Pouca ingestão de água é um dos principais motivos de cálculo renal

Excesso de sal e de proteína animal também aumentam as chances de formação da doença, popularmente conhecida como “pedra nos rins”

 

Os números são quase o de uma epidemia: o cálculo renal – popularmente conhecido como “pedra nos rins”, é bastante frequente na população mundial. A cada 100 homens, 20 terão o problema. Nas mulheres, a incidência cai para 10 casos a cada 100, conta o urologista do Hospital São Vicente, André Matos. E um dos principais motivos do problema, que pode ocasionar cólicas bastante dolorosas, é simples: pouca ingestão de água.

A falta de líquido no organismo dificulta o trabalho dos rins, já que o órgão é considerado o “filtro” do nosso corpo. “Todo o sangue passa por ele, que tira as impurezas e transforma essa sujeira em urina”, explica o médico. No rim, há uma região que filtra o sangue, e outra onde a urina é depositada. “O que acontece é que falta líquido para diluir esses sais que todos nós temos na urina. Quando a pessoa toma mais líquido, a urina não é tão concentrada, e os cristais não se acumulam. Já quando as pessoas bebem pouca água, eventualmente, esses cristais se acumulam, e os cálculos se formam”, exemplifica.

Os cálculos, cuja textura, segundo o urologista, é a mesma de pedras de calçamento, podem ficar no corpo da pessoa sem que ela perceba. O problema é quando acontece o deslocamento desse cálculo, e o corpo quer eliminá-lo: a crise de cólica é gerada porque a espessura do cristal não passa pelo ureter (um canal de, aproximadamente, três milímetros). Menos comum, a pedra também pode se formar na bexiga, geralmente em homens com problemas de crescimento da próstata. “A urina fica represada e os cristais podem surgir na bexiga”, esclarece o médico.

Dor e tratamento

A dor intensa da crise renal acontece em um dos rins, e muitas vezes é acompanhada por náuseas e vômito. A dor surge pela tentativa do corpo em expelir os cristais. “Há tratamentos que quebram esses cálculos em pedaços menores, para que elas se dissolvam e saiam na urina”, explica.

Um dos protocolos é com um aparelho que “joga” ondas de choque no rim afetado – para que ocorra essa quebra e eliminação. “O objetivo é que elas passem pelo ureter”, diz. Para casos mais complexos, existe a possibilidade de procedimentos cirúrgicos feitos por laser e endoscopia.

Até passar por crise de dor, habitualmente o paciente não apresenta sintomas, por isso, o Dr. André Matos, recomenda que pessoas que têm casos da doença na família procurem um urologista regularmente, para realização de exames. O mesmo vale para quem já passou por uma crise. “Existe uma chance muito grande de recorrência. Em cinco anos, 50% das pessoas que tiveram o problema terão novamente”, alerta.

Prevenção e hábitos saudáveis

Além da pouca ingestão de água – o médico recomenda de dois a três litros de líquidos por dia, outra causa para a doença é a má alimentação, com excesso de sal e de proteína animal (como a carne vermelha) – hábitos que desencadeiam a cristalização. “Deve-se priorizar uma dieta balanceada, controlem o sal e o peso, fugindo da obesidade, que pode dar mais chance de desencadear a doença. Faça uma atividade física regular, que fará bem para todo o corpo”, frisa.

O urologista ressalta que na ingestão de líquidos, refrigerantes e sucos industrializados não contam, já que bebidas com muito açúcar não hidratam o corpo, tampouco contribuem para o trabalho dos rins. Também é indicado evitar bebidas alcoólicas e cuidar com quadros de desidratação.

 

Sobre o Hospital São Vicente-Funef

O Hospital São Vicente atende a diversas especialidades, entre elas Cardiologia e Oncologia. Atende pelo SUS, planos de saúde e particular. Fundado em 1939, o Hospital São Vicente é administrado pela Funef – Fundação de Estudos das Doenças do Fígado Kotoulas Ribeiro desde 2002. Essa junção, realizada pelo então presidente Marcial Carlos Ribeiro, fortaleceu as instituições, transformando o Hospital São Vicente–Funef em referência em transplantes.

 

De alta complexidade, o hospital atende a diversas especialidades clínicas e cirúrgicas, sempre pautado pela qualidade e pelo tratamento humanizado. A instituição integra a lista de estabelecimentos de saúde que atendem ao padrão de qualidade exigido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, órgão regulador vinculado ao Ministério da Saúde. Mais informações pelo www.hospitalsaovicente.com.br.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.