O Alzheimer é uma das principais doenças da terceira idade

O número de idosos está cada vez maior. A Organização Mundial da Saúde (OMS), estima que até 2050, o Brasil seja o 6º país do mundo com maior número de idosos. O Se por um lado isso é bom, porque demonstra que a expectativa de vida aumentou, por outro significa que mais pessoas estão sujeitas às doenças associadas ao envelhecimento.

O otorrinogeriatra do HNSG, Dr. Herton Coifman, destaca que a saúde dos idosos deve ter uma maior atenção. “A capacidade funcional ao longo da vida, vai reduzindo por uma falência múltipla de todos os sentidos e órgãos, seja a audição, equilíbrio, olfato, e também deglutição”, afirma. Para ter uma qualidade de vida neste período da vida, Dr. Vitor Pintarelli, geriatra do HNSG, recomenda que o idoso mantenha sob controle as doenças que já possui, não tome medicamentos por conta própria, tenha uma alimentação saudável e pratique atividades físicas. “É importante que ele se mantenha intelectualmente ativo, vá ao clube, leia livros, vá a igreja, faça voluntariado e nunca pare no tempo”, alerta o médico.

Atenção redobrada

Várias doenças podem surgir na terceira idade, porém a mais comum das demências é o Alzheimer, causado pela morte de células cerebrais. A doença ocorre após os 65 anos de idade, e não se conhece a sua causa específica, porém surge na população que vive mais. “O alzheimercompromete a memória, o raciocínio, as emoções, a capacidade de realizar tarefas e possui evolução progressiva e incapacitante”, explica Dr. Vitor.

O diagnóstico precoce é importante para que a família tenha tempo de assimilar as mudanças cognitivas e comportamentais do paciente, pois com a evolução progressiva da doença o idoso se torna cada vez mais dependente. “Muitos precisam de ajuda para se vestir, se alimentar, deslocar, fazer o uso do banheiro, e tomar banho”, destaca Dr. Vitor. O apoio da família também é fundamental para este cuidado. “A melhor maneira de ajudá-lo, é não dar informações que ele não possa lembrar, para não causar maior sofrimento”, orienta Dr. Vitor.

Além desses cuidados, o acompanhamento médico, por meio de check-ups, solicitado pelo médico, também é essencial. Segundo o Dr. Mauro Piovezan, também médico geriatra do HNSG, os cuidados devem ser constantes em todas as fases da vida. “Não existe idade limite para alguém consultar um geriatra”, diz.

Mônica Neves

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.