Últimas

Oeste do PR inicia projeto-piloto de energia solar fotovoltaica em propriedades rurais

Com formato inédito, convênio tem como objetivo estudar a viabilidade técnica e econômica da energia renovável no campo; acordo foi assinado nesta quarta-feira (19), em Medianeira 

Na próxima semana começam as atividades práticas do projeto de implantação de unidades de geração distribuída de energia elétrica a partir de módulos solares em propriedades rurais no oeste do Paraná. A proposta é fruto de parceria entre Itaipu Binacional, Parque Tecnológico de Itaipu (PTI), Sebrae/PR, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Sistema Ocepar e cooperativas Lar, C. Vale e Copacol, instituições que assinaram convênio para atuação no projeto neta quarta-feira (19), na sede da Lar, em Medianeira.

O superintendente de Energias Renováveis de Itaipu Binacional, Herlon de Almeida, explica que a iniciativa surgiu a partir de demandas das quatro Câmaras Técnicas de Proteína Animal do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), partindo de provocação da Ocepar em busca de respostas sobre a viabilidade e eficiência desse tipo de energia renovável no meio rural. “A ideia é instalar os sistemas de módulos solares em três propriedades rurais e monitorar o desempenho por um período de três anos. Acreditamos que, ao final, teremos as respostas que desejamos”, projeta.

José Roberto Ricken, presidente do Sistema Ocepar, afirma que o projeto é uma resposta à altura da provocação feita no decorrer das ações do POD.  “A região oeste é o lugar certo para começar esse estudo, pois conta com um grupo alinhado de instituições que fazem parte de um projeto maior, que é o Oeste em Desenvolvimento. Tenho recebido perguntas sobre o que tem sido feito na região para chegarem aonde estão e, esses projetos, são uma resposta. As três cooperativas que darão o empuxo para essa pesquisa também serão exemplos pioneiros”, destaca.

De acordo com a consultora do Sebrae/PR, Danieli Doneda, não há estudos que indiquem essas respostas para o meio rural no Brasil, da forma com que as cadeias de proteína animal precisam para avaliar o uso da energia solar fotovoltaica em propriedades. “Portanto, é um projeto inédito, que pretende ser referência e gerar respostas sobre a viabilidade técnica e econômica do sistema, bem como investimento e tempo de retorno, qualidade da geração distribuída e, ainda, medir a eficiência de diferentes painéis fotovoltaicos existentes no mercado”, indica.

Anfitrião da reunião de assinatura do convênio para execução do projeto, o diretor-presidente da Lar Irineo da Costa Rodrigues acredita que é um dos papeis das cooperativas, encontrar caminhos para o desenvolvimento dos associados. “A região deu um salto nos últimos anos e, ao contrário de empresas privadas que atuam no mesmo setor, as cooperativas sustentaram esse crescimento. Nosso foco são as pessoas. Queremos ver, ao final de cada projeto, que houve melhoria na qualidade de vida do produtor rural. Aderimos ao projeto, pois acreditamos que vai dar certo e ser modelo”, opina.

Funcionamento

Cada instituição tem papeis definidos no projeto. Itaipu, Sebrae/PR e Ocepar estão à frente da gestão do convênio, cada qual dentro de seus focos de atuação; PUCRS e PTI na operacionalização técnica dos sistemas de módulos de energia solar fotovoltaica; e as cooperativas, integrantes primordiais para a prática do processo, indicarão as três propriedades associadas para a instalação, farão o acompanhamento dos sistemas e disseminação do projeto com os demais associados.

Conforme Adriano Moehlecke, coordenador do Núcleo de Tecnologia em Energia Solar da PUCRS (NT-Solar), os módulos fotovoltaicos serão instalados nas propriedades a fim de converter energia solar em energia elétrica. “Isso é possível desde 2012, com a Resolução Normativa nº 482, que criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica. Entretanto, não se têm uma padronização para a implantação do sistema em meio rural. Por isso, a importância do projeto”, enfatiza.

A proposta é encontrar a melhor forma de uso dos módulos fotovoltaicos nas propriedades,  monitorando e avaliando os resultados nestes três anos do projeto, complementa Moehlecke. “Vamos chamar o sistema de Agrosolar e buscar criar uma padronização para o uso com base nos resultados práticos”, observa.

Reconhecimento

Segundo Jorge Samek, diretor-geral brasileiro de Itaipu, este é o resultado concreto de que a união de instituições no POD une oportunidade e competência na busca por respostas ao desenvolvimento. “Com esse arranjo, podemos ser vanguarda e dar exemplo para outras regiões. O POD trabalha de forma organizada e, com isso, cria oportunidades como essa para o desenvolvimento”, afirma.

Na avaliação de Orestes Hotz, gerente regional do Sebrae/PR no oeste, assim como as micro e pequenas empresas das cidades, o meio rural também precisa ser reconhecido enquanto empreendimento. “São empresas rurais que também visam lucratividade e tudo o que vier agregar em eficiência, inovação, sustentabilidade e busca por melhores resultados deve ser apoiado”, salienta.

Mario Costenaro, presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento acrescenta ser um reconhecimento aos quatro anos de atuação. “Este momento sintetiza uma fase de amadurecimento do programa e mostra como o associativismo e cooperativismo transformam positivamente a região. Agora é apenas o começo e nossa responsabilidade em continuar trabalhando em prol do desenvolvimento do território sem vaidades ou políticas partidárias só aumenta. O que estamos mostrando de oportunidade para o mundo é algo muito sério”, sintetiza.

Também estiveram presentes na reunião para assinatura do convênio, o diretor-superintendente da Fundação PTI, Juan Carlo Sotuyo; o presidente da C.Vale, Alfredo Lang; o presidente da Copacol, Valter Pitol; o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Luiz Tarcísio Mossato Pinto; dentre outras autoridades.

Representantes de instituições assinaram convênio para energia solar em propriedades rurais (foto: assessoria de imprensa Cooperativa Lar)

Representantes de instituições assinaram convênio para energia solar em propriedades rurais (foto: assessoria de imprensa Cooperativa Lar)

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*


Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com