Conheça a campanha nas redes sociais que chama atenção para doença pulmonar rara

A campanha #metiraofolego, promovida pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), movimentou as redes sociais nas últimas semanas para conscientizar a população sobre uma doença rara: aFibrose Pulmonar Idiopática (FPI). Vídeos e fotos foram postados por celebridades como Chris Flores, Bianca Rinaldi,Louro José, Carla Diaz e Sophia Valverde que contaram o que lhes “tira o fôlego” e, em seguida, sopraram um balão de ar até estourar e desafiaram seus amigos a participar da ação.

Além da repercussão dos vídeos, foi lançado o site www.metiraofolego.com.br e a fanpage no Facebook em que estão disponíveis mais informações sobre a FPI – quais os sintomas mais frequentes, formas de diagnóstico e qual o perfil de pessoas mais propensas a desenvolver a doença.  A campanha  é promovida pela SBPT e têm o apoio da farmacêutica alemã Boehringer Ingelheim do Brasil.

A FPI é uma doença de causa desconhecida, progressiva, crônica e rara que afeta os pulmões, ocasionando cicatrizes (fibrose) e a sobrevida média após o diagnóstico é de 2 a 3 anos. Os sintomas típicos da doença como falta de ar e tosse crônica seca podem não ser valorizados corretamente e o paciente demora a ser diagnosticado, por isso a importância da conscientização sobre esta doença. As publicações com a hashtag (#metiraofolego) chamaram a atenção do público por conta do apelo emocional e engajador.

Segundo Dr. José Baddini Martinez, coordenador da comissão cientifica da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a campanha expõe um dos sintomas dessa grave doença, a falta de ar: “A ideia é fazer com que a população passe a conhecer a doença a partir da reflexão sobre os momentos bons que a enfermidade acaba privando seus pacientes – estar com a pessoa amada, conhecer um lugar novo, brincar com os netos, etc. Por ser pouco conhecida, o diagnóstico da FPI é um grande desafio, pois as pessoas se consultam com 2 a 3 especialistas antes de serem diagnosticadas. Por isso, é fundamental engajar a população sobre o assunto e alertar que sintomas simples como falta de ar e tosse seca em pessoas entre 50 e 70 anos podem ser indícios de FPI. Por fim, nosso objetivo é que, conforme a doença torne-se mais  conhecida, as pessoas busquem por especialistas, sejam diagnosticadas mais cedo e tenham a oportunidade de ter uma melhor qualidade de vida”, explica.

Chris Flores

 image005 

 

Bianca Rinaldi

 image006 

 

Louro José

image007

 

Carla Diaz

image008

 

Sophia Valverde

image009

Confira abaixo algumas postagens da campanha até o momento:

 

Conheça um pouco mais sobre Fibrose Pulmonar Idiopática

Causasi: A origem da FPI é ainda desconhecida. Dentre os fatores associados ao desenvolvimento da doença esta o tabagismo. A predisposição genética pode ter influência, e até 20% dos casos de fibrose pulmonar são hereditárias.

 

Sintomas[i]: Além dos sintomas principais (falta de ar e a tosse seca e crônica), os pacientes com FPI também podem apresentar exacerbações (crises agudas de falta de ar), hipocratismo digital (alargamento e arredondamento das pontas dos dedos) em estágios mais avançados da doença e ainda fadiga, fraqueza e perda de peso sem causa aparente.

 

Diagnósticoi: Diagnosticar FPI pode ser um desafio, uma vez que requer a imagem dos pulmões a partir da Tomografia Computadorizada de Alta Resolução (TCAR) para se obter maior detalhamento e identificar as lesões causadas pelas cicatrizações (lesões fibrosantes). Por esse exame, cerca de 95% dos casos são diagnosticados. Outra análise diferencial realizada para identificar a doença são os “Estertores tipo velcro”. Mais de 80% dos pacientes com FPI apresentam um tipo específico de ruído pulmonar que pode ser detectado por meio do estetoscópio. Erros de diagnóstico inicial são frequentes e ocorrem em cerca de metade dos pacientes: os sintomas são semelhantes aos de envelhecimento, doenças cardíacas, enfisema pulmonar. Por conta disto, o paciente leva, em média, dois anos para ter a doença identificada e, nessa altura, seus pulmões já estão comprometidos e sua expectativa de vida, reduzida.

 

Sobre Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia

A SBPT, filiada à Associação Médica Brasileira, é uma Associação sem fins lucrativos, de caráter científico, cultural e representativo, com número ilimitado de associados, com prazo indeterminado de duração e que se rege por Estatuto e pela legislação em vigor. A SBPT tem por missão: congregar os pneumologistas brasileiros através da defesa de seus interesses de classe e da difusão dos conhecimentos científicos com ética e visão humanística, para promover o engrandecimento da pneumologia brasileira, desenvolvendo a área da pneumologia no país, melhorando a assistência médica no setor das doenças respiratórias, fortificando e preservando a pneumologia brasileira, promovendo e participando de ações preventivas junto à população. <Beatriz.Calache@edelmansignifica.com>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.