Festival Internacional de Cinema da Bienal de Curitiba começa dia 5 de novembro

Festival Internacional de Cinema da Bienal de Curitiba (FICBIC) acontece este ano dentro da programação da Bienal e vai levar ao público mais de 140 filmes em cinco mostras: Panorama do Cinema MundialPanorama do Cinema BrasileiroCinema em Retrospectiva, a mostra infanto-juvenil Universo Z e o Circuito Universitário, que contempla produções de estudantes que foram selecionados por júri convidado. O FICBIC acontece entre os dias 5 e 14 de novembro com exibições no Espaço Itaú de Cinemas, Cine Guarani, Cinemateca de Curitiba, Sesi Portão, Sesc Paço da Liberdade, Espaço FIEP, MIS – Auditorio Brasílio Itiberê, Colégio Estadual do Paraná, Instituto de Educação, além da mostra itinerária que vai levar filmes a diversos pontos do Paraná. O filme de abertura do FICBIC é O Clã, do cineasta homenageado Pablo Trapero vencedor do Leão de Prata 2015 em Veneza, e será exibido simultaneamente em três salas do Espaço Itaú de Cinemas no dia 5 às 20h. Toda a programação do festival é gratuita.

Apresentado pela Petrobras, o FICBIC tem a curadoria assinada pela doutora em audiovisual Denize Araújo e do jornalista Paulo Camargo. O festival acompanha o tema da Bienal “Luz do Mundo” e propõe uma trilogia da luz: a luz da câmera, a luz do olhar do cineasta e o olho-luz do espectador. Nas mostras principais Panorama do Cinema Mundial Panorama do Cinema Brasileiro, os curadores buscaram explorar a riqueza, diversidade e ineditismo dos títulos. “Os longas e curtas das mostras principais pretendem descortinar um cenário contemporâneo de enfoques e pontos de vista diferenciados, com filmes inéditos em Curitiba e premiados em festivais internacionais com perfis e parâmetros distintos”, explica Denize.

Entre os destaques das mostras principais, está o premiadíssimo O Grande Mestre, de Wong Kar-Wai, considerado o melhor filme do Festival de Hong Kong 2014, vencedor de 55 prêmios, além de ter sido indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro e fotografia, e o filme nacional AtoAtalho e Vento, de Marcelo Masagão, que conta com uma edição de quase 5 mil cortes, mais de 2 mil atores e 5.041 locações em 722 cidades. “O filme possibilita uma experiência estética totalmente diferenciada, apresentando uma colagem visual e intertextual que desafia o repertório audiovisual do espectador”, comenta o curador Paulo Camargo.

O FICBIC 2015 homenageia com a mostra Cinema em Retrospectiva o diretor Pablo Trapero, expoente do chamado Novo Cinema Argentino, que emergiu em meados da década de 1990 e se impôs como um dos mais vigorosos e instigantes no cenário internacional. Dentre os filmes, está o aclamado Leonera, representante da Argentina no Oscar, Cannes e diversos festivais e aborda a maternidade dentro de sistemas carcerários. “A retrospectiva de Trapero oferece um novo olhar, iluminando novamente sua tão significativa cinematografia e convidando o espectador a refletir sobre sua trajetória e suas construções de mundos e personagens, que ultrapassam seu país de origem para constituírem panoramas internacionais”, enfatiza a curadora Denize.

Com curadoria de Aristeu Araújo e Mariana Bernal, a mostra Universo Z traz filmes que refletem a nova geração infanto-juvenil, tanto nas formas plurais, como nos temas e propostas amplamente diversas entre si. “Depois da Geração Y, que já rendeu tantos estudos e debates, é a vez da Geração Z tornar-se protagonista. Formada pelas crianças e adolescentes de hoje, trata-se de uma parcela da população que nasceu e cresceu com a internet presente em suas vidas, com a hiperconectividade como algo dado”, explica o curador Aristeu Araújo. Um dos destaques da mostra é o longa Até que a Sbórnia nos Separe, que nos fala sobre transformações culturais e globalização sob um prisma diferente.

Pensado para levar as produções de novos realizadores às telas, o Circuito Universitário reúne uma grande diversidade de obras, formatos e temas. Dentro do circuito, o carro chefe é a Mostra Universitária Competitiva, com exibição de 22 filmes entre ficções, documentários e experimentais pela curadoria dos convidados convidadas Denise Soares, Nathália Tereza e Josiane Orvatich. Dividida em ficção, documentário e experimental, um premiado de cada categoria ganha um curso na New York Film Academy, nos Estados Unidos. O Circuito ainda conta com as mostras não-competitivasMostra o Teu que Eu Mostro o Meu, uma exibição dedicada às realizações dos alunos do curso de Cinema e Vídeo da FAP/ UNESPAR, o Projeto Cine Egresso, com três curtas-metragens que contaram com a direção de arte de Alex Rocca, a Mostra UTP, que exibe filmes dos estudantes de pós-graduação em cinema da Universidade Tuiuti do Paraná e, por fim, uma amostra dos trabalhos realizados pelos alunos do Curso de Cinema do Centro Europeu.

Sobre os curadores do FICBIC
Paulo Camargo 
é jornalista e professor dos cursos de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e do Centro Universitário UniBrasil. Também leciona em cursos de pósgraduação da PUCPR e da Universidade Tuiuti do Paraná, onde é doutorando no programa de Comunicação e Linguagens.

Denize Araujo é Coordenadora da Pós em Cinema e Docente do Mestrado e Doutorado da UTP – Universidade Tuiuti do Paraná, na linha de Cinema e Audiovisual. É Diretora do Clipagem – Centro de Cultura Contemporânea. É Membro do International Council, do Publishing e do Scholarly Review Committee, e Vice-Coordenadora do GT Visual Culture da IAMCR.

Serviço
Festival Internacional de Cinema da Bienal de Curitiba – FICBIC 2015
Data: de 5 a 14 de novembro
Entrada Franca
Locais: Espaço Itaú de Cinemas, Cine Guarani, Cinemateca de Curitiba, Sesi Portão, Paço da Liberdade, Espaço FIEP, MIS – Auditorio Brasílio Itiberê, Colégio Estadual do Paraná, Instituto de Educação, além da mostra itinerária que vair levar filmes a diversos pontos do Paraná.
Programação completa está disponível no site do FICBIC.

Patrocínio
O Ministério da Cultura apresenta a Bienal Internacional de Curitiba 2015, realizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura (Lei Rouanet). Esta edição é apresentada pela Petrobras e conta com o patrocínio da UEG Araucária, do BNDES, Sanepar, Copel e BRDE. Tem copatrocínio da Barigui Financeira. Tem o apoio da AVEC, Instituto Cervantes, SESC, SESI e o apoio internacional da Fundação Japão, Consulado Geral do Japão em Curitiba, Embaixada da Argentina, Consulado da Argentina em Curitiba, Instituto Goethe, Consulado Geral da Itália em Curitiba, Instituto Italiano de Cultura, Embaixada da França, Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales e New York Film Academy.


Leonera, de Pablo Trapero, é representante da Argentina no Oscar, Cannes e diversos festivais e aborda a maternidade dentro de sistemas carcerários.


Leonera, de Pablo Trapero, é representante da Argentina no Oscar, Cannes e diversos festivais e aborda a maternidade dentro de sistemas carcerários.
gabriel@danibrito.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.