Cerca de 30% dos pacientes com câncer de próstata possuem doenças cardiovasculares

A cada ano cresce o número de casos de câncer de próstata no Brasil. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), são esperados 61.200 novos casos da doença no País em 2016¹. Trata-se do segundo câncer mais incidente entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente na população masculina.

A doença, na maioria dos casos, é assintomática em seu estágio inicial e, por isso, os sintomas começam a surgir apenas na fase avançada ou metastática4,5. Outro ponto de atenção é a idade, pois três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos¹, idade em que o paciente costuma ter outras doenças associadas como risco cardiovascular aumentado.

“Como há um risco alto de doenças cardiovasculares em idosos com câncer de próstata, é fundamental que o estado de saúde do paciente seja levado em consideração para a escolha do tratamento mais adequado, especialmente se o indivíduo apresentar histórico de doença cardiovascular ou pertencer ao grupo de risco”, explica Ariane Macedo, cardiologista e Vice-Presidente do Grupo de Estudos em Cardio-Oncologia da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Estima-se que cerca de 30% dos pacientes com câncer de próstata possuam doenças cardiovasculares associadas. E, nestes casos, estudos demonstraram que o tratamento hormonal antagonista (degarelix, comercializado no Brasil com o nome Firmagon®) – um bloqueador dos receptores de GnRH – demonstrou a redução do risco de eventos cardiovasculares em 56% quando comparado às terapias agonistas através de uma metanálise².

O degarelix (Firmagon®), administrado como monoterapia, atua por meio do bloqueio direto da testosterona, fazendo com que o nível de supressão seja atingido dentro de um prazo de três dias após o início do tratamento7,8, ao contrário dos agonistas  que demoram, em média, de três a quatro semanas para suprimir a testosterona.,10,11,13

“O tratamento com o bloqueador degarelix proporciona diversos benefícios aos pacientes, como supressão rápida da testosterona e não ocorrência do flare clínico, ou seja, picos de hormônios que causam dores ósseas, compressão medular e outros comprometimentos de saúde resultantes do câncer de próstata avançado”, explica João Carvalho, urologista do Hospital Federal Cardoso Fontes (RJ).

A Ferring, anunciou o início da fase III do estudo clínico PRONOUNCE, que tem por objetivo comparar a ocorrência de eventos cardiovasculares em pacientes com câncer de próstata e doenças cardiovasculares (DCV) tratados com o antagonista do receptor de GnRH (degarelix) e pacientes com as mesmas condições tratados com um agonista do receptor de GnRH (leuprolida) ao longo de um ano.

O estudo PRONOUNCE, uma parceria da Ferring com Memorial Sloan Kettering Cancer Center e Duke Clinical Research Institute, teve início em fevereiro deste ano e conta com 900 pacientes de mais de 50 centros nos Estados Unidos.

“O PRONOUNCE demonstra o compromisso da Ferring em oferecer as melhores terapias a pacientes com câncer de próstata, focando em necessidades não atendidas de médicos e desse grupo de pacientes, especialmente daqueles com doença avançada e risco cardiovascular”, afirma Rogério Acquaroli, Diretor Médico Global de Uro-Oncologia da Ferring.

 

Referências

  1. Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva. Incidência de câncer no Brasil. Disponível em http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/sintese-de-resultados-comentarios.asp
  2. Albertsen PA, Klotz L, Tombal B, et al. Cardiovascular Morbidity Associated with Gonadotropin Releasing Hormone Agonists and an Antagonist. Eur Urol 2014;65(3):565-73. PMID: 24210090
  3. National Cancer Institute. Prostate Cancer (PDQ(R)): Treatment: Treatment Option Overview. http://www.cancer.gov/types/prostate/patient/prostate-treatment-pdq
  4. Srougi M. Câncer de próstata: uma opinião médica. Artigo especial. Urologia Online, UNIFESP,Faculdade Paulista de Medicina, 1998. Disponível em: http://www.uronline.unifesp.br/uronline/ed1098/caprostata.htm
  5. Barbosa PF, Mendonça SB. Câncer de próstata – Atualizações. Sinopse de Urologia 2003;7(1):4-10. Disponível em:http://www.euromedcateteres.com.br/pdf/04_CancerdeProstata.pdf
  6. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/hormonioterapia-para-tratamento-do-cancer-de-prostata/1211/290/
  7. Klotz L, Boccon-Gibod L, Shore ND, et al. The efficacy and safety of degarelix: a 12-month, comparative, randomized, open-label, parallel-group phase III study in patients with prostate cancer. BJU Int 2008;102 (11):1531-8. PMID: 19035858
  8. AWMSG secretariat assessment report (full submission). Advice No. 4112. Degarelix (Firmagon)80mg and 120mg injection (based on evidence submitted by Ferring Pharmaceuticals (UK) on 6 July 2012). Disponível em: http://www.awmsg.org/awmsgonline/app/appraisalinfo/755. Acesso em 24/02/2015
  9. van Poppel H. Evaluation of degarelix in the management of prostate cancer. Can Manag Res 2010;2:39-52. PMID: 21188095
  10. Rick FC, Block NL, Schally AV. An update on the use of degarelix in the treatment of advanced hormone-dependent prostate cancer. Onco Target and Therapies 2013;6:391-402. PMID: 23620672
  11. European Medicines Agency. Assessment Report for Firmagon. Doc.Ref: EMEA/CHMP/635761/2008. Disponível em:http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/EPAR_-_Public_assessment_report/human/000986/WC500023256.pdf. Acesso em 24/02/2015
  12. Klotz L, Boccon-Gibod L, Shore ND, et al. The efficacy and safety of degarelix: a 12-month, comparative, randomized, open-label, parallel-group phase III study in patients with prostate cancer. BJU Int 2008;102 (11):1531-8. PMID: 19035858
  13. AWMSG secretariat assessment report (full submission). Advice No. 4112. Degarelix (Firmagon)

80mg and 120mg injection (based on evidence submitted by Ferring Pharmaceuticals (UK) on 6 July 2012). Disponível em:http://www.awmsg.org/awmsgonline/app/appraisalinfo/755. Acesso em 24/02/2015

 

Sobre a Ferring Pharmaceuticals (www.ferring.com.br)

Com sede na Suíça, a Ferring Pharmaceuticals é uma empresa biofarmacêutica baseada em pesquisa e desenvolvimento, presente no mercado farmacêutico há mais de 60 anos, com o objetivo de se dedicar em identificar, desenvolver e comercializar produtos inovadores nas áreas de Reprodução Humana, Urologia,  Gastroenterologia,  Endocrinologia  e Osteoartrite.

A empresa ganhou reconhecimento internacional ao longo dos últimos 20 anos pela criação de medicamentos que melhoram a qualidade de vida de crianças e adultos em todo o mundo.

A Ferring possui fábricas próprias em cerca de 60 países e comercializa seus produtos em 110 países. Para saber mais sobre a Ferring ou seus produtos, visite www.ferring.com.

<Caroline.Oliveira@s2publicom.com.br>

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.