Tchau Flash? Pelo menos na web, por Patrick Santos

 

patrick_santos-240x240

Dispositivos móveis

Na maioria dos dispositivos móveis a tecnologia Flash não funciona de forma alguma. A preocupação com os aplicativos, sites e sistemas responsivos e o grande aumento da taxa de usuários utilizando os celulares ao invés dos desktops, fizeram com que o Flash não fosse mais uma solução viável. Apenas com este argumento podemos afirmar que o Flash torna seu site ou sistema menos acessível.

Facebook, Mozilla e Chrome

Depois da descoberta de vulnerabilidades, o chefe de segurança do Facebook, Alex Stamos, marcou uma data de encerramento de uso e manutenção de ferramentas em seu sistema que desfrutassem do uso do Flash. Na semana seguinte, a Mozilla desabilitou todas as versões desse plug-in por padrão no Firefox. Os desenvolvedores do Chrome ainda não desabilitaram por inteiro e, para justificar, afirmaram que em versões futuras o navegador da Google vai identificar e pausar plug-ins baseados em Flash de forma inteligente a ponto de identificar quais desses plugins fazem parte das funcionalidades fundamentais do sistema ou site.

Solução

O HTML5 trouxe funcionalidades e elementos novos que supriram a falta de semântica nas páginas WEB e a necessidade do uso do Flash; um exemplo é a tag <video>. O Youtube, que há alguns anos usava o Flash para montar seu player de vídeo, hoje usa o HTML5. O que isto significa? Que podemos ter acesso ao maior player de vídeos do mundo em nossos celulares, tablets e desktops por meio de aplicativos mobile e navegadores (mantendo a semântica no documento HTML). Quer mais vantagens? O usuário não precisa baixar nada, tudo que é feito em HTML5 é aceito pelo navegador de forma nativa – e tudo que é nativo, consequentemente é mais rápido.

Flash e Internet Explorer

Com o passar dos anos, novas tecnologias são desenvolvidas para melhorar a segurança e velocidade, otimizando a experiência do usuário ao acessar páginas na WEB. Tanto o Internet Explorer quanto o Flash, em suas respectivas épocas de lançamento, foram inovadores e seu uso era realmente justificável, mas a partir delas surgem outras melhores. A grande diferença é que, mesmo com atualizações, os próprios desenvolvedores da Adobe afirmam que o Flash tem falhas de segurança que podem contaminar não apenas o navegador, mas também seu computador com vírus. Já o Internet Explorer recebeu uma nova versão (que já vem instalada no Windows 10) e passou a ser chamada de Edge, que inova com sua integração com a Cortana para pesquisas, suporte ao OneNote, entre outras melhorias.

Devo realmente desabilitar o Adobe Flash Player no meu navegador?

Se você é um usuário comum, ou seja, apenas acessa o Facebook, Youtube e seu email e quer uma navegabilidade ainda mais rápida, recomendamos que desabilite o Flash seguindo esse tutorial: http://www.tecmundo.com.br/navegador/91526-tutorial-desativar-adobe-flash-chrome-firefox-microsoft-edge.htm

Mas, se você acessa jogos no seu navegador, sistemas importantes que usem Flash, ou está inseguro do impacto que isso pode gerar em sua navegação, recomendamos que mantenha as configurações padrões em seu navegador.

Este artigo é apenas uma dica informativa e não uma regra para todos.

Patrick Santos estuda Tecnologia em Design Gráfico e compõe a equipe de Front-End da Polvo Labs

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.