Casos de caxumba vêm aumentando: fique alerta!

Índice da doença aumentou 59% este ano em relação a 2015

 A caxumba é uma doença viral, altamente contagiosa, causada pelo vírus Paramyxovirus, transmitido por contato direto com gotículas de saliva ou perdigotos (gotículas de saliva que a pessoa lança ao falar). Os surtos da doença costumam ocorrer no inverno e na primavera, e as crianças são as mais atingidas.

Quando infectada, a pessoa pode apresentar sintomas como febre, calafrios, dores de cabeça, musculares e ao mastigar ou engolir, além de fraqueza. Uma das principais características da doença é o aumento das glândulas salivares próximas aos ouvidos, que fazem o rosto inchar. A forma de tratamento da doença é feita com a utilização de remédios para aliviar os sintomas e repouso.

Nos casos mais grave da doença, a caxumba pode causar surdez e meningite. Importante salientar que após a puberdade (período de transição entre a infância e a adolescência), pode causar inflamação e inchaço dos testículos (orquite) nos homens ou dos ovários (ooforite) nas mulheres e levar à esterilidade. Por isso, a atenção deverá ser redobrada nesses casos e ter sempre acompanhamento médico.

Curitiba, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde SMS, registrou até agora 1.074 casos, o que representa aumento de 59%, número superior ao registrado em 2015 (675 casos). A médica infectologista da Clínica Cardio&Saúde, Maria Inez Domingues Kuchiki, salienta a importância da prevenção da doença. “A prevenção começa ao se evitar ambientes fechados e aglomerados, dando preferência aos locais bem ventilados. Atentar-se sempre à toalete respiratória, ao tossir e espirrar fazer em lenço ou se não houver proteger o nariz e a boca com o braço. Sempre lavar as mãos e/ou álcool 70%. A forma mais eficaz de prevenção é a vacina – Vacina tríplice viral, contra sarampo, caxumba e rubéola. É importante que os adultos se imunizem. Quem nunca teve a doença ou não sabe se teve ou se foi vacinado deve ir a uma unidade de saúde e se vacinar. Quem já teve a doença estará para sempre protegido”, diz a infectologista.

Um indivíduo, para ser considerado protegido, deve ter tomado duas doses de vacina na vida, com intervalo mínimo de um mês, independentemente da idade. O Programa Nacional de Imunizações (PNI) para a vacinação infantil prevê que a primeira dose da vacina seja aplicada aos 12 meses de idade; e aos 15 meses (quando é utilizada a vacina combinada à vacina da varicela, também chamada de Quádrupla viral).

SOBRE A CLÍNICA CARDIO&SAÚDE

A Clínica Cardio&Saúde, fundada em 2012, inaugurou recentemente sua nova sede, localizada no edifício Neo Business, no Centro Cívico. Especializada em cardiologia e infectologia, inovou ao criar o Serviço de Cardio-Oncologia, destinado a pacientes oncológicos. Conta com médicos especialistas em exames de imagens (Doppler), Holter digital, check-ups, teste ergonométrico computadorizado, avaliação cardiológica para pacientes oncológicos, risco cirúrgico, atividade física e para concursos públicos.

A especialidade de infectologia da clínica tem por objetivo diagnosticar e tratar as doenças infecciosas agudas causadas por vírus, bactérias e fungos. Com destaque para o tratamento e seguimento de infecções crônicas como hepatite e AIDS/HIV. Orienta e auxilia na prevenção de infecções recorrentes como herpes labial/genital, infecção do trato urinário (ITU recorrente) e foliculite/furunculose de repetição. Faz parte ainda da área de atuação d infectologia, as doenças emergentes de repercussão nacional como dengue e Zika vírus, toxoplasmose (aguda, ocular ou na gestante), mononucleose infecciosa (doença do beijo), pneumonia bacteriana, tuberculose, aspergilose (imunossuprimido).

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.