Como o açúcar afeta sua visão?

Muitas pessoas, diabéticas ou não, não sabem de que maneira essa doença age sobre o nosso organismo, com consequências como o prejuízo à visão. De acordo com os médicos do Institutos de Oftalmologistas de Curitiba (IOC), o corpo humano usa o açúcar como fonte de energia para os músculos e para o cérebro, retirando ou transformando este importante nutriente dos alimentos naturais que ingerimos. Uma vez absorvido, o açúcar entra nos vasos sanguíneos para ser distribuído para todas as partes do organismo que necessitem deste combustível como fonte de energia.

A insulina é o hormônio responsável em tirar o açúcar da corrente sanguínea e levá-lo aos músculos que necessitam deste combustível. Quem é diabético produz menos insulina que o necessário, deixando que parte do açúcar continue circulando dentro dos vasos. “Com o tempo, o açúcar não absorvido acaba ferindo as paredes dos vasos, permitindo que partes do sangue vazem, podendo causar hemorragias e outros transtornos em praticamente todos os órgãos, inclusive os olhos”, explica o oftalmologista Luiz Geraldo Simões de Assis, do IOC.

De acordo com ele, o açúcar refinado presente nos doces e produtos industrializados, por ser artificial e ingerido pronto, entra mais rápido e em maior quantidade na corrente circulatória, requerendo uma quantidade ainda maior da já escassa insulina. “No olho, as hemorragias iniciam na retina, podendo ser visualizadas numa consulta de rotina com exame do fundo de olho. Quanto mais precoce for o diagnóstico de Retinopatia Diabética, menores serão as chances de perda irreversível da visão”.

O Diabetes inicia sem dar sinais, por isso as consultas devem ser frequentes, no mínimo anuais, o que permitirá que os tratamentos possam iniciar precocemente, ao primeiro sinal da doença.

O Instituto de Oftalmologia de Curitiba conta com retinólogos no seu corpo clínico, preparados para fazer exames que estudam a microcirculação da retina através de contrastes e fotodocumentação digital, definindo com alta precisão as áreas circulatórias anormais que necessitam de tratamento com laser de última geração.

Para tanto, são utilizados aparelhos de tomografia de coerência ótica, capazes de visualizar as camadas de células do fundo de olho e identificar membranas e tecidos de crescimento anormal que causam tração e distorção da retina, com grande prejuízo à visão. “Fazem uso de medicações de lenta liberação aplicadas intraocular, que tem efeito rápido e prolongado no controle dos vasos predispostos ao sangramento. Realizam microcirurgias oculares com as mais recentes tecnologias para os casos em que os tratamentos com medicamentos e laser são insuficientes para a melhora da visão”, conclui.

Saiba mais sobre a retinopatia diabética informando-se no Instituto de Oftalmologia de Curitiba.

 

Serviço:

Instituto de Oftalmologista de Curitiba – IOC

www.ioc.med.br

41 3322.2020

Av. Getúlio Vargas, 1500 – Curitiba, Paraná

Em frente à Praça do Atlético, com estacionamento próprio: Av. Getúlio Vargas, 1493

lucianebelin@gmail.com

IOC Curitiba1

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.