Primeiro relatório mundial sobre tendência de hostels mostra que geração “Y” alimenta uma revolução no setor

Che Lagarto Hostel Foz Iguaçu. Foz Iguaçu, Brazil -
Hospedagem alternativa é cada vez mais procurada e os viajantes entre os 18 e 35 anos gastam mais dinheiro em aventuras de viagens. Na foto: Che Lagarto Hostel Foz do Iguaçu (Divulgação)

A indústria dos hostels tem registrado um forte crescimento estimulado pelos chamados viajantes “millennial” ou da Geração Y – geração nascida nos anos 80 e 90 – que procuram gastar mais dinheiro em viagens mais longas e ver o máximo de Mundo possível. Estas são as principais conclusões do primeiro estudo sobre tendência de hostels (Hostel Trend Report, em inglês), um trabalho independente realizado pela empresa de estudo do setor de viagens Phocuswright, e que agora são divulgadas pelo Hostelworld.

Esta mudança revolucionou a indústria da hospitalidade, uma vez que a geração “millennial” está priorizando cada vez mais as interações sociais e aventuras compartilhadas com novos amigos em comparação com a média da população viajante. No Brasil, o número de hostels registrados na plataforma Hostelworld cresceu 533% nos últimos cinco anos, segundo informa o site líder de reservas de hostels. Ao todo, já são mais de 750 os hostels brasileiros que podem ser reservados através desta plataforma on-line.

Também os hostels estão passando pela sua própria transformação de modo a conseguir tomar uma fatia maior do mercado de hospitalidade. Quartos particulares e hostels de grife são agora o padrão (9 entre 10 hostels têm banheiros privados), substituindo a imagem dos hostel com dormitório do passado. As áreas com maior crescimento de receitas estão em mercados cada vez mais desejáveis para viajantes “millenial”. Neste grupo estão o Sul e Sudeste da Ásia (13%) seguida pelo Oriente Médio (11%), a Europa Oriental (11%) e o Norte da Ásia – liderada pela China – (10%). Segundo o estudo, ainda há uma forte oportunidade de crescimento nos principais mercados de hospitalidade na Europa e nos EUA.

Outro dados divulgados pelo site de reserva de hostels é que os brasileiros estão reservando mais estadias em hostels. Comparando os últimos anos, o Hostelworld registrou um crescimento de reservas feitas na sua página brasileira superior a 51%.

A mudança do perfil de viajante e o novo tipo de hostel estão refazendo o mercado. Mesmo que os viajantes que se hospedam em hostels tendam a ser muito mais jovem e com uma renda média global menor, eles gastam em níveis semelhantes ou até maiores do que a população viajante em geral. Um em cada quatro esperam ser capazes de reservar os estabelecimentos em seus dispositivos móveis, e 93% usaram seus telefones durante a viagem. Como tal, eles podem facilmente comparar e contrastar as experiências em movimento. Hostels subiram a altura oferecendo serviços que atendem a uma clientela mais exigente, tais como Wi-Fi gratuito, comida no local e bebidas, serviços de limpeza diária, eventos sociais, aluguel de bicicletas, bibliotecas e salas de tv. Estas são algumas das outras conclusões principais do relatório.

Compreender o viajante que fica em hostels
Mais de 70% dos viajantes que se hospedam em hostels fazem parte da geração “milleniall”, 15% dos quais ficaram em um hostel nos últimos 12 meses. Comparado a outros tipos de viajantes, destacam-se como sendo implacáveis em sua paixão por viagens. 86% desses viajantes “millennial” disseram: “Eu pretendo viajar para o maior número de lugares na minha vida”, e 87% disse: “Eu considero viajar uma parte muito importante da minha vida”. A pesquisa mostra que os viajantes que se hospedam em hostels realizam mais viagens em todos os mercados do que qualquer outro tipo de turista e eles são mais propensos a ir para o exterior. Bem mais de 80% dos viajantes “millennial” fez uma viagem internacional no ano passado para mercados turísticos mais desenvolvidos, mas a China e a Coreia do Sul não ficaram muito atrás.

Ainda segundo a pesquisa, a maioria dos viajantes amantes de hostels (72%) viajam sozinhos, buscando conexões sociais. Eles também são propensos a permanecer por mais tempo e gastar mais dinheiro em viagens.

O Mercado de oportunidades para hostels
Os hostels têm marcado uma grande transformação na indústria da hospedagem, e muitos viajantes estão agora atraídos para acomodações alternativas. Projeta-se que a indústria dos hostels cresça sete a oito por cento ao ano, atualmente avalia-se que a indústria represente US$ 5,2 bilhões de dólares em receita de hospedagem. Os hóspedes apontam os baixos preços (44%), localizações convenientes (44%), boa qualidade/preço (43%) e as oportunidades para conhecer outros viajantes (31%) como as principais razões para escolher um hostel para se hospedar. Ao contrário dos hostels do passado, hoje, 9 em cada 10 têm quartos privados, além dos tradicionais quartos de dormitório ou quartos compartilhados – e, incrivelmente, existem agora mais quartos privados do que quartos de dormitório por hostel.

América Latina representa 18% dos estabelecimentos e 9% da receita global dos hostels. Os mercados emergentes estão vendo a maior expansão na indústria de hostels, enquanto que 4 em cada 10 hostels em mercados desenvolvidos já estão no negócio por mais de 10 anos e apenas 1 em cada 10 hostels em mercados emergentes estão funcionando há tanto tempo. O maior crescimento de receita com dois dígitos registra-se no Sul e Sudeste da Ásia (13%), seguida pelo Oriente Médio (11%), Europa Oriental (11%) e no Norte da Ásia – liderada pela China – (10%).

Em 2014, as plataformas on-line foram responsáveis por dois terços das receitas mundiais dos hostels (um valor bem elevado se levarmos em conta que as plataformas on-line só são responsáveis por menos de 40% das reservas mundiais de hotéis).

“É surpreendente o quanto a indústria dos hostels tem se transformado nos últimos cinco anos”, afirma Feargal Mooney, CEO do Hostelworld. “Hoje, estamos vendo alojamento em hostels de luxo oferecendo o equilíbrio perfeito de privacidade, conforto e atividades sociais. O perfil demográfico dos viajantes “millennial” é perfeito para hostels uma vez que os jovens estão gastando mais de seu tempo vendo o máximo possível do mundo. Os hostels permitem encontros casuais, que coisas aventureiras aconteçam em mais lugares e permitem que os viajantes “millennial” obtenham hospedagem com um excelente preço/qualidade”.

Sobre Hostelworld:
O Grupo Hostelworld é a plataforma líder de reservas de hostels e conta com o site Hostelworld, Hostelbookers e Hostels.com no seu portfólio de operações em 19 idiomas diferentes. Conectando jovens viajantes através de hostels em todo o mundo, o Hostelworld tem mais de 8 milhões de comentários e avaliações para cerca de 33.000 mil alojamentos em mais de 170 países.

Os clientes Hostelworld não são os turistas habituais; eles interessam-se mais por experiências do que por lembranças e querem estar no centro da ação. Eles querem conhecer o mundo (“Meet The World”) e é a natureza sociável dos hostels que facilita as viagens de aventura.

O Grupo Hostelworld está cotado em bolsa desde Novembro de 2015, nas principais bolsas de Londres e Dublin. Com sede em Dublin, o Hostelworld tem escritórios em Londres, Xangai, Sydney e Seoul, e foi recentemente premiado como “a melhor empresa para se trabalhar em 2016” pela Great Place To Work Institute.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.