Obras da Bienal Internacional de Curitiba seguem até fevereiro no MON

A Bienal Internacional de Curitiba 2015, que encerrou dia 6 de dezembro em vários espaços na cidade, segue no Museu Oscar Niemeyer (MON) até dia 14 de fevereiro. Haverá algumas mudanças de espaço e substituições de artistas, como a obra no jardim externo do italiano Carlo Bernardini, que vai para a sala 3, a entrada de Davide Boriani, artista de trajetória internacional com obras adquiridas por importantes museus, dentre os quais o MoMA de Nova York – e o término das mostras de Dan Flavin e Doug Wheeler, que seguem para exposição fora do Brasil.

O público poderá conferir obras de Julio Le Parc, considerado expoente da arte contemporânea e um dos pioneiros da arte cinética, e também o homenageado desta edição da Bienal.  Além dos artistas: Lars Nilsson, Eliane Prolik, Alexander Kluge, Helga Griffiths, Jeongmoon Choi, Regina Silveira, Shirin Neshat e Yumi Kori.

Entre outubro e novembro, o MON recebeu cerca de 60 mil pessoas para ver os cinco espaços expositivos da Bienal. O conceito desta edição é a “Luz do Mundo”, fio condutor que guia o visitante nas mostras que representam o melhor da arte contemporânea mundial. “A edição de 2015 da Bienal Internacional de Curitiba tem por tema a arte da luz, a arte com a luz, a arte feita de luz e que tem na luz sua matéria, seu material e conteúdo”, observa o crítico e curador geral Teixeira Coelho.

Serviço

Bienal Internacional de Curitiba 2015

Até dia 14 de fevereiro de 2016 (Olho, Torre, sala 1, sala 3)

Terça  a domingo, das 10h às 18h

R$9,00 e R$4,50

<imprensa@mon.org.br>

Eliane ProlikModulos_Luminarias

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.