Médicos reforçam necessidade de prevenção como principal forma de se evitar DSTs

Jovens e idosos são os grupos mais propensos a não usar preservativo.

Usar camisinha sempre e evitar contatos sexuais com múltiplos parceiros. Essas são as dicas do urologista Emir de Sá Riechi e do ginecologista Hélcio Porrua, médicos cooperados da Unimed Curitiba, para os foliões neste Carnaval. Os conselhos parecem simples e batidos, mas a prevenção ainda é o meio mais eficiente de não ser contaminado por doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

“Quem gosta de aproveitar o carnaval, seja nos bailes dos clubes ou nas folias de rua, precisa estar sempre preparado, pois nunca se sabe quando a oportunidade vai surgir. Então, a primeira regra é: tenha sempre um preservativo com você e não deixe de usá-lo ou de exigir isso do seu parceiro”, orienta Riechi. Além disso, o urologista da Unimed lembra que “evitar o contato sexual com múltiplos parceiros diminui bastante o risco de se contrair DSTs, especialmente com pessoas de grupos de riscos, como usuários de drogas injetáveis”.

Uma pesquisa encomendada pelo jornal O Globo, no ano passado, revelou que 53% dos entrevistados fazem sexo sem camisinha mais de uma vez ao ano. Esse índice sobe para 75% contando aqueles que transaram apenas uma vez sem proteção. O dado mais alarmante, porém, é que 88% aceitariam se relacionar com um parceiro que não queira usar a camisinha. O estudo, feito pelo Laboratório de Pesquisa da UniCarioca, entrevistou 1.074 pessoas no Rio de Janeiro, sendo 73% com idades entre 18 e 29 anos.

Assim como a AIDS, as doenças sexualmente transmissíveis têm aumentado em duas faixas etárias: jovens de até 24 anos e pessoas com mais de 60. “Na primeira faixa etária, o deslumbramento com o sexo com vários parceiros, e a falsa sensação de que ‘é só passar remédio que a doença passa’, fazem os jovens se descuidar. Já os idosos não estão habituados, culturalmente, a usar camisinha. Com o aumento na qualidade e expectativa de vida, acabam contraindo DSTs”, explica Porrua.

Divulgação
Divulgação

Cuidado com as uretrites, sífilis, HPV e hepatites

Além da AIDS, existem outras doenças que são bem comuns e perigosas. Porrua destaca as uretrites (clamídia e gonorreia), a sífilis, o HPV (verruga genital), a herpes e as hepatites como doenças de alto risco. “O HPV é grave, tanto no homem quanto na mulher, pois pode levar ao desenvolvimento de câncer de colo de útero. Hepatites B ou C podem ser transmitidas através do contato sexual e, em casos mais severos, produzir perda da função hepática. Já a sífilis é uma doença que pode se tornar crônica”, detalha o ginecologista.

Os médicos da Unimed Curitiba lembram que ao menor sintoma de alterações na área genital e nas funções urinárias e reprodutivas, o paciente deve procurar um especialista, pois o diagnóstico precoce e o tratamento correto podem evitar consequências maiores.

Os principais sintomas gerais das DSTs são corrimento, coceira, dor ao urinar ou no ato sexual, odor forte e ruim, vontade constante de urinar, aparecimento de bolhas e/ou feridas, íngua e dores da parte baixa do ventre. Aparecendo qualquer sinal, procure um médico especialista imediatamente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.