Zenshin Daiko participa de festival brasileiro de taiko neste fim de semana

Grupo será representado por 24 tocadores, sendo que 48 equipes de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Brasília estarão participando

Neste domingo, 10 de julho, o grupo de taiko de Cascavel, Zenshin Daiko, vai participar do Festival Brasileiro de Taiko, em São Bernardo do Campo (SP). O evento é realizado anualmente e é organizado pela Associação Brasileira de Taiko. Participam equipes inscritas de todo o Brasil, nas categorias mirim (até 11 anos), júnior (12-17 anos), livre (qualquer idade), master (acima de 40 anos) e odaiko (acima de 12 anos). Cada equipe deve ter no mínimo 3 e no máximo 13 integrantes, exceto na categoria odaiko, que é individual. O evento ocorre em dois dias (sábado e domingo), sendo o sábado destinado ao reconhecimento do palco para as passagens das músicas e o domingo para as apresentações. Cada equipe deve apresentar uma música inédita e original. Esta é a 18ª edição do festival brasileiro de taiko. Serão 48 equipes participantes de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Brasília. O diferencial é que a equipe campeã da categoria júnior estará automaticamente convidada para participar do festival no Japão em março de 2017. Representando Cascavel, serão 24 tocadores do grupo Zenshin Daiko, sendo que outros 2 estarão acompanhando todas as apresentações.

 

A composição de um sonho

Música composta especialmente para o grupo Zenshin Daiko, de Cascavel, será apresentada no festival brasileiro neste domingo

A arte milenar do taiko parece acompanhar as batidas do coração. Enquanto os músicos tocam os tambores e interpretam os mais diversos sentimentos, cada batida parece invadir a alma de quem ouve as canções. A flauta surge para suavizar – ela é quase que uma marola perto das ondas de sensações que surgem em meio às músicas. Por tudo isso, o taiko perdura: além de tradição, é parte da vida dos mais de 32 membros do grupo Zenshin Daiko, de Cascavel, sediado na ACEC (Associação Cultural e Esportiva de Cascavel).
O próximo domingo, 10 de julho, vai ser palco para tudo isso. Neste dia, acontecerá o Festival Brasileiro de Taiko, em São Bernardo do Campo (SP), um evento que é realizado anualmente, organizado pela Associação Brasileira de Taiko. Participam equipes inscritas de todo o Brasil, nas categorias mirim (até 11 anos), júnior (12-17 anos), livre (qualquer idade), master (acima de 40 anos) e odaiko (acima de 12 anos). Cada equipe deve ter no mínimo 3 e no máximo 13 integrantes, exceto na categoria odaiko, que é individual. O evento ocorre em dois dias (sábado e domingo), sendo o sábado destinado ao reconhecimento do palco para as passagens das músicas e o domingo para as apresentações. Cada equipe deve apresentar uma música inédita e original.
Mais do que apenas mostrar que nas terras do Olodum também tem espaço para a percussão japonesa, o festival serve para nivelar os grupos de Taiko de todo o Brasil. Renan Yudji é membro do Ishindaiko, grupo de Londrina. Além de participar do grupo do norte paranaense, ele também atua como oficineiro em todo o estado e aqui, em Cascavel, ele compôs três canções especiais para o grupo cascavelense. “A música do mirim trata da alegria, da força das crianças sendo transmitidas através das batidas. Já para o grupo Junior B, a canção mostra a força e a garra dos jovens e a trajetória do grupo Zenshin. Com relação ao Junior A, a música fala do “‘Koinobori’ símbolo do dia das crianças no Japão, contando como é o dia das crianças no país nipônico”, conta o compositor.
Cada música tem as suas especificações. Renan destaca que cada grupo tem uma dificuldade e um ponto forte, quesitos que devem ser fortalecidos, ou não, a partir da música apresentada. “Para o mirim, eu pensei em valorizar os quesitos técnicos que eles já possuíam e elevá- los ainda mais utilizando elementos da música do ano anterior. Já para o Junior B, foi pensando em fazer uma música com elementos de todas as outras músicas que eles já tocaram em anos anteriores para valorizar a força e a garra do time de cascavel. Para o Junior A, continuei no tema das crianças, que foi trazido no ano passado, mas com uma vertente menos infantil e mais técnico”, completa Renan.

RUMO AO PALCO

Em 2014 e 2015, o grupo Zenshin Daiko participou do festival brasileiro com duas equipes (mirim e júnior), sendo premiado com o primeiro lugar no ano de 2014 e com o terceiro lugar no ano de 2015, ambos na categoria mirim. Para o treinador do grupo, Julio Ueda, esses prêmios foram importantes para impulsionar e motivar o grupo. “Foram premiações muito importantes, que valorizaram todo o empenho e dedicação dos tocadores, dos professores, da coordenação e dos pais dos tocadores, que fazem um grande esforço para acompanhar e permitir que seus filhos participem dos treinamentos e apresentações. Além do festival, o grupo participa frequentemente de oficinas, workshops e provas, para melhorar cada vez mais o nível técnico, e realiza várias apresentações em Cascavel e outros municípios”, comenta.
Para este ano, a preparação foi ainda maior que nos outros. Julio destaca que o investimento no tempo e nos treinamentos foi significativa. “Como o número de tocadores aumentou, pela primeira vez seremos representados por 3 equipes: uma na categoria mirim e duas na categoria júnior. Para esta edição do festival, os treinamentos iniciaram-se em outubro de 2015, com a composição da música e oficinas com o professor Renan Yudji Higashi. Além das oficinas mensais com este professor, os tocadores treinavam em todos os finais de semana. No mês de abril de 2016, tivemos a honra de receber o professor Toshiyasu Minowa – que veio do Japão ao Brasil especialmente para auxiliar no desenvolvimento do taiko em nosso país – para um módulo para melhora da técnica e ajustes musicais . Já no mês de maio, o grupo recebeu um treinamento muito importante com o professor Bruno Yuji Yamamoto, de São Paulo, que é o único professor de taiko do Brasil com certificação da Nippon Taiko Foundation. Em junho, na fase final de correção de detalhes técnicos, o grupo recebeu as orientações do professor Kleber Morikawa, também de Londrina. Há 30 dias as equipes têm treinado de 3 a 4 vezes por semana”, completa o treinador.
Com isso, as canções foram finalizadas há pouco tempo, em junho. Com muito preparo e técnica, os tocadores de taiko do Zenshin Daiko partem rumo ao palco do festival com mais confiança e otimismo. Mas os pontos fortes vão além disso, como descreve Julio. “Nos treinamentos, o que impressiona é a dedicação e a motivação dessas crianças, quebrando seus limites físicos e psicológicos, não desistindo nunca diante de uma dificuldade ou desafio. No grupo são 32 crianças de 7 a 17 anos, alegres, dedicadas, educadas e acima de tudo disciplinadas, com brilho nos olhos e uma energia contagiante, que aprendem a respeitar as diferenças, um ajudando o outro para evoluírem o grupo e como pessoas. Estes pequenos grandes seres estão realmente de parabéns”, destaca, orgulhoso, o grande professor do grupo.
Esta é a 18ª edição do festival brasileiro de taiko. Serão 48 equipes participantes de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Brasília, sendo 14 equipes na categoria junior, 10 no mirim, 5 no máster, 10 no livre e 9 no odaiko, sendo que a equipe campeã da categoria júnior estará automaticamente convidada para participar do festival no Japão em março de 2017. Representando Cascavel, serão 24 tocadores do grupo Zenshin Daiko, sendo que outros 2 estarão acompanhando todas as apresentações. (camila.agner@hotmail.com)

0d61b6c4-235d-419e-bc3c-e55fb2a9584c 3df05a51-3578-486f-a04c-8644ef958815 0173c88b-ea8c-4907-8b0c-c5f2e854f983

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.