Museu de Arte da UFPR recebe artistas de destaque durante Bienal Internacional de Curitiba

Com curadoria de Teixeira Coelho, obras dos italianos Carlo Bernardini, Davide Boriani e do paranaense Odires Mlászho são expostas pela primeira vez em Curitiba

A Bienal Internacional de Curitiba traz para o MusA – Museu de Arte da UFPR três grandes nomes da arte contemporânea, os italianos Carlo Bernardini e Davide Boriani e o paranaense em carreira ascendente internacional Odires Mlászho. A exposição teve curadoria de Teixeira Coelho e fica no museu até o dia 6 de dezembro, com entrada gratuita.

Odires Mlászho (Mandirituba/PR, 1960) é artista visual radicado em São Paulo. Autodidata, na década de 1990, começa a realizar desenhos sobre ilustrações impressas. A partir de 1996, trabalha com a apropriação de imagens fotográficas retiradas de livros, periódicos e álbuns, nas quais interfere, sobretudo, com colagens e incisões. Recebeu o prêmio Artista do Ano 2013 do MASP e participou de exposições indivuduais e coletivas, como a 55ª Bienal de Veneza, o principal evento de arte contemporânea atual, e a XXX Bienal Internacional de São Paulo. O artista propôs para a Bienal de Curitiba, que tem como tema Luz do Mundo, uma elaboração sobre a ideia de Lúcifer – uma encruzilhada dos sentidos da luz. “Lúcifer significa, literalmente, o portador da luz, aquele que traz a luz. Conhecido também como “O filho da aurora”, Lúcifer é o brilhante, a estrela da manhã, o mais belo planeta visível da Terra”, explica o curador Teixeira Coelho.

Para o italiano Carlo Bernardini (Viterbo/Itália, 1966), a maior transformação promovida pela arte contemporânea não é tanto a dos novos materiais ou novas linguagens, mas a explosão ou redefinição dos limites de uma tela com sua moldura ou de uma escultura com seu volume ou de uma arquitetura com suas arestas. É a partir deste conceito que o artista explora os limites dos campos de luz, delimitando espaços de luz que, paradoxalmente, são vazios de luz em seu interior, tendo apenas as bordas delimitadas, como num desenho geométrico sobre uma folha de papel. Bernardini trabalha com fibra ótica desde 1996. Ele criou e instalou esculturas públicas permanentes em fibras de aço inoxidável e ótica em diversas cidades italianas e, desde então, passou a criar instalações públicas ambientais em fibra ótica em várias cidades ao redor do mundo, como Amsterdam, Berlim, Nova York, Valencia e Haia.

Em seu primeiro manifesto, a Declaração de Outubro de 1959, publicado em janeiro de 1960, os artistas do Gruppo T, entre os quais Davide Boriani (Milão/Itália, 1936), um dos precursores da arte óptico-cinética, buscavam na arte uma tendência para expressar a realidade em termos de variação. Neste princípio, a primeira obra que está na Bienal de Curitiba, Pantachrome n. 5, é um mosaico de módulos luminosos cuja coloração varia continuamente num ciclo com duração programada para seis anos, significando que ao longo de seis anos um observador poderia ver conjuntos de retângulos coloridos que não se repetiriam. Em Ph scope, a segunda obra exposta, é possível que o espectador intervenha em traços luminosos gerados por luz ultravioleta sobre uma tela fosforescente, alternando entre sete sequências de sinais. Boriani é um dos fundadores dos movimentos de arte cinética dos anos 60. Sua obra encontra-se na confluência entre arte e ciência , tecnologia e design e já participou de grandes exposições, como no MoMA de Nova York e a Bienal Internacional de Veneza.

Sobre o MusA

O Museu de Arte da UFPR – MusA é uma unidade da Coordenadoria de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura e tem como idéia central estimular um maior envolvimento entre as diversas unidades didático-pedagógicas da Universidade Federal do Paraná, buscando a aproximação da arte e da ciência com o objetivo de otimizar a disseminação do conhecimento acadêmico por meio de exposições, mostras, palestras e ação educativa.

Sobre a Bienal

A Bienal Internacional de Curitiba completa 22 anos em 2015 e se consolida como um dos eventos mais importantes do circuito mundial. Nesta edição, a Bienal prioriza a arte que vai para as ruas, com ações que não se restringem aos museus, centros culturais e galerias, mas que ganham o espaço urbano. Tem curadoria geral do crítico de arte Teixeira Coelho e acontece na capital paranaense entre os dias 3 de outubro e 6 de dezembro com obras de artistas dos cinco continentes em mais de 100 espaços da cidade. Toda a programação é gratuita, exceto pelas exposições no Museu Oscar Niemeyer que segue as tarifas do museu (R$ 9 e R$4,50).

Publicações

Com o início do evento, o guia com a programação da Bienal será distribuído nos espaços expositivos e em diversos pontos da cidade. O site oficial também incluirá toda a programação e as informações gerais. Os catálogos da Bienal Internacional de Curitiba e do Festival de Cinema contêm informações detalhadas de todos os artistas e obras e poderão ser adquiridos a partir de outubro. O guia e o catálogo da Bienal são editados pela Arte e Letra.

Patrocínio

O Ministério da Cultura apresenta a Bienal Internacional de Curitiba 2015, realizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura (Lei Rouanet). Esta edição conta com o patrocínio master da UEG Araucária e patrocínio do BNDES, Petrobras, Sanepar, Copel, Scania e BRDE. Tem copatrocínio da Barigui Financeira, Sesi FIEP, Monreal Construtora, Pátio Batel e URBS. Tem o apoio da APAP-PR e Tintas Coral. O apoio internacional da Fundação Japão, Consulado Geral do Japão, Embaixada da Argentina, Consulado da Argentina em Curitiba, Prefeitura de Columbus, Prefeitura de Cracóvia, Embaixada da Itália, Consulado Geral da Itália em Curitiba, Instituto Italiano de Cultura de São Paulo, Centro Cultural Coreano no Brasil, Consulado Geral da República da Coréia, Embaixada do México, Embaixada da Suécia, Wichita State University, Fulbright, Consulado de Israel em São Paulo, Goethe Institut.

Promoção

A Bienal é uma promoção da RPC TV e do jornal Gazeta do Povo.

Serviço

Exposição de Carlo Bernardini, Davide Boriani e Odires Mlászho no MusA – Museu de Arte da UFPR

Bienal Internacional de Curitiba 2015

Data: 3 de outubro a 6 de dezembro

Local: Rua XV de Novembro, 695

Entrada franca

Redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram e Youtube

Informações: www.bienaldecuritiba.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.