Os benefícios da batata doce

As dicas são de Myrna Campagnoli, diretora médica e endocrinologista do Laboratório Frischmann Aisengart

Ela ajuda a controlar o nível de açúcar no sangue, diminui o apetite por períodos longos, auxilia no controle do colesterol, tem função antioxidante e anti-inflamatória. É a batata doce que, apesar de prima das demais batatas, da mandioca, da cenoura e da beterraba, contém um carboidrato de baixo índice de açúcar, vitaminas e muita fibra, o que confere para este alimento propriedades nutricionais únicas. É o que afirma Myrna Campangoli, diretora médica e endocrinologista do Laboratório Frischmann Aisengart.

De acordo com a médica, a batata doce ajuda a controlar o colesterol do sangue porque suas fibras não são ingeridas pelo intestino. Durante o processo digestivo estas fibras são fermentadas e dão origem a alguns ácidos graxos (que são produzidos quando as gorduras são quebradas) de cadeia curta. Alguns destes, especialmente o propionato, têm demonstrado capacidade de reduzir ou inibir a atividade da enzima que fabrica o colesterol dentro do fígado (colesterol endógeno). Além disso, como não são digeridas, criam uma barreira mecânica contra a absorção de gorduras e açúcares pelo intestino, fazendo com que a liberação de açúcar no sangue após a refeição seja mais lenta e a reabsorção dos ácidos biliares ligada ao lipídeos esteja reduzida.

Myrna explica que, para quem precisa reduzir o índice de colesterol ruim, a melhor forma de consumo deste alimento é cozido em água e pouco sal, com ou sem casca. Pode ser consumido em pedaços ou sob a forma de purê, sem adição de leite ou manteiga. Também pode ser o assado (sem recheio) ou sob a forma de chips assados. “Mas cuidado com as preparações que levam molhos, recheios ou gratinadas. E também não deve ser feita a batata frita”, lembra.

A médica explica que a batata doce pode até contribuir para a manutenção e o aumento dos níveis do colesterol bom, assim com o cramberry, o azeite, a soja, o chocolate amargo, o abacate, castanhas e nozes. “Mas o colesterol bom, HDL colesterol, é extremamente dependente da atividade física. Este é o principal fator associado ao seu aumento”, reforça. De acordo com Myrna, o combate ao excesso do colesterol requer mudanças alimentares e de hábito de vida. Aumentar atividade física aeróbica, melhorar o sono, reduzir o estresse, cortar o cigarro e reduzir bebidas alcoólicas são exemplos de mudanças imprescindíveis.

A endocrinologista descreve que a alimentação deve ser saudável, nutricionalmente balanceada e rica em fibras. Frutas, verduras e legumes in natura são imprescindíveis. Os farelos (aveia, linhaça, quinôa e trigo), carboidratos integrais, castanhas (oleaginosas), peixes, carnes magras e azeite de oliva são opções interessantes para a prevenção e controle de dislipidemias (nível alto de gordura no sangue). “Mas, mesmo para estes alimentos, a palavra de ordem é moderação. O consumo deve ser em pequenas porções, distribuídas em cinco a seis refeições por dia”, finaliza.

Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart

O Laboratório Frischmann Aisengart completa 71 anos e é considerado uma referência para o segmento de medicina diagnóstica. Possui mais de 600 colaboradores e mais de 35 unidades no Paraná. São mais de três mil tipos de exames de análises clínicas, soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, além do serviço de vacinas. Para mais informações: www.labfa.com.br ou (41) 4004-0103.  Siga o Frischmann Aisengart nas redes sociais: Blog – blog.labfa.com.br; Facebook – facebook.com/laboratorio.fa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.