No Dia Nacional de Combate ao Fumo, médica alerta: Cigarro é o principal inimigo das atividades físicas

Além de atacar os pulmões e causar doenças respiratórias, o tabagismo aumenta também o risco de enfarte,  AVCs e de doença arterial periférica

Neste 29 de agosto, comemora-se o Dia Nacional de Combate ao Fumo, data em que autoridades e entidades de todo o país concentram esforços em campanhas de conscientização. A maioria das pessoas associa o tabaco somente às doenças relacionadas aos pulmões. No entanto, os prejuízos causados pelo cigarro extrapolam os limites das doenças pulmonares. “Fumar afeta a circulação sanguínea de forma crônica e aguda, sendo uma das principais causas de problemas cardiovasculares, uma vez que a nicotina presente no tabaco diminui a quantidade de oxigênio que chega até ao coração”, afirma Myrna Campagnoli, diretora médica do Laboratório Frischmann Aisengart.

Conforme ela explica, o cigarro causa contração das veias e das artérias, aumenta a pressão arterial, a frequência cardíaca e coagulação do sangue. As artérias ficam mais enrijecidas, uma vez que as substâncias existentes no cigarro mudam sua constituição ao penetrá-las e danificá-las. “Este processo faz com que o fumante não consiga evoluir em seu treinamento, cansando-se muito mais rápido do que uma pessoa não fumante”, afirma.

Além disso, o cigarro aumenta potencialmente o risco de arritmias cardíacas e enfartes depois da prática de exercícios, independentemente da faixa etária. No caso de fumantes mais velhos, há ainda um risco aumentado de doenças cardíacas por conta da obstrução das artérias coronárias. “Fumar é como jogar areia em um sistema de engrenagem delicado. Com o tempo, o processo fica complicado até que em um determinado momento, ele para de funcionar”, explica Myrna.

O risco de doença cardíaca e de enfarte aumenta com o número de cigarros que se fuma, e o risco de doenças cardiovasculares continua a aumentar de acordo com o tempo em que o indivíduo é fumante. Pessoas que fumam um maço de cigarros por dia têm mais do dobro do risco de sofrer um enfarte do que os que não fumam. Além disso, o risco de enfarte, AVCs e de doenças arteriais periféricas é cinco vezes maior nas mulheres fumantes que tomam pílulas contraceptivas.

 Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart

O Laboratório Frischmann Aisengart completa 71 anos e é considerado uma referência para o segmento de medicina diagnóstica. Possui mais de 600 colaboradores e mais de 35 unidades no Paraná. São mais de três mil tipos de exames de análises clínicas, soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, além do serviço de vacinas. Para mais informações: www.labfa.com.br ou (41) 4004-0103.  Siga o Frischmann Aisengart nas redes sociais: Blog – blog.labfa.com.br; Facebook – facebook.com/laboratorio.fa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.