Dengue, chikungunya e zika vírus podem desencadear doença que atinge o coração

Miocardite pode até causar morte súbita

A dengue, a chikungunya e o zika vírus se transformaram em uma das maiores preocupações mundiais nos últimos meses. Entre as complicações dessas doenças, está a miocardite – doença inflamatória que afeta as células do músculo cardíaco. “Já foram diagnosticados vários casos de miocardite durante a infecção pelo vírus da dengue e chikungunya, mas, até o momento, nenhum caso relatado com relação ao zika vírus. Isso não significa que não possa ocorrer. Precisamos aprender mais sobre o comportamento desse vírus”, afirma médico da Sociedade Paranaense de Cardiologia e diretor do Funcor/PR, Dr. Miguel Ibrain Abboud Hanna Sobrinho.

A miocardite pode ser dividida em causas infecciosas e não infecciosas. “A miocardite não infecciosa pode se desenvolver, por exemplo, devido a um efeito colateral de medicamento, álcool em excesso, radiação ou substâncias químicas. Já a miocardite viral, uma das que mais ocorrem, tem seu pico de agressão do vírus ao músculo do coração entre o sétimo e o décimo quarto dia que o vírus está instalado no corpo.” A suspeita clínica é baseada nos sintomas, que podem ser variados, entre eles se destacam dores no peito, palpitações, cansaço e até desmaios. “Havendo a suspeita clínica, a confirmação diagnóstica é baseada em exames de laboratório, que mostrarão a presença de inflamação e por exames gráficos e de imagem, como o eletrocardiograma e o ecocardiograma, que revelarão o dano miocárdico”, salienta.

A identificação precoce da doença é fundamental. “A principal sequela da miocardite é a insuficiência cardíaca, mas outras complicações podem ocorrer, como a miocardite fulminante – processo inflamatório que envolve globalmente o coração, levando à falência do órgão e até a morte”, revela. O paciente deve ser hospitalizado para que seja feita a identificação de quais partes do coração foram danificadas. “O tratamento é direcionado para o controle dos sintomas e quando for possível para minimizar o processo inflamatório e o dano do miocárdio”, observa Dr. Miguel Ibrain Abboud Hanna Sobrinho.

O orientação da Sociedade Paranaense de Cardiologia (SPC) é que ao menor sintomas, um médico deve ser procurado.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.