Maior feira mundial de intercâmbio chega em Curitiba

A EDUEXPO, criada pelos irmãos paulistas, Júlio e Daniela Ronchetti, chega a 15 países e se alastra por cidades como Dubai, Bangkok, Londres, Dublin, Barcelona, Madrid, Roma, Cidade do México, Bogotá, Lima e Nova Deli. O modelo made in Brazil criou a rede social EDUFINDME.com e aplicativos para Android e iPhone, que possibilitam a conexão com as melhores instituições de ensino do Planeta. Em Curitiba, penúltima parada nacional, a feira desembarca no dia 10 de Março, no Hotel Four Points by Sheraton, das 16h às 21h, seguindo depois para Porto Alegre. Visitantes terão possibilidades de negociar diretamente com diretores de instituições e agências e buscar informações mais específicas sobre áreas de seu interesse nos seminários que acontecem durante todo o período do evento. Inscrições gratuitas pelo  www.eduexpos.com/brasil.

 

Mesmo com a alta histórica do dólar e a crise econômica brasileira, os brasileiros não estão deixando de aperfeiçoar conhecimento no exterior.  Estão sim mais cautelosos no planejamento da viagem e na escolha das instituições de ensino e países que ofereçam oportunidades mais acessíveis. Para apontar alternativas e soluções, a maior feira de intercâmbio do mundo, a EDUEXPO 2016, chega a sua 30ª edição, sempre com entrada GRATUITA.

Criada em São Paulo pelos irmãos Daniela e Júlio Ronchetti, a Feira já se expandiu para a Europa (Madrid, Roma, Milão, Barcelona, Londres e Dublin), Oriente Médio (Dubai, Abu Dhabi, Bahrain), India (Nova Delhi, Bandalore, Chennai, Mumbai), Ásia (Bangkok, Jakarta, Denpasar,  Ho Chi Minh Sity, Hanoi). Na América Latina, a EDUEXPO levou a sua experiência em intercâmbio para o México (Guadalajara, Puebla, Cidade do México, Monterrey), Cidade do Pananá, Cali, Bogotá, Bucaramanga, Medellín, Quito, Lima e Santiago. Ao todo, o evento leva a marca brasileira em intercâmbio para 15 países.

Diretores e representantes de algumas das mais importantes  instituições de ensino dos cinco continentes estarão apresentando e negociando diretamente com os estudantes e profissionais programas de estudos em diferentes áreas de estudos – idioma, graduação, pós-graduação, mestrado, doutorado, high school, cursos de curta duração e também estágios e trabalho remunerado.

No Brasil, a feira itinerante irá visitar sete cidades:  São Paulo (27 e 28/02), Campinas (01/03), Rio de Janeiro (03/03), Recife (06/03), Brasília (08/03), Curitiba (10/03) e Porto Alegre (11/03). O tradicional evento é gratuito e as inscrições podem ser feitas pelo sitewww.eduexpos.com/brasil ou no local.

Paralelo ao contato com os expositores, o público poderá buscar informações mais específicas sobre cursos e bolsas de estudos nos seminários que acontecem durante todo o período da Feira, também com entrada franca. “A dica é pesquisar, existem muitas opções de todos os preços e nada melhor do que a feira para conversar com os diretores das escolas olho no olho e obter informações sobre tudo o que envolve estudar fora”,  diz Julio Ronchetti, presidente da e fundador da feira.

 

Instituições de ensino oferecem alternativas mais acessíveis

Com a desvalorização do real todos os serviços que dependem de moedas estrangeiras – como o dólar e o euro – sofreram com o aumento de custos. Mas quem sonha com o intercâmbio não precisa desistir por conta disto. Muitas escolas que estarão presentes na EDUEXPO estão se adaptando à realidade brasileira. “As instituições estão conscientes das dificuldades e estarão tentando oferecer saídas para que estudantes não desistam dos seus planos” afirma Ronchetti.

Uma alternativa é procurar países com a moeda mais próxima do real. É o caso do Canadá, um dos destinos preferidos dos brasileiros e com oferta de uma grande diversidade de cursos e instituições. Outra opção que Ronchetti cita é a redução do tamanho do curso. “Estudantes que planejavam viajar por seis meses mudaram seus planos para quatro meses, compensando o aumento do dólar”, explica. Segundo o fundador da EDUEXPO, houve aumento na procura de programas de pós-graduação, por serem mais curtos e redução na busca pelas graduações, que são mais longos.

Aplicativo aproxima público e representantes das escolas

Para o público que quer se informar sobre o evento mesmo antes mesmo de ele acontecer, a Feira desenvolveu o aplicativo EDUEXPO para iPhone e celulares Android. Nele, o visitante pode consultar o perfil das escolas e tudo o que elas oferecem. Quando o evento encerra, as possibilidades não se esgotam. Também é possível adicionar os expositores preferidos em uma rede própria do aplicativo para receber mais informações após o final da feira. Esta mesma rede – EDUFINDME.com – proporciona a interação com pessoas, universidades e instituições de ensino de todo o mundo. “É uma feira que usa tecnologia inteligente para ajudar estudantes e expositores antes, durante e após os eventos” afirma Ronchetti. O aplicativo está disponível gratuitamente na App Store e na Google Play Store.

Algumas das universidades confirmadas

University of Johannesburg – Fundada em 1° de janeiro de 2005, surgiu da junção de quatro extintas universidades e já é uma das maiores universidades da África do Sul, com mais de 48 mil alunos. Com mais de 90 departamentos e 48 mil alunos, é uma das maiores instituições de ensino do país.

ELISAVA Barcelona School of Design and Engineering – Fundada em 1961, é a primeira escola de design da Espanha, e oferece aos intercambistas cursos de graduação, pós graduação, profissionalizantes e de curta duração. Possui mais de 2 mil estudantes, e está entre as melhores escolas de design e arquitetura do mundo.

Centennial College – Localizado em Ontario, a instituição é a faculdade pública mais antiga do Canadá. Ela oferece aos seus estudantes mais de 150 cursos diferentes. Também é reconhecida pela sua diversidade cultural, com mais de 80 línguas diferentes sendo faladas dentro da instituição.

Le Cordon Bleu International – Uma das redes de escolas de culinária e hospitalidade mais reconhecida no mundo, possui mais de 50 campus espalhados por vários países. Contando com mais de 120 anos de idade, atende cerca de 20 mil alunos por ano.

Newcastle College – Localizado no norte da Inglaterra, é uma das maiores e mais bem sucedidas faculdades do país, com mais de 30 mil estudantes. Além de cursos de inglês, a instituição oferece cursos de graduação, pós e MBA.

AGENDA NO BRASIL     * Mais informações no http://eduexpos.edufindme.com/brazil

Ø  São Paulo  – 27 e 28 de fevereiro,  14h às 19h (Centro de Convenções Frei Caneca)

Ø  Campinas – 1º de março, 16h às 21h (Hotel Vitoria Concept)

Ø  Rio de Janeiro – 3 de março, 16h às 21h (Hotel Royal Tulip)

Ø  Recife  – 6 de março, 14h às 19h (Hotel Transamérica Prestige)

Ø  Brasília – 8 de março, 16h às 21h (Centro de Eventos e Convenções Brasil 21)

Ø  Curitiba – 10 de março, 16h às 21h (Hotel Four Points by Sheraton Curitiba)

Ø  Porto Alegre – 11 de março, 16h às 21h (Barra Shopping Sul)

 Perguntas frequentes sobre a EDUEXPO

O evento é gratuito?

Sim, basta se cadastrar no site e imprimir a credencial para apresentar na recepção.

Preciso imprimir o convite ou posso levar salvo no meu celular / tablet o código?

Sim, pode levar salvo e apresentar na hora, não há necessidade da impressão.

Posso levar acompanhantes?

Sim. Para agilizar a entrada, o ideal é que todos façam o cadastro prévio individual online. Caso contrário, terão de fazer um registro rápido na recepção mediante apresentação de um documento de identidade. Pai/mãe acompanhando seus filhos e menores de idade acompanhados de responsáveis com inscrição também não precisam se cadastrar no site.

As palestras são em português?

Algumas são ministradas em português e algumas em inglês. A maioria dos expositores domina o português ou conta com intérpretes para auxiliar na comunicação com os brasileiros.

Após o evento é disponibilizado certificado de participação?

Sim, basta encaminhar e-mail com nome completo, dia e local em que participou do evento.

Dicas para aproveitar o Intercâmbio

* O professor Drix Silva é linguista cognitivo formado pelas universidades de York a Cambridge, na Inglaterra. Aqui no Brasil, através, da HarmonyCo, Drix trabalha com English Therapy, um conceito de aulas particulares de inglês voltadas para a expansão de consciência e identidade bilíngue. Drix é um dos 6 brasileiros, em 16 anos a tornar-se Gates Cambridge Alumnus, titulo recebido por excelência acadêmica na universidade de Cambridge.

 

  1. Conecte-se

Pesquise sobre as ‘student societies’, mesmo que você não seja um estudante como tal. Participe de quaisquer grupos que lhe reflitam interesse. Ficar sozinho, ou restrito a um time de brasileiros, é receita infalível para uma experiência rasa que pouco difere de uma viagem turística qualquer. Faça uma lista de todos os círculos e ONGS às quais você pode associar-se. Preencha cada hora livre da sua agenda encontrando novas pessoas. Logo, você forma uma teia de apoio e oportunidades que lhe garante extrair o máximo do seu intercâmbio.

  1. Tenha ‘boa’ memória

Quando conversar com alguém, resgate principalmente as coisas boas de onde você veio e, com certeza, você vai multiplicar amigos. Perspectivas animadas sustentam conversas mais longas e oportunizam uma maior conexão com os outros. Deixe as memórias mais ‘tensas’ para discutir com aqueles que ja se tornaram íntimos.

  1. Use o idioma local como um espelho

O que a linguagem reflete sobre nossa capacidade de comunicação? Uma expressão como ‘cinema is not really my cup of tea’ (cinema não é muito a minha xícara de chá) revela tanto um dissabor pessoal por longa metragens quanto uma apreciação cultural por chá – pelo menos para um inglês –. Observar como você se expressa em diferentes línguas expande o seu auto-conhecimento e aprofunda a sua ligação com a cultura local.

  1. Deixe o ‘sotaque emocional ’ em casa

Para fazer história e amigos em terras estrangeiras não basta sintonizar-se apenas aos sons do idioma; conecte-se também as pessoas com as quais voce interage. Converse sem aquele medo de errar ou aquela tensão que veio acumulando ao longo dos anos – This is real life! –. Nossas emoções falam mais alto do que as palavras que articulamos e são a base de verdadeiras conexões. A cultura e a língua podem parecer ser totalmente diferentes mas, no fundo, o que você tem à sua frente é outro ser humano: ofereça-lhe o sotaque mais positivo de si.

  1. Reinvente-se

Permita-se um apelido, crie um personagem e atue. Ao aprendermos um idioma estrangeiro nos envolvemos naturalmente em um processo de descoberta de personalidade. Quem sou eu nessa língua, nesse grupo, nessa cultura? Palavras – e estruturas linguísticas num geral – são memórias e com elas internalizamos a nossa própria existência. Com cada palavra você tem a oportunidade de construir ‘a new self’, um novo ‘eu’. O objetivo de um intercâmbio é em si uma troca, portanto troque tudo aquilo que já não lhe cabe mais. Start anew! <elisa@neivamello.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.