A obesidade é um dos vilões para o câncer de mama

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que a obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. A projeção é que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso e mais de 700 milhões, obesos. Somente no Brasil os números apontam que metade da população (50%) está acima do peso. Na região Sul o índice é de 56%. O crescimento de pessoas com sobrepeso tem sido gradual com o passar das décadas. Em 1975 eram 105 milhões, passando para 641 milhões em 2014. O número maior está entre as mulheres, sendo que 23% (18 milhões) eram obesas em 2014 contra 17% (11,9 milhões) de homens.

A oncologista clínica da unidade IOP no Oncoville, Dra. Ana Cléa Santos Andrade, explica que a obesidade de maneira geral é uma grande preocupação, pois quando o indivíduo está com excesso de peso ele pode desenvolver inúmeras doenças, desde cardiopatias até o câncer.  O tecido adiposo não acumula apenas adipócitos, mas outros subtipos celulares capazes de transformar o corpo em um microambiente favorável ao aparecimento do câncer. Nas mulheres pós-menopausa, esse tecido gorduroso é capaz de produzir estrógenos numa fase de vida em que deveria ter redução da carga desse hormônio, favorecendo tumores como os de mama e o de endométrio. “A obesidade provoca inúmeras alterações no organismo e estas podem, por sua vez, afetar o prognóstico do câncer de mama. Há um aumento dos níveis de estrogênio circulante. Dentro dos adipócitos existe uma enzima denominada aromatase, que é responsável pela conversão de androstenediona em estrogênio, logo, mulheres obesas em menopausa têm uma sobrecarga de estrógeno em tecidos sensíveis a esse hormônio, como o é o tecido mamário e uterino, em uma fase de vida em que eles deviam ter seu nível diminuído, e isto se relaciona ao risco aumentado em 1,5 de câncer de mama e 3,5 de câncer de endométrio nestas mulheres”, salienta.

A obesidade se mantém como fator desfavorável também durante o tratamento e como determinante do prognóstico dos pacientes que sobreviveram ao câncer. “O tratamento da paciente obesa se torna mais complicado do que o da paciente com peso ideal, uma vez que os regimes quimioterápicos têm suas doses calculadas com base no peso e altura da paciente, e na obesa as doses mais altas incorrem em toxicidade maior, principalmente medular, por vezes atrasando ciclos e por vezes demandando ajuste para doses menores de quimioterápicos”, enfatiza a oncologista.

Invista em hábitos saudáveis

O tratamento da obesidade deve se iniciar na infância. O hábito alimentar se desenvolve nas primeiras fases de vida do ser humano, e fica mais dificil modificá-lo na vida adulta. A mudança de padrão de vida conduz ao segundo plano a busca em consumo de alimentação balanceada e mais saudável, favorecendo alimentos muito processados, com sobrecarga de alguns elementos em detrimento de outros. A modernidade nos trouxe benefícios, com facilidade de execução de tarefas, que outrora demandavam maior esforço físico e gasto de energia, e isso vem favorecendo o sedentarismo, outro aliado dentre os fatores que vêm conduzindo a humanidade à obesidade e consequentemente às suas várias doenças correlacionadas.  “Na correria, abrimos mão da alimentação e outros hábitos saudáveis, que nos trazem benefícios, e são fatores protetores para uma série de doenças. Há comprovação científica de que a atividade física regular é capaz de diminuir a recidiva de câncer de mama na ordem próxima a 50%.”

A obesidade traz diversos malefícios para a saúde. Os pacientes que sobreviveram a um câncer devem se preocupar com a balança, porque um peso elevado após o tratamento é proporcional a uma maior chance de recidiva do tumor. No entanto, é preciso buscar por alternativas corretas para o emagrecimento e não a fórmulas mágicas. O emagrecimento rápido, que não envolve a reeducação alimentar, não é o mais seguro. As dietas chamadas Detox, que estão na moda, devem ser realizadas com o acompanhamento de um especialista . O obeso mórbido, aquele em que o IMC (Índice de Massa Corporal) excede em 30, deve ser tratado por uma equipe de suporte multidisciplinar envolvendo nutrólogo, nutricionista, endocrinologista, psicológo, cirurgião e educador físico. “Existem vários tipos de cirurgia para a redução do estômago, mas ela não deve ser a solução rápida e inicial, e não está indicada para qualquer obeso. A decisão em interceder cirurgicamente deve ser tomada dentro de uma equipe multidisciplinar que acompanhe o paciente além da cirurgia, uma vez que o emagrecimento, após a mesma, também incorre em perda de capacidade absortiva de alguns nutrientes fundamentais nos anos subsequentes. Não é incomum pacientes com anemia secundária, com deficiência de ferro e vitamina B, por seguimento inadequado pós-cirurgia bariátrica”. É preciso encarar a obesidade como uma doença, de tratamento díficil, que envolve um replanejamento de hábitos, uma mudança de vida, mas com um benefício maior, que é do prolongamento dela, finaliza Dra. Ana Cléa.

Cinco dicas para manter o peso ideal e a saúde:

1 – Encare a obesidade como uma doença e procure tratamento adequado para ela;
2 – Não fume;
3 – Seja um magro saudável, evite industrializados, mantenha alimentação saudável e balanceada;
4 – Movimente seu corpo, mantenha atividades físicas regulares;
5 – Tenha um tempo do dia para você.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Talvez você se interesse por estes artigos

Fechar Menu