Conheça as dez doenças de pele mais comuns durante o verão

Calor e umidade. Esta combinação é responsável pelo aparecimento de muitas doenças de pele no verão, que interferem na saúde de quem quer aproveitar os dias mais quentes do ano. A dermatologista do Seconci-SP Jussara Gasparotto chama a atenção dos trabalhadores da construção civil para evitar doenças de pele, como a importância de usar protetor solar diariamente e repassá-lo a cada três horas, fazer o rodízio das botas e luvas de EPI (Equipamento de Proteção Individual) diariamente, utilizar meias de algodão com troca diária, sempre passar álcool em gel no interior do capacete ao final do expediente e trocar a toalha de banho a cada dois dias.

 

Para ajudar a evitar esses e outros problemas, a médica do Seconci-SP (Serviço Social da Construção), explica quais são as doenças mais comuns nessa estação, além de dar dicas de prevenção:

 

Acne solar: a mistura de calor, suor e protetor solar aumenta a oleosidade da pele e favorece o aparecimento de bolinhas nos ombros, peitos e costas, com ou sem a presença de pus. Esteticamente muitas pessoas se incomodam, mas não há agravamento da doença. O simples fato de lavar sempre a pele diminui a oleosidade e a acne solar tende a ir melhorando gradativamente.

 

Bicho geográfico: é uma larva que penetra na pele e causa muita coceira, vermelhidão e inchaço. A transmissão ocorre geralmente em praias, onde há fezes de cães e gatos, que contaminam um raio de dois metros de areia. As pessoas que pisam, sentam ou tem contato com qualquer parte do corpo com a areia contaminada podem contrair a doença. A larva caminha sob a pele e o desenho que se forma é semelhante a um mapa geográfico. O tratamento é feito por vermífugo via oral e a pele vai se recuperando gradativamente.

 

Câncer de pele: uma das causas é a exposição solar excessiva ao sol. Quem tem pele muito clara e sensível é mais prejudicado. A prevenção consiste em não se expor ao sol no horário das 10h às 16h, usar filtro solar diariamente, inclusive nos dias nublados e com mormaço, já que a radiação ultravioleta está presente nesses dias também. Lesões como pintas que mudaram de características, feridas que não cicatrizam, lesões endurecidas devem ser avaliadas por um dermatologista.

 

Foliculite: é uma inflamação causada por bactérias que aparece como pequenas espinhas, de ponta branca, na base do pelo, que em geral fica avermelhado. É comum o aparecimento na virilha e no glúteos, podendo coçar, e doer. Normalmente esta inflamação sara sozinha, mas em casos mais graves é importante o acompanhamento de um dermatologista. O tratamento consiste em usar roupas mais leves, evitar locais quentes e não fazer a depilação ou raspagem dos pelos.

 

Herpes labial: praia é sinônimo de muito sol, ingestão de álcool, alimentos fritos e desidratação, a combinação perfeita para a queda da imunidade e o aparecimento da herpes labial, uma infecção viral e contagiosa com a presença de pequenas bolhas doloridas. Mesmo o uso do protetor solar não inibe o avanço da doença. Os sintomas desaparecem entre uma e duas semanas. Medicamentos antivirais e pomadas podem ser prescritos por um médico para aliviar a dor e cicatrizar as lesões. O vírus pode apresentar novos episódios sempre que a imunidade baixar.

 

Impetigo: é uma infecção de pele causada por bactérias, comum nas estações mais quentes do ano. Em geral, as crianças são as principais vítimas, mas pode ocorrer em adultos também. O rosto e as extremidades do corpo são as regiões mais comuns do aparecimento da doença. Qualquer lesão de pele preexistente pode facilitar o aparecimento do impetigo, como sarna, dermatite, catapora e picada de inseto. A bactéria causa uma inflamação avermelhada, que evolui para uma bolha e, ao romper causa uma ferida com uma crosta cor de mel. O impetigo pode ser uma doença localizada ou disseminada. O tratamento pode ser tópico com cremes e pomadas ou medicação via oral.

 

Micose entre dos dedos do pés e virilha: conhecida também como pé-de-atleta ou frieira quando acomete os pés, são fungos que proliferam na pele e causam irritação e coceira. Dependendo da ferida, pode provocar uma infecção. A transmissão nunca ocorre em praias, mas sim em piscinas, já que o fungo se desenvolve em lugares quentes e úmidos, conjunto ideal para o desenvolvimento do fungo. A principal dica é secar bem o corpo após o banho, principalmente a virilha e os pés, além de usar talco. O tratamento é feito com medicamentos via oral e pomada. Deixar as regiões sempre arejadas também contribui para a melhora do quadro.

 

Miliária/ Brotoeja: mais comum em crianças são pequenas bolas e bolhas que surgem em cima da pele avermelhada, porque as glândulas que produzem suor aumentam sua produção e o suor penetra na pele comum na região do pescoço e tronco. Medicamentos podem ser utilizados para aliviar a coceira e evitar que as crianças machuquem a pele e favoreça o aparecimento de outras doenças. O tratamento consiste em usar roupas de tecidos leves e largas e ficar em ambientes frescos, evitando suar muito.

 

Pano branco: é uma micose comum na pele causada por um fungo, que só é notada quando a pessoa se expõe ao sol. Os sintomas são manchas brancas na pele, mas em alguns casos elas podem ser castanhas ou avermelhadas. O tratamento pode ser feito com xampu, pomada e até comprimido e, em geral, desaparece em até 60 dias após o início da medicação.

 

Queimadura na pele por limão, abacaxi e perfume: fazer caipirinha com estas frutas ou passar perfume antes de se expor ao sol é um grande risco para o surgimento de manchas escuras na pele, conhecidas por fitofotomelanose e fotomelanose. Nos casos mais graves, bolhas podem aparecer, acompanhadas de coceira e sensação de ardência. Para evitar é importante lavar bastante a pele com sabão e usar protetor solar. O desaparecimento das manchas ocorre de forma espontânea com o passar do tempo. Cremes despigmentantes podem ser utilizados para acelerar o processo. <treicy.keller@cdn.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.