Dia dos Namorados – Como a alimentação interfere na libido

As explicações são de Myrna Campagnoli, endocrinologista e diretora médica do Laboratório Frischmann Aisengart

A libido, o desempenho sexual e até mesmo a fertilidade estão diretamente relacionados à alimentação. Alguns alimentos atuam de maneira positiva sobre a saúde sexual do indivíduo, enquanto outros podem acabar impactando negativamente neste quesito.

Segundo Myrna Campagnoli, endocrinologista e diretora médica do Laboratório Frischmann Aisengart, isto acontece porque determinados alimentos modulam a produção de neurotransmissores e hormônios relacionados à sensação de bem-estar e prazer, influenciando no bom funcionamento dos órgãos genitais e na fertilidade. Para quem procura melhorar a saúde sexual, a dica está em manter uma alimentação saudável, equilibrada e variada, combinando certos alimentos-chave.

De acordo com a médica, são muitos os alimentos que podem interferir na esfera sexual. Por exemplo, o consumo de alimentos ricos em vitaminas do complexo B (especialmente B6 e B12) como a proteína de origem animal (ovos, peixes, aves e carnes vermelhas), vegetais de folhas verdes escuras, canela, gengibre, cereais integrais (arroz, pães e massas), frutas (banana, maçã, abacate, morango, laranja, tâmaras), leguminosas (feijão e lentilhas), castanhas (nozes e amendoim) e o chocolate amargo contribuem para o aumento de serotonina, dopamina e noradrenalina, hormônios ligados ao prazer.

Já alimentos ricos em zinco melhoram a produção do hormônio testosterona, que é essencial para a função sexual e reprodutora masculina, sendo também importante para a libido e a fertilidade femininas. Ele é encontrado nas leguminosas (feijões, ervilhas, lentilhas, semente de abóbora e soja).

A alimentação saudável, balanceada e variada promove uma adequada produção de hormônios e neurotransmissores essenciais para a libido e o bom funcionamento dos órgãos genitais, inclusive em suas funções reprodutoras, como a produção de espermatozoides, nos homens, e a ovulação, nas mulheres. Porém, segundo Myrna, não existem comprovações científicas de que os alimentos possuem, isoladamente, o poder de despertar estímulos sexuais ou melhorar o desempenho sexual. “O bom desempenho sexual é fruto do cultivo de bons hábitos todos os dias, e de uma alimentação saudável e balanceada. Não há um alimento milagroso”, afirma. Desta forma, não há recomendação para o consumo de determinado alimento de maneira exagerada ou antes das relações sexuais para melhorar a sexualidade.

Todavia, alguns fatores comprovadamente prejudicam o desempenho sexual. O excesso de gorduras na alimentação, por exemplo, reduz a saúde sexual tanto do homem como da mulher. “Além disso, é importante ressaltar que os hábitos de vida também interferem na saúde sexual. Sedentarismo, estresse, excesso de álcool, cigarros e uso de drogas reduzem o prazer e prejudicam o funcionamento dos órgãos sexuais”, complementa a médica.

Algumas doenças, como diabetes, sobrepeso e obesidade, problemas cardíacos e desequilíbrios hormonais também têm efeito negativo na esfera sexual.

 Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart

O Laboratório Frischmann Aisengart completa 71 anos e é considerado uma referência para o segmento de medicina diagnóstica. Possui mais de 600 colaboradores e mais de 35 unidades no Paraná. São mais de três mil tipos de exames de análises clínicas, soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, além do serviço de vacinas. Para mais informações: www.labfa.com.br ou (41) 4004-0103.  Siga o Frischmann Aisengart nas redes sociais: Blog – blog.labfa.com.br; Facebook – facebook.com/laboratorio.fa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.