Dia Internacional da Mulher: Baixa e excesso de hormônios

Myrna Campagnoli, endocrinologista do Laboratório Frischmann Aisengart, é quem dá as explicações

O que provoca a diminuição hormonal e como ela pode ser resolvida? E o excesso de hormônio também pode ser um problema? Estas e outras questões são explicadas neste oito de março, Dia Internacional da Mulher, por Myrna Campagnoli, endocrinologista do Laboratório Frischmann Aisengart.

De acordo com a médica, as insuficiências hormonais podem acontecer por uma série de motivos. Existem as causas fisiológicas, ou seja, aquelas programadas pelo organismo como, por exemplo, na menopausa e na andropausa, em que a baixa de hormônios é esperada e normal. Dentre as causas patológicas, em que há doença, a alteração pode encontra-se na glândula, no seu eixo de controle, nos órgãos-alvo ou podem ser causadas por medicamentos e outras causas externas.

A Dra. Myrna explica que todas as glândulas do organismo podem perder ou reduzir a sua capacidade produtiva em função de um tumor, falta de irrigação sanguínea (isquemia), trauma (acidente), cirurgia com retirada de parte ou de toda a glândula ou por medicamentos que interfiram diretamente na produção hormonal. Doenças sistêmicas, como as doenças autoimunes, podem também acometer as glândulas e diminuir a produção hormonal. Além desses fatores, a falta de alguns nutrientes na alimentação pode interferir na produção de vários hormônios.

Segundo a especialista, a suspeita diagnóstica é feita durante a consulta médica, pela história da paciente, seus sinais e sintomas e confirmada através das dosagens hormonais nos exames laboratoriais. Por vezes os exames de imagem (ecografia, tomografia, ressonância) também são necessários para o esclarecimento do diagnóstico e de suas possíveis causas.

O tratamento varia de acordo com a causa e o tipo de alteração hormonal. Geralmente, consiste na resolução da causa primária, quando for possível, seguido da reposição do hormônio que está sendo produzido de forma inadequada. Atualmente a maioria dos hormônios pode ser reposta de forma artificial, por meio de medicamentos. “Para os casos em que isso não é possível, existem outras opções que atuam diretamente no sítio de ação deste hormônio, tratando os sinais e sintomas”, afirma.

No outro extremo, observamos os excessos hormonais. A elevação dos níveis séricos de qualquer hormônio representa um risco para o organismo, de acordo com a Dra. Myrna. O excesso hormonal pode ocorrer em virtude de causas endógenas, distúrbios de produção glandular em que os hormônios são produzidos em excesso pelo organismo, ou por causas exógenas, relacionadas ao uso indevido de medicamentos ou reposições hormonais em doses inadequadas. “Estas causas, chamadas exógenas, têm se tornado cada vez mais frequentes em virtude dos abusos realizados em nome da estética (academia e antiaging)”, revela a médica.

Dentre das causas endógenas, o excesso hormonal pode estar relacionado a tumores produtores de qualquer hormônio, a doenças sistêmicas como as doenças autoimunes, alterações, dentre outras.

Existem ainda situações em que a elevação hormonal é fisiológica. Durante a gestação, após a prática de exercícios físicos, no curso de infecções ou doenças sistêmicas graves, dentre outros fatores. “Nestes casos, a elevação dos níveis hormonais é normal e importante e não trazem prejuízo para o organismo, muito pelo contrário.”, diz.

A Dra. Myrna explica que, na presença de níveis elevados de qualquer hormônio, independentemente da origem, há uma amplificação de todas as funções do hormônio em questão, gerando uma série de sinais e de sintomas que podem ocasionar graves prejuízos à saúde.

Dentre as doenças causadas pelo excesso hormonal, as mais conhecidas são o hipertireoidismo (excesso de hormônios da tireoide), o hiperinsulinismo (excesso de insulina) e o hipercortisolismo (excesso de cortisol). “Entretanto, não existe nenhum hormônio que não possa apresentar esta situação”, pondera.

A médica reforça que toda e qualquer reposição hormonal deve ser sempre criteriosa e prescrita por um médico especialista e deve ser precedida de um diagnóstico confirmado e de seguimento médico regular para controle dos níveis hormonais.

De acordo com a endocrinologista, o diagnóstico também deve ser feito pela avaliação médica criteriosa e confirmado através da realização de exames complementares. O tratamento depende da origem do excesso e vai desde a suspensão da medicação em uso, se a causa for exógena, até a retirada da glândula em virtude de causas endógenas. É imprescindível o tratamento da causa primária e, em grande parte dos casos, o uso de medicamentos que inibem a produção glandular consegue controlar os sinais e sintomas.

Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart

O Laboratório Frischmann Aisengart tem mais 70 anos e é considerado uma referência para o segmento de medicina diagnóstica. Possui mais de 600 colaboradores e mais de 30 unidades no Paraná. São mais de três mil tipos de exames de análises clínicas, soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, além do serviço de vacinas. Para mais informações: www.labfa.com.br ou (41) 4004-0103.  Siga o Laboratório Frischmann Aisengart nas redes sociais: Blog – blog.labfa.com.br; Facebook – facebook.com/laboratorio.fa.

Laboratório Frischmann Aisengart

Assessoria de Imprensa – Curitiba

Talk Assessoria de Comunicação

Karin Villatore

Mtb 2815

(41) 3018-5828 / 9963-4250/ 9681-7075

karin@talkcomunicacao.com.br

www.talkcomunicacao.com.br

www.twitter.com/talkcomunicacao

talkcomunicacao.wordpress.com

http://www.facebook.com/TalkAssessoriaDeComunicacao

 

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.