Crianças em tratamento contra o câncer comemoram Festa Junina no Hospital de Clínicas

Quem viu a pequena Luana se divertindo, nem poderia imaginar que a menina luta contra um tumor desmoplásico (câncer no pulmão) há três anos e meio. Durante toda a semana, ela conciliou a quimioterapia com as brincadeiras de argolas, pescaria e jogar a bola na boca do palhaço. Do seu leito, todos esses jogos estavam a apenas uma escada de distância, instalados no térreo do ambulatório, onde foi realizada a tradicional Festa Junina.

“Ela se sentia motivada a acordar cedo e realizar o tratamento, pois sabia que poderia vir aqui e se divertir, não apenas tomar a medicação. Como ela não está na escola, aqui ela tem contato com outras crianças. Só de ver o sorriso dela, eu já me alegro”, relata a mãe, Sabrina Sustinoni.

Assim como os pacientes, as famílias também ficam aliviadas em momentos festivos. O projeto CriArte organiza as comemorações no Ambulatório de Hemato-Oncologia, local que atende crianças com os diversos tipos de cânceres e doenças sanguíneas. Algumas das atividades oferecidas são balé, oficinas de instrumentos musicais, desenho, pintura e teatro, entre outras.

Solange de Fátima é a mãe da alegre Scarlett (há um ano, trata contra a leucemia linfóide aguda – câncer nos glóbulos brancos do sangue) e aprova o trabalho do grupo. “Quando têm essas festas, as crianças ficam mais animadas. Hoje (17), foi o único dia que a Scarlett pôde vir. Ela subiu a escada para coletar sangue e, quando fui ver, cadê ela? Estava lá embaixo dançando (risos)”, conta.

Mas quais são os sentimentos dos familiares e de quem está no dia a dia hospitalar? “Nós mães ficamos mais relaxadas. Se elas (as crianças) ficam pra baixo, imagine a gente que os acompanha direto?”, finaliza Solange.

Zulmira Alves é a professora responsável por dar aulas às crianças que, infelizmente, têm de parar de frequentar a escola para se dedicar aos tratamentos. Para a docente, é um grande momento de diversão. “Algumas chegam aqui aborrecidas e tristes por causa dos procedimentos médicos, como tomar os vários remédios. Quando veem que tem festa, elas já mudam de humor, participam mais das consultas, voltam para a festa e ficam mais animadas”, afirma.

Diversão e sorrisos

Além dos jogos, havia também a quadrilha com músicas de Festa Junina e quitutes tradicionais. Todos que consultaram no período da festa puderam participar, o que totaliza 100 a 120 pacientes – de bebês a adolescentes – segundo a assistente social Ielsa Tramujas, coordenadora do projeto CriArte.

“O sentimento é  que conseguimos fazer com que o foco para eles seja alegria e diversão. Também queremos mostrar que os profissionais se importam realmente em realizar um atendimento integral e não somente ‘olham’ à questão clínica”, declara.

A realização da Festa Junina foi possível graças à ajuda de voluntários da Associação Paranaense de Apoio à Crianças com Neoplasia (APACN), do Projeto “Criarte” do Complexo Hospital de Clínicas (HC e Maternidade Victor Ferreira do Amaral) e do Clube Curitibano que, juntos, contribuíram com brindes, pipocas e doces.

Imagem(ns):
Foto: Ielsa Tramujas (Ambulatório Hemato-Oncologia Pediatria-CHC/UFPR)
Foto: Ielsa Tramujas (Ambulatório Hemato-Oncologia Pediatria-CHC/UFPR)
Foto: Leonardo Henrique – Unicom / CHC-UFPR
Foto: Leonardo Henrique – Unicom / CHC-UFPR
Foto: Leonardo Henrique – Unicom / CHC-UFPR
Foto: Leonardo Henrique
Texto: Leonardo Henrique orientado por Renildo Meurer
Unicom – Unidade de Comunicação – CHC/UFPR
<assmkthc@gmail.com>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.