Transferência de tecnologia de oncólogico para o Tecpar é acelerada com empresa russa

Parceira do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) para produzir o Bevacizumabe, a empresa russa Biocad conseguiu no Ministério da Saúde da Rússia a autorização para comercializar o oncológico já em 2016, o que acelera o processo de transferência de tecnologia da companhia para o instituto. A previsão é que o Tecpar comece a produzir o medicamento em 2018.

O Bevacizumabe é um medicamento usado para o tratamento de diversos tipos de câncer e degeneração macular. O Tecpar vai produzir o biológico em Maringá a partir de 2018 junto com a Biocad, com a qual atua em uma Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), mecanismo utilizado pelo Ministério da Saúde para que laboratórios públicos produzam no país, em parceria com empresas privadas, medicamentos hoje importados.

A autorização para a comercialização do Bevacizumabe na Rússia é um importante passo para a produção pelo Tecpar, analisa o diretor-presidente do instituto, Júlio C. Felix. “A autorização para a comercialização na Rússia pela Biocad acelera o processo de tecnologia para o instituto. Com isso, podemos dar um andamento mais rápido à implantação da planta que vai produzir o medicamento”, pontua.

Além do Bevacizumabe, cuja produção via PDP já está garantida, o Tecpar concorre com a Biocad para fornecer ao Ministério da Saúde os biológicos Adalimumabe e Infliximabe, medicamentos usados para tratamento de artrite reumatoide, psoríase e outras doenças crônicas. A parceria é formada com o consórcio Biocad Monoclonais, composto pela representante brasileira da empresa, a Biocad Brasil, e a indústria farmacêutica Daudt, também brasileira.

Caso o Tecpar vença a concorrência, os dois produtos também devem ser comercializados a partir de 2018, na mesma planta do Bevacizumabe, em Maringá. “Os biológicos que serão produzidos pelo Tecpar vão gerar empregos na região. Mas, mais do que um produtor de medicamentos, o instituto busca, com essas parcerias, a transferência de tecnologia para o Paraná. Com isso, cada vez mais o Tecpar se firma como um centro de pesquisa, desenvolvimento e inovação no Brasil”, destaca Felix.

Produtos via PDP

Para se tornar o fornecedor oficial do Adalimumabe, o Tecpar concorre com outros seis laboratórios públicos. Já em relação ao Infliximabe, o Tecpar disputa com outras cinco instituições. O resultado da concorrência deve ser divulgado pelo Ministério da Saúde no início de 2016.

Além do Adalimumabe e do Infliximabe, o Tecpar atualmente concorre com outras três propostas de projeto para a produção de medicamentos e equipamentos da saúde, como a Somatropina, com a alemã Merck, o Salbutamol, com a britânica GSK, e o aparelho auditivo retroauricular e intra-aural, com a suíça Sonova.

<imprensa@tecpar.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.