Entenda como é a vida sexual de um adolescente com câncer

Oncologista pediátrica atua junto com equipe multidisciplinar em suporte e orientação aos pacientes

Considerado ainda um tabu para muitos pacientes, o início da prática sexual por adolescentes submetidos ao tratamento de câncer é um dos desafios existentes para este público, em decorrência de fatores que podem interferir diretamente na autoestima dos pacientes, como a perda de cabelo e a limitação física na prática sexual.

A oncologista pediátrica Carla Macedo da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE), explica que a iniciação sexual deve ser abordada juntamente com o oncologista do paciente e a equipe multidisciplinar: “O objetivo do acompanhamento é atuar na necessidade de identificação e intervenções de suporte ao adolescente. É acolher e desvendar mitos em relação ao sexo de acordo com a condição clínica do paciente, de modo que não seja para ele uma experiência traumatizante”.

Um dos fatores que resultam na baixa autoestima é a queda de cabelo durante o período de tratamento. “As meninas são orientadas pela equipe, sobre a queda de cabelos e quando a questão afeta diretamente a autoestima das pacientes, a equipe multidisciplinar intervém com ações para promover a aceitação”, completa a oncologista.

Em relação aos efeitos colaterais, o tratamento também pode apresentar algumas reações nos pacientes, e em determinado momento o ato sexual pode ser contra indicado. “Um dos efeitos é a redução da libido, ou seja, a redução do desejo sexual em decorrência de quadros depressivos ou utilização de alguma medicação. A limitação física é também um fator gerado pelos eventos adversos, como vômitos, náuseas, fadiga, mucosites (reação tóxica inflamatória) e queda do número de plaquetas durante o tratamento”, afirma Carla.

Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE)

Fundada em 1981, a SOBOPE tem como objetivo disseminar o conhecimento referente ao câncer infantojuvenil e seu tratamento para todas as regiões do País e uniformizar métodos de diagnóstico e tratamento. Atua no desenvolvimento e divulgação de protocolos terapêuticos e na representação dos oncologistas pediátricos brasileiros junto aos órgãos governamentais. Promove o ensino da oncologia pediátrica, visando à divulgação e troca de conhecimento científico da área em âmbito multiprofissional. (anadangelis@rspress.com.br)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.