Doenças do inverno – Frio agrava os sintomas da Psoríase

A chegada dos dias mais frios é um dos fatores que podem intensificar os sintomas da psoriase que apresenta pele seca, com manchas avermelhadas que escamam e, em alguns casos, que sangram.  Doença autoimune sistêmica que se manifesta na pele e que pode levar o paciente a também manifestar sintomas de depressão e fobia social, por tentar esconder a doença e a aparência que causa.  Afeta cerca de 125 milhões de pessoas em todo o mundo e sua causa ainda não é totalmente conhecida. Pode  ocorre em pessoas de todas as idades, mas geralmente aparece entre os 15 e 30 anos – sendo que 30% dos pacientes podem desenvolver artrite psoriásica, que combina os sintomas de duas doenças autoimunes, a própria psoríase e a artrite reumatoide, ambas incapacitantes.

A psoríase não é uma doença contagiosa, mas seus pacientes tentam esconder as suas marcas.  Afeta tanto homens quanto mulheres e acredita-se a hereditariedade pode exercer algum papel para seu surgimento.  A doença não tem cura, mas tem tratamento e controle.

Estudo inédito com pacientes brasileiros com psoríase indica que 63,7 % dos participantes têm a qualidade de vida impactada negativamente pela doença; destes, 63,1% apresentam sintomas associados à dor e mal estar em geral e 54,1% apresentam sinais de ansiedade e depressão, também relacionados à atividade da doença, além da diminuição de função física (44,6%) e dor no corpo (44,3%).   Estes dados referem-se à análise de 113 pacientes com psoríase, sendo a maioria homens (55,8%), com idade média de 52 anos, e fazem parte de um estudo maior, BEYOND, que inclui um total de 300 pacientes com psoríase, das regiões Norte, Sudeste e Sul do Brasil. Este estudo foi estruturado para medir a prevalência da sindrome metabólica e artrite psoriásica em pacientes com psoríase, em diferentes estágios da doença.

Fazem parte do estudo BEYOND nove centros de tratamento e pesquisa em psoríase – a maioria associada a hospitais universitários: Universidade Federal do Pará (região Norte); Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP; Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto; Faculdade de Medicina do ABC e IDERJ – Instituto de Dermatologia  do Rio de Janeiro  (Região Sudeste), Hospital Universitário de Curitiba, Santa Casa de Curitiba e Hospital de Clínicas de Porto Alegre (Região Sul). A coordenação do estudo é da especialista Dra. Cacilda da Silva  Souza, da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto.

Mais sobre psoríase e artrite psoriásica – A psoríase é uma doença inflamatória, sistêmica, que se manifesta na pele, na maioria das vezes, por lesões róseas ou avermelhadas cobertas por escamas esbranquiçadas. É uma doença que pode ser controlada, resultando na melhoria da qualidade de vida dos pacientes.  Pode afetar homens e mulheres indistintamente e surgir em qualquer idade da vida.  Dados internacionais estimam que cerca de 15 por cento dos pacientes com psoríase podem desenvolver artrite psoriásica

A artrite psoriásica é uma forma de artrite associada à psoríase e pode afetar qualquer articulação do corpo e também causar edema em forma de “salsicha” nos dedos das mãos e dos pés, chamado de dactilite.   As características clínicas da artrite psoriásica podem variar de individuo para individuo. Cerca de 40 por cento das pessoas com artrite psoriásica têm histórico familiar de psoríase ou artrite.

Além dos efeitos da doença, o paciente de psoríase pode ser estigmatizado e ser vítima de atitudes preconceituosas, levando-o ao isolamento social. O diagnóstico inclui a análise do tipo e da extensão da doença, assim como do histórico clínico do paciente.  Cada forma de psoríase tem sinais que permitem que os dermatologistas visualmente identifiquem e determinem o seu tipo e o tratamento adequado.

O tratamento pode incluir medicamentos de uso local, fototerapia ou medicamentos sistêmicos, como os biológicos, recomendados nos casos mais graves da doença.  Os anticorpos monoclonais totalmente humanos são um tipo de medicamento biológico que bloqueia a ação de determinadas células e de processos químicos no organismo que contribuem para o desenvolvimento da doença. <felipe.gier@spmj.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.