12 Filmes para estudar História

Aprender História pode ser também prazeroso em frente à TV. A reflexão que os filmes provocam, as mensagens que transmitem, as ideias que chocam, os exemplos dos personagens, as reconstituições de época e a recuperação de histórias não conhecidas ou há muito esquecidas os tornam ferramentas importantes para fixar alguns conteúdos de épocas não vividas. “Um filme como a Lista de Schindler fez mais pela memória do Holocausto para os mais jovens do que muitos livros acadêmicos sobre o tema. A série de televisão Anos Rebeldes, de Gilberto Braga fez mais pelas mobilizações de rua no ano de 1992 – o fora Collor – do que muito discurso da UNE. O filme 12 anos de escravidão, O Mordomo da Casa Branca e Selma fizeram mais pela causa dos negros do que muito projeto de lei parlamentar”, ressalta o professor de História no Curso Positivo, Daniel Medeiros.

Ele alerta, porém, que os filmes devem ser um apoio para o estudo, mas não a única ferramenta. “É preciso lembrar que filmes são obras de autores e, por isso, são uma visão dos fatos narrados. Logo, um filme não é uma prova do passado,  mas uma leitura de um diretor – e de um roteirista, de um produtor, de um montador, etc. – sobre um fato ou um conjunto de fatos. Se você tiver isso como condição prévia, é possível aproveitar filmes e aprender algo sobre História”.

Para os estudantes que querem aproveitar o tempo livre para o lazer e a família, sem deixar os estudos de lado, professores de História dão dicas de filmes que podem ajudar a memorizar e entender melhor o conteúdo:

1. UM DIA MUITO ESPECIAL

Ano: 1977

Direção: Ettore Scola

Tema: Fascismo

Prestar atenção em: O filme se passa no dia 8 de maio de 1938, dia da visita de Hitler a Roma, e narra o encontro de uma dona de casa – casada com um fascista – e um radialista demitido – e homossexual. Enquanto ouvem os ruídos da turba e do foguetório, trocam confidências sobre as fragilidades dos indivíduos sensíveis em meio a um regime violento e opressor.

Pontos fortes: Destaca com incrível qualidade o perigo maior dos regimes totalitários: a desumanização.

Pontos fracos: para os jovens, não ter muita ação.

Sugestão: Professor Daniel Medeiros

 

2. QUE BOM TE VER VIVA

Ano: 1989

Direção: Lúcia Murat

Tema: Ditadura Militar

Prestar atenção em: O filme apresenta um misto de documentário e interpretação da história de várias mulheres torturadas durante o regime militar. Preste atenção no olhar das narradoras e sinta a dor do que elas passaram enquanto elas lembram e contam seus infortúnios.

Pontos fortes: O texto, que resgata experiências intensas de uma época e de uma barbárie que nunca ninguém deve esquecer e deve sempre ser lembrada para os mais jovens.

Pontos fracos: para os jovens, é um filme com pouca ação.

Sugestão: Professor Daniel Medeiros

 

3. PACTO DOS LOBOS

Ano: 2002

Direção: Christophe Gans

Tema: Revolução Francesa / Iluminismo / Monarquia

Prestar atenção em: O filme é de ação e extrapola a história real sobre o qual foi concebido. Mas ele nos mostra algumas importantes questões da França pré-revolucionária, ruralizada, conservadora e fortemente religiosa do século XVIII. A história gira em torno do ataque de uma fera na região interiorana de Gévaudan, fato esse verdadeiro mas que no filme é apresentado em tom fantástico. Você deve observar a divisão da sociedade, o desprezo pela razão, a presença francesa no Canadá, o controle de imprensa e a visão religiosa dogmática.

Pontos fortes: É possível ver uma sociedade decadente em choque com os princípios do Iluminismo. Entre os personagens, observe a relação que índio “canadense” gera nessa sociedade, assim como, os questionamento do personagem principal, Grégoire de Fronsac, fortemente influenciado pelo pensamento iluminista da época. O filme também nos mostra uma sociedade secreta, com fins políticos, mas disfarçada sobre a religiosidade e o moralismo da época.

Pontos fracos: Apesar de baseado numa história real, o filme é de caráter fantástico e também bastante longo (142 minutos).

Sugestão: Professor Maurício Paz

 

4.  UMA HISTÓRIA DE AMOR E FÚRIA

Ano: 2012

Direção: Luiz Bolognesi

Tema: Brasil Colonial/ Conflitos no Brasil/ Ditadura Militar

Prestar atenção em: O filme é uma animação brasileira de longa metragem que narra uma história fantástica pelo Brasil: um índio amaldiçoado vive no corpo de um pássaro e encarna em diferentes momentos da nossa história. Antes do descobrimento, pela Balaiada no Maranhão em 1825, no Rio de Janeiro em 1968 em plena ditadura militar e avança até o ano de 2096 em um Rio de Janeiro dominado por milícias e onde a água é o bem mais precioso. Procure observar porque o roteiro elegeu esses momentos para contar a história, observe que foram movimentos contra a exploração e opressão.

Pontos fortes: É um excelente trabalho e que pode ajudar bastante nesses contextos históricos marcados por lutas populares e conflitos. O filme encerra com a frase “Viver sem conhecer o passado é viver no escuro”.

Pontos fracos: O filme possui uma visão maniqueísta da história, o que é muito comum em produções cinematográficas, dividindo de forma simplista os bons e os maus. A história real é cheia de nuances e jamais pode ser encarada de uma forma tão superficial.

Sugestão: Professor Maurício Paz

 

5.  LUTERO

Ano: 2003

Direção: Eric Till

Tema: Igrejas / Guerras Religiosas

Prestar atenção em: Na interferência que a Igreja, na figura do papa, ainda buscava exercer sobre alguns estados nacionais em pleno século XVI.

Pontos fortes: A obra mostra com profundidade a situação social dos habitantes dos estados germânicos: suas atividades agrárias, seu modelo feudal de organização, o temor de algumas comunidades da cobrança abusiva de dízimos eclesiásticos bem como a organização política no modelo de confederação de estados germânicos. Além disso, mostra com profundidade a crítica que alguns setores da própria Igreja faziam à sua conduta. Críticas relacionadas ao apego ao luxo, à ostentação e à venda de indulgências.

Pontos fracos: Trata-se de uma obra que recebeu forte financiamento de setores protestantes, então tende a mostrar Lutero e o surgimento do Protestantismo de forma apaixonada.

Sugestão: Professor Rogério Pereira

 

6. ADEUS LENIN

Ano: 2004

Direção: Wolfgang Becker

Tema: Muro de Berlim

Prestar atenção em: Nas condições materiais dos habitantes da parte Oriental da Alemanha.

Pontos fortes: Mostra com clareza os embates entre diferentes gerações de alemães orientais sobre se o socialismo era ou não a forma ideal de governo.

Pontos fracos: Quanto retrata a parte Ocidental, mostra apenas a prosperidade material, sem abordar temas importantes ao capitalismo como a desigualdade social, por exemplo.

Sugestão: Professor Rogério Pereira

 

7. CLEOPATRA

Ano: 1963

Direção: Joseph L. Mankiewicz

Tema: História Antiga

Prestar atenção em: Relações Sociais (trabalhadores livres, escravos, altos funcionários, nobres, etc.) Observar a estrutura social (divisão) tanto do império romano como a do Império Egípcio e a importância destes para a organização social.

Pontos fortes: Além da atuação brilhante de Elizabeth Taylor, como Cleópatra, e Richard Burton, como Marco Antônio, o filme analisa o período de queda do grande Império Egípcio e a ampliação do Império Romano.

Pontos fracos: Entrada de Cleópatra em Roma. A cena é magnífica, mas deixa a desejar nos aspectos culturais dos povos representados pelo Império Egípcio. As roupas e danças executadas não pertencem ao Egito ou ao norte do continente africano que era muito mais influenciado pelo oriente.

Sugestão: Professor Tarsis Prado

 

8.  BASTARDOS INGLÓRIOS

Ano: 2009

Direção: Quentin Tarantino, Eli Roth

Tema: Segunda Guerra Mundial

Prestar atenção em: O filme inicia de forma muito interessante. Uma estância suíça produtora de leite é visitada por um general da SS e alguns soldados. O diálogo travado pelo dono da fazenda e pelo comandante da SS é muito elucidativo quanto à visão nazista sobre o povo judeu. Trata-se de uma cena marcante acompanhada pela obra The Verdict – Ennio Morricone, como trilha sonora.

Pontos fortes: O filme analisa os movimentos de resistência ao nazismo durante o período de guerra (1939 – 1945) e isso nos leva a refletir sobre a participação popular que não está inerte ante a violência e a intolerância.

Pontos fracos: O diretor, Quentin Tarantino, apresenta a sua visão particular e totalmente imaginária, sem compromisso com a verdade, dos episódios que marcaram o fim dos conflitos.

Sugestão: Professor Tarsis Prado

 

9. ARQUITETURA DA DESTRUIÇÃO

Ano: 1989

Direção: Peter Cohen

Tema: Nazismo

Prestar atenção em: O filme retrata um estudo aprofundado sobre o Nazismo e a personalidade de Hitler. Em formato de documentário, há muitas cenas com imagens da época.

Pontos fortes: Narrativa esclarecedora sobre a ascensão de Hitler ao poder. Foco no racismo e inferiorização de raças e classes. Um detalhe é o gosto de Hitler pelas artes.

Pontos fracos: Por ser um documentário, o filme tem uma narrativa pesada que não deve chamar tanta atenção dos jovens, porém, vale a pena.

Sugestão: Professor Renato Mocellin

 

10. DAENS: UM GRITO DE JUSTIÇA

Ano: 1992

Direção: Stinj Coninx

Tema: Revolução Industrial

Prestar atenção em: Aspectos trabalhistas retratados no filme e condições precárias da classe operária. A figura do personagem principal, enquanto padre, defendendo os trabalhadores, também é um bom aspecto do filme.

Pontos fortes: A produção retrata de forma crítica a Revolução Industrial. Mostrando suas principais características na época, como a exploração do trabalho infantil e o início do trabalho feminino na indústria.

Pontos fracos: A linguagem do filme é estranha para a maioria dos jovens, a narrativa é lenta e não há muita ação.

Sugestão: Professor Renato Mocellin

 

11. AGONIA E ÊXTASE

Ano: 1965

Direção:

Tema: Renascimento

Prestar atenção em: O filme é baseado no livro “The Agony and the Ecstasy”, de Irving Stone. O filme mostra a execução dos belos afrescos de Michelangelo que ornamentam o interior da Capela Sistina no Vaticano.

Pontos fortes: O filme aborda o complicado relacionamento entre o mecenas que encomendou a obra, o papa Júlio II, e seu grande autor, o genial artista florentino Michelangelo, que se considerava um escultor, e não um pintor; por isso não queria aceitar a encomenda das pinturas no teto da Capela Sistina. Acabou executando a obra com maestria entre os anos de entre 1508 e 1512.

Pontos fracos: O filme foi produzido em 1965 e se tornou um clássico do cinema. Claro que possui limitações técnicas de acordo com a época, mas apesar de antigo apresenta com clareza parte da vida e da obra de um dos maiores gênios da Renascença.

Sugestão: Rogério Bastos Vieira

 

12. MORTE AO REI

Ano: 2003

Direção: Mike Barker

Tema: Revolução Inglesa

Prestar atenção em: O filme aborda parte do processo revolucionário inglês, principalmente a parte final da guerra civil (1642-1648) que culminou com a vitória da burguesia puritana e com a condenação à morte do rei Charles Stuart (Carlos I).

Pontos fortes: O filme ajuda a compreender a disputa política que originou a primeira fase do movimento revolucionário na Inglaterra do século XVII (Revolução Puritana), a liderança do republicano Oliver Cromwell e a tentativa de Carlos I e seus partidários de restabelecer a monarquia absolutista antes de sua condenação.

Pontos fracos: O filme não aborda todo o período referente à Revolução Inglesa, mas se o aluno tiver uma leitura mais ampla de todo o processo revolucionário inglês, compreendendo suas fases distintas, pode tirar proveito desse filme para relembrar como foi instaurado o governo republicano comandado por Oliver Cromwell.

Sugestão: Rogério Bastos Vieira

(centralpress@centralpress.com.br)

imagem_release_656786 imagem_release_656789 imagem_release_656790

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.