Dia das Mães (08/05) – Exames recomendados para a saúde da gestante e do bebê

As orientações são de Myrna Campagnoli, diretora médica do Laboratório Frischmann Aisengart

Confirmada a gravidez, preferencialmente por meio da dosagem Beta HCG, a futura mãe deve se preparar para meses de cuidado e acompanhamento médico, em que será solicitada uma série de exames importantes para que a gestação transcorra com tranquilidade e segurança. Myrna Campagnoli, diretora médica do Laboratório Frischmann Aisengart, elencou os exames essenciais, em que fase da gestação devem ser realizados e por que são indispensáveis.

É importante ressaltar que a gestação, idealmente, deve ser programada, e que muitos destes exames podem e devem ser realizados antes da concepção, para permitir o tratamento ou melhorar o cuidado durante a gestação reduzindo, assim, o risco de intercorrências com o bebê.

1.º trimestre – Para todas as gestantes

  • Hemograma completo, exames de sangue, fezes, urina e Papanicolau, que funcionam como um check-up para ver como está a saúde da mãe.
  • Tipagem sanguínea – para as mulheres com sangue Rh negativo é importante fazer o teste de Coombs indireto para determinar a presença de anticorpos contra o feto.
  • Sorologia para citomegalovírus, urina 1 e urocultura, toxoplasmose, rubéola, VDRL (sífilis), hepatite B, hepatite C e anti-HIV (Aids) – são exames que determinam se a gestante já teve contato com as doenças para que, em caso positivo, sejam tomados os cuidados necessários para que o bebê não seja infectado.
  • Ultrassom básico obstétrico transvaginal.
  • Glicemia de jejum, para verificar diabetes prévio à gestação.
  • TSH, T3 total, T4 total e T4 livre, anticorpos antititreoideanos (antitireoglobulina e antitireoperoxidase) – para verificar a presença de hipotireoidismo clínico ou subclínico na mãe. As alterações de tireoide são frequentes durante a gestação.

1.º trimestre – Recomendados para mulheres acima dos 35 anos, com histórico familiar de doenças genéticas ou problemas de saúde, como diabetes e hipertensão.

  • Ultrassonografia – para identificar se o embrião é único ou se é uma gestação de múltiplos, e se ele está implantado corretamente no útero.
  • Ultrassonografia Translucência Nucal – para calcular, além do desenvolvimento, o tamanho do edema da nuca do bebê e a medida do osso nasal, parâmetros que indicam o risco de Síndrome de Down.
  • Teste Integrado de Sangue – para afastar com mais segurança o risco de cromossomopatias.

2.º trimestre – Obrigatórios para todas as gestantes

  • Ultrassom morfológico – analisa a anatomia do feto e mede o tamanho dos ossos e dos órgãos.
  • Repetir os exames de sangue e urina – para afastar os riscos de contaminação de doenças infecciosas.
  • Glicemia de jejum e Teste oral de tolerância à glicose (24.ª – 28.ª semanas) – exame de sangue para avaliar o nível de glicose no organismo e que irá diagnosticar o diabetes gestacional.
  • Ecocardiograma Fetal com Doppler – analisa detalhes morfológicos (formação das estruturas) e funcionais (funções cardíaca e circulatória) do coração do feto.

3.º trimestre – Obrigatórios para todas as gestantes

  • Ultrassom obstétrico e cardiotocografia – exame utilizado para observar a regularidade das contrações uterinas e as oscilações na frequência cardíaca do bebê.
  • No pré-parto, repetir os exames de laboratório do primeiro trimestre, junto com o coagulograma, para afastar os riscos de trombofilia.
  • Pesquisa da bactéria estreptococo B na cultura de secreção vaginal – para evitar as infecções neonatais. Se a bactéria for encontrada, ela deve ser eliminada, pois o bebê pode ser contaminado no nascimento ao passar pelo canal vaginal.

Vacinas – a vacinação é outro aspecto importante a ser observado durante o pré-natal. O ideal é que a mulher conclua todo o calendário de vacinação antes de engravidar. Mas, se não foi possível ou se não houver comprovação da vacinação, o calendário deve ser completado. As vacinas contra a gripe e contra a hepatite B podem ser administradas durante a gestação. A vacina DPT (tríplice bacteriana) pode ser administrada após a 20.ª semana, e deve ser a acelular do tipo adulto.  Em situações especiais a vacina contra a hepatite A e a meningocócica também podem ser administradas na gestação. As vacinas de vírus ou bactérias vivas atenuadas (BCG, rubéola, sarampo, caxumba, varicela e febre amarela) são contraindicadas durante a gestação.

 Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart

O Laboratório Frischmann Aisengart tem mais 70 anos e é considerado uma referência para o segmento de medicina diagnóstica. Possui mais de 600 colaboradores e mais de 30 unidades no Paraná. São mais de três mil tipos de exames de análises clínicas, soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, além do serviço de vacinas. Para mais informações: www.labfa.com.br ou (41) 4004-0103.  Siga o Laboratório Frischmann Aisengart nas redes sociais: Blog – blog.labfa.com.br; Facebook – facebook.com/laboratorio.fa.

Laboratório Frischmann Aisengart
Assessoria de Imprensa – Curitiba
Talk Assessoria de Comunicação
Karin Villatore
Mtb 2815
(41) 3018-5828 / 9963-4250/ 9681-7075
karin@talkcomunicacao.com.br
www.talkcomunicacao.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.