Laboratório traz ao Brasil teste rápido que diagnostica o H1N1 em apenas 1 hora

Tecnologias de diagnóstico rápido tornaram-se ferramentas essenciais na gestão da saúde, tanto no setor público quanto no privado, em hospitais e laboratórios, uma vez que a aplicação da terapia correta evita o uso indiscriminado de antibióticos nos pacientes, fator que leva à criação de organismos multirresistentes a medicamentos (superbactérias), e, em alguns casos, ajuda a diminuir o tempo de internação.

Este nicho é um dos que recebem investimento da bioMérieux, empresa francesa líder mundial em diagnóstico in vitro, que pretende ampliar sua atuação no Brasil até 2020, oferecendo no País uma solução voltada ao diagnóstico rápido chamado Sistema FilmArray.

O equipamento é capaz de detectar e diferenciar, por meio de painéis, vírus, bactérias, protozoários e fungos que causam dezenas de doenças, em apenas 1 hora. Em muitos casos, os testes convencionais demoram 24 horas para fornecer essas informações.

Estudos realizados em outros países descrevem que com a implementação do Sistema FilmArray houve redução no tempo para resultado no pronto socorro e benefícios financeiros estimados em € 150 mil (cerca de R$ 600 mil) durante a temporada dos vírus respiratórios.

O equipamento, que obteve recentemente o registro na Anvisa, já está disponível no Brasil, assim como o painel de doenças respiratórias que detecta e identifica 20 microrganismos, 17 vírus e 3 bactérias, entre eles o vírus H1N1. Se baseado apenas em sinais e sintomas, o diagnóstico clínico da gripe H1N1, que pode até mesmo levar à morte, é dificultado pela similaridade do quadro causado por estes vírus com outras doenças, especialmente em crianças.

Os pioneiros na aquisição do equipamento no País são o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo; o laboratório Richet, no Rio de Janeiro; e a Prohosp, distribuidora especializada em soluções na área de saúde, presente no Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

A expectativa da bioMérieux, porém, é ter uma base instalada de 26 equipamentos no Brasil até 2020, ampliando em quase dez vezes a sua presença no País.

A empresa já possui registro de outros painéis para diagnóstico de centenas de microrganismos como vírus, bactérias, fungos e protozoários, entre eles os causadores da Sepse e Doenças Gastrointestinais. Encontra-se aguardando registro na Anvisa o painel para meningites e encefalites. No exterior, a empresa oferece até o painel que detecta o vírus EBOLA.

 

Como funciona – O Sistema FilmArray® foi desenvolvido pela BioFire, empresa do grupo bioMérieux. O Sistema utiliza a técnica de biologia molecular, porém não exige pessoas especializadas para o seu manuseio, nem ambiente de laboratório com estrutura para testes de Biologia Molecular. Ele consiste em uma estação de trabalho na qual é inserido o painel – um cartucho a vácuo –, com diferentes reservatórios, onde ficam os reagentes. Nele é injetada a solução de hidratação por sistema a vácuo e depois a amostra a ser analisada.

O painel é colocado no FilmArray (cujo tamanho aproximado é o de um notebook) e tem início a análise da amostra: os ácidos nucleicos são extraídos, para que o DNA e o RNA (compostos orgânicosenvolvidos na transmissão de caracteres hereditários e na produção de proteínas compostas, que são o principal constituinte dos seres vivos) sejam purificados.

Finalmente, por meio da técnica chamada Multiplex PCR, em que um fragmento específico da molécula de DNA é amplificado milhares de vezes em curto espaço de tempo, os microrganismos presentes são aumentados e a detecção é realizada, por meio da tecnologia Microarray. Ao final, o Software FilmArray analisa e libera um relatório com os resultados da amostra. Todo o processo leva apenas uma hora para ser concluído.

O método utiliza como amostra a secreção de nasofaringe e em razão da alta sensibilidade oferece aproximadamente 100% de precisão.

Os testes convencionais disponíveis no mercado utilizam o método de Imunofluorescência, onde corantes fluorescentes são usados para visualização dos antígenos nos tecidos ou em suspensões celulares. Nesta técnica são necessárias pelo menos duas horas para detectar se há ou não o vírus, e até 24 horas para identificar qual vírus está presente, sendo que este teste só detecta até 6 tipos de vírus diferentes, sendo dependente de análises visuais.

 

Sobre a bioMérieux

Há mais de 50 anos no mercado, a bioMérieux é líder na área de diagnóstico in vitro. Em todo o mundo, a empresa tem o propósito de contribuir efetivamente com o desenvolvimento da saúde pública, fornecendo soluções (reagentes, equipamentos e softwares) que determinam a origem da doença e de contaminações de produtos industrializados a fim de melhorar a saúde do paciente e garantir segurança aos consumidores.

Fundada na França em 1963, a bioMérieux tem cerca de 5.800 colaboradores e está presente em mais de 150 países, por meio de 41 filiais e uma ampla rede de distribuidores. No Brasil, a bioMérieux possui o laboratório P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) situado no Rio de Janeiro, que foi inaugurado em 2009, e até 2014 a equipe teve como missão dar suporte à produção local da linha Imuno e desenvolver produtos de interesse para o grupo bioMérieux. No final de 2014, a visão do setor P&D da bioMérieux Brasil mudou para focar nas infecções tropicais e servir à estratégia local e global, a fim de responder às necessidades dos mercados emergentes e negligenciados.

A família Mérieux tem uma tradição ao longo de um século de compromisso na luta contra as doenças infecciosas. Marcel Mérieux, que trabalhou com Louis Pasteur e fundou o Instituto Mérieux, o Dr. Charles Mérieux, Alain Mérieux e Dr. Christophe Mérieux dedicaram suas vidas à biologia, com o objetivo de melhorar a saúde mundial. (imprensa@veropress.com.br)

7b33f8d9-9c2d-45e2-8714-7673baed6c51

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.