Dia dos Avós: incentive a realização de exames para detecção do mieloma múltiplo

O mieloma múltiplo, tipo de câncer raro de sangue, atinge no Brasil 30 mil pessoas, sendo a maioria acima de 60 anos. Em 26 de julho comemora-se o Dia dos Avós – aproveite a data para incentivar esses familiares a realizarem exames e alertá-los sobre os sintomas da doença que ainda não tem cura, mas que se diagnosticada precocemente pode ser controlada com tratamento. Segundo a médica hematologista e membro da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) Vânia Hungria, apenas 5% dos casos são diagnosticados no início.

O diagnóstico de mieloma múltiplo muitas vezes é realizado tardiamente devido a um dos sintomas mais comuns dores ósseas e na lombar – serem facilmente confundidos com osteoporose. O paciente vai a um ortopedista que prescreve cálcio e muitas vezes não investiga a causa do problema. Uma orientação é incluir o exame de eletroforese de proteínas, único teste de sangue capaz de medir a quantidade de proteína monoclonal ’fabricada’ (sintetizada) pelas células plasmáticas malignas no sangue ou na urina que acusa se há anormalidades.

“Outros sintomas associados são anemia, problemas renais, elevação de cálcio e infecção por repetição. A doença não tem cura e o desafio para os médicos é manter os pacientes em tratamento e oferecer uma sobrevida com qualidade de vida”, afirma Vânia.

A necessidade de diagnóstico precoce é essencial, pois além de o mieloma não ter cura, no Brasil ainda há entrave para tratamento com a lenalidomida, medicamento que inibe a progressão da doença, aumenta a expectativa de vida de três para 10 anos e aumenta a qualidade de vida devido à inibição das dores.

“A negativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em registrar a lenalidomida causa um impasse no tratamento de pacientes e na pesquisa científica no País. As pessoas têm que enfrentar duas batalhas – o tratamento, que é completado por quimioterapia e autotransplante de células-tronco, e a batalha judicial para aquisição do medicamento”, relata a médica.

Tratamento

Em países de todo o mundo (mais de 80), pacientes já conseguem estabilizar a doença por meio de tratamento com a lenalidomida e novas drogas, porém no Brasil não há acesso aos medicamentos de ponta por falta de liberação dos produtos pela Anvisa. (anadangelis@rspress.com.br)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.