Seis conselheiros do CNJ participam de seminários no TRT-PR nesta sexta-feira, 15

A política de valorização do primeiro grau do Judiciário, onde estão concentrados 92% dos processos, o combate ao trabalho em condições análogas à de escravo e a valorização da cultura de conciliação e mediação dos conflitos são temas de debates com seis conselheiros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nesta sexta-feira, 15/04, no auditório do Fórum da Justiça do Trabalho de Primeiro Grau, em Curitiba – Avenida Vicente Machado, 400 – Centro.
Voltados a magistrados e servidores, os seminários são promovidos pela Escola Judicial do TRT-PR em parceria com a Associação dos Magistrados Trabalhistas da 9ª Região (AMATRA IX).

No início da manhã, os conselheiros Bruno Ronchetti de Castro, Carlos Eduardo Oliveira Dias e Fernando César Baptista de Mattos abordam a “Política de Priorização do Primeiro Grau à luz da Resolução nº 194 do CNJ”. Em seguida, entre 10h30 e 12h30, acontece o seminário “Trabalho em condições análogas à de escravo e o tráfico de pessoas”, com os conselheiros Lélio Bentes Corrêa, Gustavo Tadeu Alkmin e Fernando César Baptista de Mattos. Os conselheiros integram o Comitê Nacional Judicial de Enfrentamento à Exploração do Trabalho em Condição Análoga à de Escravo e ao Tráfico de Pessoas, instituído pela Portaria nº 5 de 15 de janeiro de 2016 da Presidência do CNJ.
No período da tarde, das 14h30 às 16h30, ocorre o terceiro seminário, intitulado “Conciliação e mediação na Justiça do Trabalho tendo em vista os objetivos da Portaria nº 25/2016 da Presidência do CNJ”. O debate terá a participação do ministro do TST Lélio Bentes Corrêa, que também é conselheiro do CNJ, e dos conselheiros Carlos Eduardo Oliveira Dias, Gustavo Tadeu Alkmin, Arnaldo Hossepian Lima Júnior e Luiz Claudio Silva Allemand, integrantes do grupo de trabalho que estuda a regulamentação da política judiciária de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito da Justiça do Trabalho.

 

ascom@trt9.jus.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.