Artigo / Fosfoetanolamina: a perversão do sistema / *Evanius Wiermann

A Fosfoetanolamina sintética, assim como várias outras substâncias ao longo das últimas décadas, veio com uma promessa de cura para pacientes com câncer. Porém, uma nova “molécula promissora” aparece todo dia no mercado e, de cada mil dessas, apenas uma chega a se tornar um medicamento registrado. As demais são rejeitadas não só por serem ineficazes, mas também por serem tóxicas. Todo esse ritual de avaliação se estende desde fases pré-clínicas – em que se estudam as drogas em placas de células ou animais em laboratórios –, seguindo até as fases clínicas mais avançadas – testes em humanos – em que se estabelecem os parâmetros para a comercialização da droga. Esses testes são baseados em estudos científicos com esquemas rigorosos para assegurar que o processo tenha mínimas falhas, garantindo uma segurança satisfatória àquele que usa a medicação.

O que está acontecendo é uma perversão de todo este sistema. Políticos, por meio de um Projeto de Lei (PL), autorizaram que uma substância que não passou por todo este processo possa ser administrada, desde que receitada por um médico e que o paciente assine um termo de consentimento, assumindo o risco desta experimentação. A temeridade disto gera uma série de vieses, a começar pelo próprio Conselho Federal de Medicina e incluindo várias entidades médicas que já se postaram contra a prescrição desta droga, o que gera divergências e coloca a relação médico-paciente em risco.

Não nos esqueçamos que drogas como a Talidomida, um medicamento para alívio de náuseas na gestação, foi responsável por uma geração de fetos que nasceram com deformidades devido ao pouco estudo do uso nessa população especial. Para piorar a situação, estudos preliminares conduzidos pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação demonstraram baixíssima atividade antitumoral da Fosfoetanolamina, fazendo com que a ANVISA solicite veto desta PL pelo Executivo.

A prática de experimentação de drogas ainda não aprovadas já acontece em outros lugares, como o “Right-to-try”, em alguns distritos nos Estados Unidos, que desde 2014 permite que pacientes em fases terminais possam ter acesso a drogas que passaram por estudos clínicos de fase I, ou seja, a avaliação em humanos que definem a dose de segurança e eficácia do remédio. Isso não aconteceu ainda com a Fosfoetanolamina, ou seja, não se tem a menor ideia se a dose que as pessoas estão recebendo hoje é a adequada, se poderia ser melhor ou se podem haver interações com outras terapias concomitantemente administradas.

Estudos clínicos, com orçamentos vultuosos para os padrões brasileiros, já foram iniciados – e devemos claramente aguardá-los para que isto traga uma luz sobre esta questão. Inovações consistentes estão acontecendo numa velocidade incrível na Oncologia, como a imunoterapia. Uma forma de permitir que a população possa ter um acesso mais precoce a elas seria encarar a Pesquisa Clínica no país como um investimento, com redução do prazo regulatório de aprovação dos estudos e aumento do fomento financeiro público e privado a esta atividade, que certamente permitirá que incluamos mais pacientes, além de satisfazer o afã daqueles que anseiam por opções avançadas, sublimando a necessidade que eventuais “curas miraculosas” continuem a trazer falsas esperanças àqueles que já padecem de tal morbidade.

imagem_release_633701

*Dr. Evanius Wiermann é médico oncologista e chefe do serviço de oncologia do Hospital VITA, em Curitiba.

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.