Água sanitária mata a larva da dengue, chinkungunya e zika vírus

Você sabia que a água sanitária (hipoclorito de sódio com concentração de cloro ativo entre 2,0% e 2,5%) mata as larvas do mosquito transmissor da dengue, chinkungunya e zika vírus?  O poder do cloro no combate de possíveis criadouros do Aedes aegypti foi comprovado cientificamente.

Estudo realizado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP) a pedido da Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados (Abiclor), em 2008, mostrou que o hipoclorito de sódio é 100% eficaz na eliminação de larvas do mosquito Aedes aegypti. O produto impede o desenvolvimento das larvas, que acabam morrendo, e tem atuação semelhante ao grupo dos inseticidas modernos denominados IGRs (inibidores do crescimento de insetos), quase inócuos aos mamíferos, mas muito eficazes em alguns tipos de insetos.

O hipoclorito de sódio, ou água sanitária, deve ser utilizado na higienização das casas para eliminar as larvas combatendo a proliferação do Aedes. Esse é um hábito a ser incorporado na rotina das famílias.

Como não existe por ora vacina ou tratamento específico contra o vírus da Zika, a  prevenção é a melhor maneira de combater o mosquito e evitar epidemias e outras doenças, como as causadas pela água contaminada das enchentes, como hepatites do tipo A e E, gastroenterites e leptospirose. Basta adicionar uma colher de sopa de água sanitária para cada litro de água e usar esta solução para lavar as áreas e objetos afetados pela inundação.

Dicas práticas:

Ralos. Despeje solução de água sanitária na proporção de uma colher de sopa por litro de água em ralos de pias, banheiros e cozinha. Atenção: Faça a limpeza das pias e dos ralos à noite, antes de dormir, para que a água sanitária possa agir por mais tempo.

Plantas. Essa mesma solução (água sanitária na proporção de uma colher de sopa por litro de água) também pode ser usada para a rega de plantas, particularmente  que acumulam água entre as folhas, como as bromélias. Esta solução não faz mal às plantas e evitará o desenvolvimento da larva do mosquito.

Vaso sanitário. Coloque o equivalente a duas colheres de hipoclorito de sódio por litro de água no vaso sanitário, nos ralos do banheiro, cozinha e a área de serviço. Esse é um cuidado que se deve ter antes de viajar, quando a casa fica fechada por algum tempo.

Piscina. É importante manter a piscina tratada, mesmo que não esteja sendo usada. Com o tempo, o cloro pode evaporar, e a piscina se tornar um foco da larva do mosquito. Durante o inverno, por exemplo, é comum deixar a piscina coberta. Nesse caso, não deixe acumular água de chuva na lona de cobertura, pois pode ser um foco do mosquito.

Caixas d’água.  A limpeza deve ser feita a cada seis meses. Feche a entrada de água e esvazie a caixa quase toda. Deixe sobrar água suficiente para lavar, com uma escova, as paredes e o fundo da caixa. Não use produtos de limpeza nessa etapa. Enxágue bem e esvazie toda a água suja, dando repetidas descargas no vaso sanitário. Depois de limpa, encha a caixa novamente e adicione um litro de água sanitária para cada 1.000 litros de água. Espere duas horas e esvazie novamente a caixa, abrindo todas as torneiras, para limpar os canos da casa, até sair água limpa. Depois, encha com água potável e tampe.  (agatha.santos@lw2.cmamail.com.br)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.