrás apenas das doenças cerebrovasculares e infarto do miocárdio.
A pneumonia adquirida na comunidade (PAC) é uma infecção que se instala no pulmão do paciente e tem como agente causador mais comum da doença o Streptococcus pneumoniae, mais conhecido por pneumococo, que está envolvido em 30% a 70% dos casos. Já as bactérias atípicas, como micoplasma, clamídea e legionela são responsáveis por 8% a 48% dos casos, enquanto as infecções mistas, que envolvem mais de uma espécie de bactéria, são relatadas em até 38% dos pacientes.
A doença tem como principais fatores de risco o tabagismo e o alcoolismo, pois reduzem a capacidade de defesa do aparelho respiratório. Ambientes fechados com ar-condicionado também podem influenciar o surgimento da doença, já que a entrada do germe nas vias respiratórias fica mais fácil em locais mais secos. Enfermidade imunodepressora, tratamento com betalactâmico nos últimos três meses, presença de comorbidades múltiplas também são fatores de risco da doença, que tem como sintomas clássicos a falta de ar, mal estar e febre.
De acordo com o Dr. Roberto Stirbulov, especialista em Pneumologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, um ou vários sinais da infecção podem aparecer no paciente. “Pacientes idosos podem manifestar menos sintomas de uma forma geral, inclusive podem não apresentar febre. Às vezes, a única manifestação nesse caso é queda do estado geral e diminuição de contato com o meio, como se fosse uma depressão”.
A pneumonia ataca, principalmente, os organismos mais suscetíveis, como crianças menores de cinco anos e idosos com mais de 65 anos. Gestantes e profissionais da saúde também estão mais sujeitos à infecção. Dependendo da idade e estado de saúde do paciente, a doença pode ser mais fatal. “A pneumonia é a principal causa de internação de pessoas acima de 50 anos”, ressalta Stirbulov. Um dado alarmante, divulgado por um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), mostrou que a doença mata mais crianças de até cinco anos no mundo do que aids, a malária e o sarampo juntos.
A mortalidade da PAC é de 1% e pode subir para 5% a 12% entre os pacientes que necessitam de internação. Essa porcentagem salta para 50% entre aqueles que vão para a unidade de tratamento intensivo. “É uma doença extremamente perigosa e que precisa ser diagnosticada o mais cedo possível para que o tratamento seja mais eficaz”, conclui o especialista.
O diagnóstico é feito avaliando a suspeita clínica, exame físico, realização de hemograma e Raios-X de tórax. O tratamento da pneumonia é baseado em antibióticos escolhidos de acordo com algumas variáveis, como idade, presença de doenças prévias, tipo de moradia, entre outras.
Para colaborar com o Dia Mundial do Combate à Pneumonia, a Eurofarma, multinacional farmacêutica brasileira presente em 15 países da América Latina, mostra as principais diferenças entre gripe e pneumonia e lista algumas recomendações para prevenção.
Conheça as diferenças entre gripe e pneumonia
A gripe é causada por vírus e é altamente infectante. Já a pneumonia é uma infecção nos pulmões causada por bactérias e vírus, na maioria dos casos pneumococo. Apesar de as duas doenças terem os sintomas bem parecidos, a febre na pneumonia pode ser mais alta e duradoura. A dor no peito também ocorre nos dois casos, já que a pessoa tosse muito. A diferença está no catarro: na pneumonia ele é mais espesso e colorido (acinzentado, esverdeado ou amarelado), enquanto na gripe ele é mais líquido e transparente.
De acordo com o Dr. Stirbulov, não há risco de uma gripe se tornar pneumonia, mas ela deixa o organismo muito mais suscetível a adquirir a infecção.
Imagem inline 1
Recomendações
·         Não fume
·         Não beba excessivamente
·  Conserve a manutenção do ar-condicionado em dia e em condições adequadas
·         Evite mudanças bruscas de temperatura
·         Lave suas mãos com frequência ao assuar o nariz, ir ao banheiro e ao trocar fraldas
·         É fundamental procurar atendimento médico para diagnóstico e tratamento precoce
“Nos primeiros sinais de possível pneumonia, é preciso procurar imediatamente atendimento médico. Essa agilidade no diagnóstico pode diminuir a morbidade e mortalidade da doença”, conclui Stirbulov.
Sobre o Grupo Eurofarma
O Grupo Eurofarma é a primeira multinacional farmacêutica brasileira com capital 100% nacional. Reconhecido pela comunidade médica e sociedade por promover o acesso à saúde e à qualidade de vida com tratamentos a preço justo, qualidade e inovação, está presente em 20 países, sendo 15 da América Latina – Argentina, Belize, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Peru, República Dominicana e Uruguai – e cinco localizados na África e Ásia.
Com 43 anos de existência, se posiciona com destaque nos segmentos em que atua: Prescrição Médica, OTC, Genéricos, Hospitalar, Licitações, Oncologia, Serviços a Terceiros e Veterinária. Em seu portfólio constam mais de 200 produtos e, em 2014, foram 200 milhões de unidades vendidas somente no Brasil.
Sobre a Eurofarma Brasil
Considerada uma das melhores empresas para se trabalhar, segundo o Great Place to Work, a Eurofarma Brasil conta com quase 6,5 mil colaboradores e possui a maior força de propaganda médica do País, com mais de 2,5 mil representantes. Com crescimento médio de 18% nos últimos 12 anos, a companhia atingiu a receita de R$ 2,6 bilhões no ano passado e realiza investimentos de 6% de suas vendas líquidas em Pesquisa & Desenvolvimento. Para mais informações, acesse www.eurofarma.com.br
<clareane@gaspar.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.