Ansiedade, estresse e crise econômica fazem aumentar a procura por tratamentos psiquiátricos

terapia

Terapias, tratamentos psiquiátricos e o cuidado com a saúde mental estão se tornando uma rotina cada vez mais comum entre os brasileiros. Sem os preconceitos que rondavam a área décadas atrás, as pessoas estão buscando auxílio médico especializado para resolver seus problemas com estresse e ansiedade.

Psiquiatra especializada em Neurociência, Karla Buccieri atende pacientes há 25 anos e tem reparado que os efeitos da crise econômica também estão influenciando a psique coletiva. “O medo de ser demitido, de ver o vizinho ou um colega ser mandado embora e temer pelo pior, ou mesmo de perder o padrão de vida conquistado pela família têm incomodado bastante meus pacientes. Isso acaba desencadeando quadros sérios de estresse”, afirma a médica cooperada da Unimed Curitiba.

Esses e outros aspectos a psiquiatra comenta na entrevista a seguir.

 

Como a saúde mental e os tratamentos psiquiátricos são vistos atualmente?

Muita coisa mudou, principalmente relacionado à Neurociência, que abriu os campos de estudo e a compreensão da Psiquiatria. Disso vieram as medicações modernas, que não têm mais tanto efeito colateral. Com isso, as pessoas começaram a se sentir mais a vontade para vir ao psiquiatra, sabendo que os métodos antigos – ficar dopado, amarrado ou algo do tipo – não existem mais.

Mesmo com as pessoas se sentindo mais a vontade, ainda há preconceito. Não deveria, já que psicofobia é crime, mas existe. Mas não chega a ser algo impeditivo como antes. Hoje as pessoas já sabem diferenciar um tratamento com psicólogo e com psiquiatra, além da questão dos remédios que receitamos. Sempre sugiro aos meus pacientes que façam o tratamento psiquiátrico, medicado, mas com terapia.

Muitas vezes o paciente baseia todo seu tratamento em cima de um remédio, e não é esse o objetivo: o ideal é que a pessoa consiga ficar independente e tenha muito cuidado com a medicação, já que os ansiolíticos (faixa preta) causam dependência.

 

Quais os perfis mais comuns de pacientes que buscam tratamento?

Dos meus pacientes, o perfil mais comum é a ansiedade, com um leque de fobias, pânicos, transtornos generalizados de ansiedade e assim por diante. Não podemos generalizar, lógico, mas a partir desses perfis mais comuns que começamos a investigar caso a caso para ser o mais assertivo possível.

Uma coisa curiosa do momento atual é que tem crescido a procura no meu consultório de pessoas com medo de serem demitidas, de não poder manter o padrão de vida. De tudo isso surge o stress, que é caracterizado por essa preocupação, tensão, a sensação de estar carregado, como se não houvesse um escape.

 

Como é o contato com a família do paciente?

Todo paciente com transtorno psiquiátrico deveria ter a família envolvida no tratamento, é o ideal. Muitas vezes o papel de cada membro da família é fundamental, principalmente na administração de medicamentos, se o paciente tem o perfil mais descuidado, ou mesmo corre risco de suicídio.

 

Existem diferenças no tratamento de jovens e crianças?

Atendo pacientes a partir de 16 anos, mas dá pra dizer que o tratamento psiquiátrico para crianças evoluiu bastante também. Há alguns anos, as crianças não eram diagnosticadas e sofriam sem saber. Hoje os pais estão mais atentos no comportamento da criança, se ela pode estar deprimida ou sofrendo bullying.

Os jovens na fase pré-vestibular também têm vários conflitos. Nessa fase, ainda são os pais que percebem as mudanças no comportamento e tomam a iniciativa de nos procurar. Os cuidados específicos que temos são em relação aos impulsos, às críticas, as paixões e tudo que se mistura na vida deles.

 

De que forma a Neurociência e a tecnologia contribuem nos tratamentos?

Sou especializada em Neurociência na Espanha. Acho que depois que os estudos da Psiquiatria evoluíram nessa área, tudo ficou mais fácil. Facilitou para o médico conseguir explicar melhor o diagnóstico para o paciente. Ter o desenho do cérebro em mãos concretiza melhor o que está acontecendo. Tira o estigma, a família não fica mais tão assustada com o diagnóstico.Além disso, a tecnologia tem trazido novas e boas possibilidades. O tratamento de Alzheimer, as influênciasdo ambiente em que o paciente vive, entre outras, estão sendo desenvolvidos de forma promissora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Talvez você se interesse por estes artigos

No sábado, 23 de fevereiro, das 9h às 12h, mais de vinte instituições, participam na Boca Maldita, em Curitiba, das comemorações do Dia Mundial de...
Fechar Menu