“Dezuó, breviário das águas”, destaque desta quarta (5) no Festival de Dança de Londrina

As inúmeras agressões ao meio ambiente no Brasil, a construção irresponsável das hidrelétricas. Com contundência poética, “Dezuó – Breviário das Águas” vai ao coração deste tema central na curadoria do Festival de Dança de Londrina 2016. O espetáculo, que será apresentado pelo Núcleo Macabéa (SP) nesta quarta-feira (5), às 20h30, na Usina Cultural, dá voz aos povos silenciados, que tiveram de abandonar sua vida nas margens dos rios e migrar para os grandes centros. 

A expulsão do menino Dezuó e de sua família da Vicinal do Vinte Um, comunidade ficcional ribeirinha, motivada pela construção de uma usina hidrelétrica no Rio Tapajós (oeste do Pará, na Amazônia brasileira), é o mote deste espetáculo. Com direção de Patricia Gifford, a montagem da peça do poeta e dramaturgo paraense Rudinei Borges reconstitui a trajetória do menino que, após a dissolução de sua vila natal, refugia-se na cidade, onde se torna andarilho.

O ator Edgar Castro, também paraense radicado em São Paulo, está em cena com o músico Juh Vieira para narrar a trajetória memorialista do andejo Dezuó, que adentra as facetas adversas da cultura e das realidades do Brasil para refletir sobre a negação do direito à terra e a consequente disfunção social, fruto direto de uma política desenvolvimentista operacionalizada à margem da legalidade. 

“Dezuó é aquele que narra aos demais cidadãos da pólis a ancestralidade da terra. Como dizia dos meninos o poeta Carlos Drummond de Andrade naquele livro de 1973, trata-se de um Menino Antigo, sujeito que desvela, no novelo da memória, o tempo arcaico”, diz Edgar Castro. “Assim, o homem-menino reinventa, por intermédio da palavra e da cena, as figuras familiares mais íntimas bem como as inquietações da infância: o medo, a dor, a perda, a presença alegre e dizimadora dos adultos em um contexto onde, imbuídas de força, estão as inquietações sociais da pobreza dos grotões, dos interiores onde ainda não há escola e o advento tecnológico das grandes cidades passa longe”. 

A montagem do Núcleo Macabéa convida o público a mergulhar na história por meio de uma instalação cênica em arena, criada pela artista Telumi Hellen, que reproduz a inundação da comunidade e dos sonhos do menino. Com música ao vivo (utilizando instrumentos variados como viola, guitarra, bombo leguero, conga, caxixis, flauta e zabumba) e um texto de particular beleza, o espetáculo está indicado ao Prêmio Shell 2016 nas categorias cenário (Telumi Hellen) e autor (Rudinei Borges).

“Dezuó, breviário das águas não é uma peça de teatro que escrevi sem tomar posição. É um ato poético que se põe do lado das vozes que ouvi: ribeirinhos, pescadores, migrantes, povos indígenas e campesinos. Nesta perspectiva, pus-me (eu mesmo) defronte dum espelho cego e me vi: amazônida, assim como sou: indígena e negro: parte da resistência (e não separado) da minha gente”, escreveu o dramaturgo Rudinei Borges. 

“Todavia, não é uma peça de teatro escrita por um ativista. É uma peça de teatro escrita por alguém que tenta a poesia como norte, desafio da linguagem que brota entranhada no corpo e na vida: é a poesia posta nas trincheiras da existência. Sempre como uma Macabéa, um Sísifo ou um Jó que perambula com um troço pesado nas costas. Mas rebelados eles teimam e resistem: uma fresta para quem peleja o sonho de um tempo justo nunca é uma fresta apenas, é um rio que se levanta aguerrido para junto do mar”. 

O grupo 

O Núcleo Macabéa foi fundado pelo dramaturgo Rudinei Borges em 2011, com o processo de criação da peça “Chão e Silêncio”, encenada em 2012 nas vielas e casas de moradores da comunidade do Boqueirão, na zona Sul de São Paulo, região do Ipiranga. Propõe-se como grupo brasileiro de estudo teatral com ênfase na tessitura dramatúrgica inédita e no trabalho do ator a partir de pesquisa da palavra poética, da memória (história oral de vida) e da condição humana. O exílio, a retirância, a migração, o nomadismo e a andaria dos povos movem o Núcleo Macabéa para a composição de uma tecelagem metafórica das travessias – advinda, sobretudo, do encantamento poético. 

Ingressos extras 

A montagem do Núcleo Macabéa é preparada para receber um público intimista. Após a instalação da estrutura em Londrina, a organização conseguiu disponibilizar mais 20 lugares na plateia da Usina Cultural. Os ingressos custam R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia-entrada) e estão disponíveis nos pontos de venda (secretaria da Funcart, lojas Shop Ballet e Kinise do Boulevard Shopping) e na portaria da Usina, uma hora antes da apresentação.

IMAGENS DO ESPETÁCULO – https://vimeo.com/162064759 

“As águas já vêm, numa cavalaria. As águas da hidrelétrica vêm e tomam nossas casas todas. Como estas águas que se derramam dum jamuru goela afora para matar a sede. Já está feita a barragem. Gente da Vila de Pimental, Aldeia  Nova  dos  Mundurukus, Chorão, Jardim do Ouro e outros povoados serão expulsos  de suas terras. Vão todos, num pau-de-arara, arca em desatino, ao inchaço da cidade: anhapoã: presa de canino.” (“Dezuó, breviário das águas” | Rudinei Borges)

Serviço:

Dia: 5 de outubro (quarta-feira)
Horário: 20h30
Local: Usina Cultural (Av. Duque de Caxias, 4159)
Duração: 75 minutos
Classificação indicativa: 14 anos

Ficha Técnica:

Dramaturgia: Rudinei Borges | Direção: Patricia Gifford
Atuação: Edgar Castro
Direção musical/músico em cena: Juh Vieira
Direção de arte: Telumi Hellen
Assistente de arte: Andreas Guimarães
Apoio técnico: Thales Alves
Iluminação: Felipe Boquimpani
Preparação corporal e vocal: Antonio Salvador
Projeto gráfico: Murilo Thaveira (casadalapa)
Fotografia e vídeo: Cacá Bernardes e Bruna Lessa (bruta flor filmes)
Assessoria de imprensa: Adriana Monteiro
Direção de produção: Isabel Soares
Parceria: Casa Livre
Realização: Núcleo Macabéa

14º Festival de Dança de Londrina
Mostra oficial: 1º a 9 de outubro de 2016
Extensão: 27 a 31 de outubro de 2016
Informações: www.festivaldedancadelondrina.art.br

Bilheteria – Ingressos: R$ 10,00 | R$ 5,00 (meia-entrada). Pontos de venda: Secretaria da Funcart (Rua Senador Souza Naves, 2380 | Telefones: (43) 3342-2362 | 9696-0101, de segunda a sexta-feira, das 9 às 12 horas e das 13 às 19 horas), loja Shop Ballet (Rua Pio XII, 64 – loja 3 | Telefone: (43) 3323-4717, de segunda a sexta, das 9 às 18 horas, e aos sábados, das 9 às 12 horas) e loja Kinise Dancewear (Boulevard Londrina Shopping – Loja 256 / 2º Piso, Av. Theodoro Victorelli, 150 | Telefone: (43) 3017-4169, de segunda a sábado, das 10 às 22 horas, e aos domingos, das 14 às 20 horas). 

O Festival de Dança de Londrina tem patrocínio da Prefeitura Municipal de Londrina, por meio do PROMIC (Programa Municipal de Incentivo à Cultura), da Caixa Econômica Federal e do Teatro Mãe de Deus. O evento é uma realização da APD (Associação dos Profissionais de Dança de Londrina e Região Norte do Paraná), com apoio institucional da Funcart. Apoio: FranceDanse Brasil 2016, Institut Français, Embaixada da França no Brasil, Shop Ballet/Só Dança, Kinise Dancewear, Pastel Mel, Usina Cultural e Rádio UEL FM.

unnamed unnamed-3 unnamed-2 unnamed-1

electracomunicacao@gmail.com

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.