Dia nacional do livro infantil: momento de estimular a leitura

marista livro infantil

No dia 18 de abril comemoramos o Dia Nacional do Livro Infantil. Nessa data homenageamos o mais ilustre dos nossos escritores de livros infantis: Monteiro Lobato.  Ele escreveu muitas obras para adultos, mas quando se permitiu escrever para crianças, deslumbrou-se com um universo encantado e até disse: “A mim me salvaram as crianças. De tanto escrever para elas, simplifiquei-me”.

Outro autor muito querido pelas crianças, Ziraldo, afirmou “Ler é mais importante que estudar. Só quem lê pode discernir, escolher”. Ninguém nasce sabendo ler, mas à medida que vamos percebendo o mundo, vamos aprendendo e fazemos isso de diversas maneiras: o bebê sente o cheiro e o calor da mãe e já abre a boquinha procurando leite. Vamos crescendo e percebendo sons, cheiros, símbolos e letras.

Estimular os sentidos é a melhor estratégia de preparação para a leitura e hoje contamos com muitos livros especialmente direcionados para isso. O formato do livro infantil é muito atraente e encanta tanto os pequenos quantos os pais, avós, professores e profissionais de biblioteca. Devemos apresentar às crianças a maior variedade possível de livros em relação a formatos e conteúdos.

Entre os 3 e 6 anos, prevalecem as histórias relacionadas aos animais, à natureza, contos de fadas, narrativas repetitivas e acumulativas (D. Baratinha, Os três porquinhos, etc.) e livros sensoriais. A partir dos 7 anos, se manifesta o interesse por aventuras no ambiente próximo - família, comunidade - vinculadas à realidade. Entre 9 e 10 anos, a criança se aproxima de enredos mais elaborados, histórias humorísticas, narrativas de viagens, explorações, invenções, mitos e lendas.

A história contada ou lida deve ter o objetivo de agradar e não de cobrança e imposição de hábito. E, tanto em casa quanto na escola, não se devemos ficar “remoendo” a mensagem do livro, pois cada um sente e absorve o texto conforme suas vivências e necessidades.

Não é só a criança que é dona do “mundo da imaginação”. O adulto também circula nesse mundo com muito mais facilidade, principalmente se, quando criança, “viveu” em castelos, cavernas, florestas encantadas, outros planetas. Será que pais sonhadores, criativos e bem humorados são frutos das histórias encantadas? É um círculo vicioso que não se deve quebrar.

Vivemos hoje em uma era de tecnologia e necessidade de comprovação científica para tudo. Os livros e jogos infantis também estão em meios multimídia. Constantemente vemos crianças manuseando, e muito bem, celulares, tablets e computadores.

Há lugar para a tecnologia e para o livro. Os adultos e também a escola são responsáveis de dosar e estimular o uso. Pense em um alimento que você gosta muito. Você viveria saudável só comendo um determinado alimento porque é o que gosta? Tudo é equilíbrio. A novidade sempre desperta atenção, mas o prazeroso é repetido. O livro – sobretudo o infantil – não se transferirá totalmente para o suporte eletrônico nem tampouco vai acabar.

Helena Moreno Zorman, é bibliotecária do Colégio Marista Maringá, do Grupo Marista.

 

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Talvez você se interesse por estes artigos

Fechar Menu