Em busca de competitividade, pizzarias curitibanas trocam a lenha pelo gás natural

compagas

Sem alterar o sabor, fornos a gás natural apresentam maior eficiência térmica e geram economia aos estabelecimentos

Democrática, no restaurante ou no delivery, a pizza é sinônimo de confraternização. Um dos pratos mais vendidos no mundo ocidental dá origem também a um dos mercados mais competitivos. E esse mercado cresce na mesma medida em que aumenta a concorrência, assim, o empresário do setor precisa ficar atento às demandas do segmento. Trocar o tradicional forno a lenha pelo gás natural tem sido a opção de empresários curitibanos para ganhar competitividade.
Emerson Casseb, proprietário da Pizzaria Goffredo, em Curitiba, utiliza o forno a gás natural em seu estabelecimento e enumera as vantagens obtidas em relação ao forno a lenha. “O meu equipamento fica limpo, não há liberação de fuligem no ar e a eficiência e o controle térmico do forno são incomparáveis”. Casseb cita, ainda, o preço elevado da lenha e a necessidade de destinar um local para armazená-la, o que, inevitavelmente, atrai muitos insetos. Quanto ao sabor do alimento, segundo ele, não há diferença alguma. “O mito de que a pizza feita no forno a lenha é mais saborosa existe porque a lenha defuma o alimento, o que nós fazemos é queimar no forno um pequeno pedaço de lenha, assim o sabor é idêntico”, afirma o empresário.
O engenheiro da Companhia Paranaense de Gás (Compagas) Alexandre Gonçalves, que acompanhou a instalação do forno a gás natural na Pizzaria Goffredo, explica que é a cerâmica refratária do equipamento que faz com que a pizza asse e não o calor que vem da chama direta, seja o forno a gás ou lenha, por isso não há diferenças expressivas no processo de cocção. Gonçalves também conta por que o forno a gás natural gera economia para os estabelecimentos. “Para que o forno a lenha aqueça, é preciso que ela queime antes do início da produção e isso leva algum tempo para aquecer porque a velocidade é dependente da condição de umidade da lenha. Já no forno a gás natural, é possível ajustar a potência do queimador por meio de um controlador de temperatura, que liga e desliga automaticamente o queimador quando necessário, gastando menos combustível. Outra característica da lenha é que ela ocupa muito espaço dentro do forno, enquanto o queimador a gás é pequeno, não fica na área de cocção e isso possibilita a sobra de mais espaço para que sejam assadas mais pizzas ao mesmo tempo”.
O engenheiro da Compagas descreve outras vantagens apresentadas pelo gás natural para o consumidor comercial em relação à lenha e ao gás de botijão. Uma delas é o fornecimento contínuo, que elimina a preocupação do consumidor com estoque, e outra é o abastecimento canalizado, que descarta a necessidade de destinar um local para armazenar lenha ou botijões de gás. Além disso, por apresentar densidade específica menor que a do ar, em caso de vazamento, a dispersão do gás natural na atmosfera é mais rápida, reduzindo os riscos de acidentes.
Todas as vantagens no uso do gás natural são confirmadas pelo proprietário do espaço onde está instalada a pizzaria, Eduardo Dantas. “Além das vantagens econômicas e técnicas, o gás natural ainda contribui com a natureza, emitindo menor quantidade de poluentes na atmosfera”, destaca. O imóvel fica na esquina da Rua Lamenha Lins e Avenida Iguaçu, em Curitiba.
O licenciamento do estabelecimento junto à prefeitura também fica mais complexo quando o empresário opta por instalar o forno a lenha. De acordo com a engenheira do departamento de Pesquisa e Monitoramento da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Curitiba, Alessandra Heinrich, os trâmites são mais complexos devido às emissões atmosféricas geradas pelo forno a lenha, como fuligem, fumaça e cheiro, e que não são emitidas por fornos a gás. Além disso, a necessidade de possuir chaminés elevadas também limita o entorno e empreendimentos com forno a lenha, que não podem ser instalados em locais onde há muitos prédios, por exemplo.

Sobre a Compagas: a concessionária responsável pela distribuição de gás natural no Estado do Paraná completou 20 anos em 2014. Empresa de economia mista, tem como acionista majoritária a Companhia Paranaense de Energia – Copel, com 51% das ações, a Gaspetro, com 24,5% e a Mitsui Gás e Energia do Brasil, com 24,5%. Em março de 2000, a empresa passou a ser a primeira distribuidora do Sul do país a fornecer o gás natural aos seus clientes, com a inauguração do ramal sul do gasoduto Bolívia – Brasil (Gasbol). Atualmente, a Compagas conta com mais de 31 mil clientes dos segmentos residencial, comercial, industrial, veicular e geração de energia elétrica e está presente em 17 municípios: Araucária, Curitiba, Campo Largo, Balsa Nova, Palmeira, Ponta Grossa, São José dos Pinhais, Colombo, Quatro Barras, Campina Grande do Sul, Fazenda Rio Grande, São Mateus do Sul, Pinhais, Paranaguá, Carambeí, Castro e Londrina.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.